Saga de Asgard

Animes
Saga de Asgard

Saiba Mais

Introdução

A Saga de Asgard foi criada e exibida no Japão entre Abril e Novembro de 1988 (cerca de 7 meses). É uma história que não existe no mangá e foi criada integralmente pela Toei Animation, sem participação do criador Masami Kurumada (ele chegou a revelar em entrevistas que apenas deu uma olhada no roteiro, sem ter qualquer influência). Ela foi criada pois Kurumada ainda começava a desenvolver o mangá da Saga de Poseidon. Como o anime fazia bastante sucesso no Japão, a Toei Animation não viu outra opção a não ser criar e animar uma saga própria, antes de iniciar a animação de Poseidon.

No Brasil, o primeiro episódio foi ao ar na TV Manchete, com dublagem da Gota Mágica, no dia 6 de Junho de 1995, fazendo um grande sucesso e marcando o auge da série no Brasil (na ocasião da estréia, a Manchete atingiu 12 pontos na contagem do IBOPE, algo bem expressivo levando-se em conta o estilo de contagem adotada na década de 90). Diante disso, a Manchete parou a exibição no episódio 84 (no dia 22 de Junho de 1995) e usou a antiga tática de reprises para chamar a atenção dos fãs que não tinham conseguido ver o início de Asgard e para manter um suspense de episódios inéditos por mais um tempo. O episódio 85 foi exibido apenas no dia 28 de Agosto de 1995. Na época, a trilha sonora de fundo (background music) de alguns episódios foi alterada pela Gota Mágica, a pedido da licenciadora Alienplanetoys, para os temas das músicas do cd brasileiro, que estava no seu auge na ocasião. Na redublagem em 2004/2005, a trilha sonora foi mantida no original pela Álamo. A série chegou a ser exibida oficialmente, já com a redublagem da Álamo, no Cartoon Network (2004), Band (2005), Rede 21 (2005) e PlayTV (2006), com diversas reprises durante os anos seguintes nestas emissoras.

Os episódios também foram lançados em DVD, pela PlayArte, a partir de 2005.


Hilda reza para o deus Odin manter a paz sobre a gélida terra de Asgard!
Hilda reza para o deus Odin manter a paz sobre a gélida terra de Asgard!

Episódio 1 (74): "Inimigos do extremo norte! Os lendarios Guerreiros Deuses"

"Kyokuhoku no teki! Dentsetsu no God Warriors!"

Data original da estreia: 23 de Abril de 1988; no Brasil: 6 de Junho de 1995

Em Asgard, no extremo norte da Europa, uma terra isolada pelo gelo e pela neve, Hilda reza para o deus Odin, pedindo que ele continue dando força e sabedoria para o povo de Asgard sobreviver as privações impostas a eles e para que a paz reine sobre Asgard. De repente, uma voz misteriosa começa a falar com a representante de Odin, dizendo que é deus com uma força maior do que a do deus Odin. Ele impõe a Hilda que agora é o momento de abandonar as geladas terras de Asgard e atacar o Santuário de Atena, invocando os lendários Guerreiros Deuses. Hilda rejeita a oferta, pois não gosta de lutar e tem certeza que o seu povo não deseja lutar, mas a vontade dela é em vão diante do imenso poder que a ennvolve, já que o ser misterioso a ataque e passa a controlá-la através do Anel de Nibelungo, colocado em seu dado. Após isso, Hilda acorda, com um olhar maligno, e invoca Polaris, sua estrela guardião, para que ela traga de volta a vida os Guerreiros Deuses de Asgard. São eles: Siegfried de Dubhe, estrela Alfa; Hagen de Merak, estrela Beta; Thor de Phecda, estrela Gama; Alberich de Megrez, estrela Delta; Fenrir de Alioth, estrela Épsilon; Shido de Mizar, estrela Zeta; Mime de Benetnasch, estrela Eta.

Shido de Mizar, um Guerreiro Deus, ataca Atena, mas ela é salva por Shun de Andrômeda!
Shido de Mizar, um Guerreiro Deus, ataca Atena, mas ela é salva por Shun de Andrômeda!

No Santuário, Aldebaran de Touro é atacado por Shido de Mizar. O Cavaleiro de Ouro é vencido com apenas um golpe. Na casa de campo de Atena, Kiki e Saori brincam com borboletas, quando são interrompidos por Tatsumi e pelos Cavaleiros de Bronze "menores". Ele avisa que Aldebaran foi vencido. Neste momento, Shido de Mizar aparece no local e se apresenta como um Guerreiro Deus de Asgard. Ele informa que veio se apoderar da vida de Atena, mas antes, disso, passou pelo Santuário na Grécia, para verificar a força dos Cavaleiros que a protegem. Jabu e os outros atacam Shido, mas são facilmente vencidos pelo poder congelante do Guerreiro Deus. Shido então parte em direção de Saori, mas é interrompido por Shun de Andrômeda, que veste a sua nova Armadura de Bronze. Seiya também está no local, e golpeia Shido com um chute poderoso. A nova Armadura de Pégaso é muito mais poderosa. Shido dispara um novo golpe em Seiya, o Garras do Tigre Negro, e desta vez derruba o Cavaleiro de Pégaso. Seiya é amparado pelos seus amigos. Shido avisa que Hilda de Polaris tomará o lugar de Atena. Shun assume a luta e ataca com as Correntes de Andrômeda, que levam vantagem sobre o golpe gélido de Shido. O Guerreiro Deus parte então para a floresta, numa tentativa de testar a Corrente de Shun. Shun leva vantagem no início, inclusive com o golpe Onda Relâmpago, mas acaba pecando por atacar contra o Sol, sendo contra-golpeado em seguida. Shido resolve aplicar o golpe final, mas Ikki de Fênix surge para salvar Shun. Seiya pede para Ikki esperar, pois quer continuar lutando contra Shido. O Cavaleiro de Pégaso dispara poderosos meteoros, que desta vez ferem Shido. Porém, Seiya também foi ferido pelas Garras do Tigre Negro. A luta acaba interrompida por Atena, que agora tem a presença de Shiryu de Dragão e Hyoga de Cisne também. Shido finalmente entende que se Hilda quiser ter o controle do Santuário, os Guerreiros Deuses terão que enfrentar antes os Cavaleiros de Atena. Ele então resolve ir embora. A noite, Saori e os Cavaleiros refletem sobre tudo o que aconteceu. Ela entende que alguma coisa terrível aconteceu lá. Hyoga resolve ir até Asgard averiguar antes e Shiryu quer ir para os Cinco Picos Antigos para saber se o seu mestre sabe de algo.


Freya, irmã de Hilda, foge com Hyoga de Cisne para pedir ajuda a Atena!
Freya, irmã de Hilda, foge com Hyoga de Cisne para pedir ajuda a Atena!

Episódio 2 (75): "Hilda, a deusa enfeitiçada pelo diabo"

"Hilda! Akuma ni miirareta megami"

Data original da estreia: 30 de Abril de 1988; no Brasil: 7 de Junho de 1995

Hyoga está em Asgard e tem a companhia de Freya. Eles são perseguidos por soldados de Asgard. Freya acredita em Hyoga e diz que a sua vida está nas suas mãos agora. No palácio Valhalla, os Guerreiros Deuses estão diante de Hilda, que está irritada pelo sumiço de Freya. Siegfried intercede dizendo que acha que ela está acompanhada por um Cavaleiro de Atena. Fugindo de Asgard, Hyoga e Freya observam que vários blocos enormes de gelo estão derretendo. Neste momento eles são interceptados por soldados de Asgard, que querem Freya de volta. Hyoga se apresenta e pede para eles irem embora. Freya diz que quer ir ao Santuário para pedir para Atena impedir Hilda, fazendo-a desistir do seu plano, assim mantendo a paz no mundo. Os soldados atacam Hyoga, mas são facilmente vencidos. Freya diz que não se arrepende disso e pede novamente para Hyoga levá-la até Atena. Neste momento, surge Atena, com seu imenso cosmo. Freya sente que o cosmo dela é cheio de amor e pureza. Ela tem certeza que ela ajudará Asgard e seu povo. Freya explica que sua irmã mudou completamente de uns dias para cá, como se ela tivesse sido possuída, mas antes ela não era assim. Seiya, Shun e Kiki também estão no local. Freya explica que o gelo de Asgard derretente, afetará várias cidades do mundo , causando grandes estragos. Tudo isso está acontecendo pois Hilda parou de rezar para Odin, negligenciando o seu destino.

Saori utilizará o seu cosmo para impedir que o gelo de Asgard derreta e cause estragos no mundo!
Saori utilizará o seu cosmo para impedir que o gelo de Asgard derreta e cause estragos no mundo!

Saori resolve ir até Hilda, mas no caminho eles acabam encontrando os cosmos malignos dos Guerreiros Deuses e de Hilda, montado em seu cavalo. Um confronto entre os dois grupos é inevitável. Hilda ataca com várias bolas de energia, mas Atena consegue detê-la com seu cosmo. Seiya confronta Siegfried, Shun confronta Mime e Hyoga confronta Shido. Os poderes de ambos os grupos são similares, se anulando toda hora. Hilda pergunta porque Freya está contra ela, sua irmã. Freya responde dizendo que ela não é mais aquela pessoa nobre e gentil que conhecia e admirava. Hilda chama Freya de traidora e agradece Atena por enganar sua irmã. Saori diz que ela acabará levando Asgard a destruição com tudo isso. Saori se espanta ao ver que Hilda está usando o Anel de Nibelungo e pergunta para Freya desde quando ela está usando o anel. Freya se lembra que desde que ela começou a usar o anel, ela mudou o seu comportamento. Shun diz que aquele que possuir o Anel de Nibelungo, terá um pode infinito. A Hilda que está diante deles agora é uma pessoa totalmente diferente devido a maldição carregada pelo anel. Seiya diz que tirará o anel de Hilda. Ele pede para Shun e Hyoga acompanhá-lo e Saori diz que ficará lá utilizando o seu cosmo para impedir que o gelo derreta. Hilda desdenha da atitude de Atena, dizendo que ela não aguentará mais do que um dia. Saori pede para Seiya não perder a esperança, relembrando os momentos difíceis na luta nas Doze Casas do Zodíaco. Ela então começa a emanar o seu cosmo, dando resultado de imediato, impedindo que o gelo derreta. Thor então ataca Atena com seus Martelos de Mjölnir. Shun tenta deter com suas correntes, mas não consegue. Os martelos param na frente do rosto de Saori e se voltam contra Thor. Seiya pede para Kiki proteger Freya e Saori enquanto eles partem para deter Hilda. A representante do deus Odin recua e pede para os seus Guerreiros Deuses fazerem o mesmo, afinal não é necessário pressa, deixando Atena e seus cavaleiros sofrerem. Thor fica para ser o primeiro a enfrentar os Cavaleiros de Atena!


Thor de Phecda, da estrela Gama, possui dois poderosos Martelos de Mjölnir!
Thor de Phecda, da estrela Gama, possui dois poderosos Martelos de Mjölnir!

Episódio 3 (76): "O cosmo de Thor está cheio de ódio"

"Kyojin Thor! Zoh no Cosmo"

Data original da estreia: 7 de Maio de 1988; no Brasil: 8 de Junho de 1995

Seiya, Shun e Hyoga continua subindo a montanha em direção ao Palácio Valhalla. Atena continua queimando o seu cosmo, para a preocupação de Kiki e Freya. Saori reflite, confiando em seus Cavaleiros. Shun detectaa presença do inimigo e dois grandes martelos surgem na direção deles. Thor de Phecda, da estrela Gama, os espera. Ele diz que não pode deixá-los passar. Shun tenta detê-lo com as Correntes de Andrômeda e Hyoga com o Pó de Diamante, congelando Thor. Entretanto, o Guerreiro Deus de Asgard se livra facilmente do gelo, já que apenas uma fina camada da sua pele foi atingida. Em seguida, ele atira Shun para longe. Seiya propõe para Hyoga e Shun que eles partam, enquanto ele ficará para enfrentar Thor. Shun e Hyoga confiam no Pégaso e conseguem passar, quando Seiya distrai Thor com os seus Meteoros. Entretanto, Thor havia atirado os seus martelos, acertando os dois que acabaram de passar por ele. O Guerreiro Deus reintera que ninguém poderá passar por ele. A diferença de tamanho é imensa entre Thor e Seiya, mas o Pégaso consegue com agilidade se desviar dos martelos, atirados novamente. Porém, Seiya não imaginava que em seguida receberia um outro golpe: Hércules Titânico, o atirando para bem longe. Em seguida, Thor pisa na cabeça de Seiya.

Seiya utiliza a própria força do golpe de Thor ao seu favor, derrubando o gigante Guerreiro Deus!
Seiya utiliza a própria força do golpe de Thor ao seu favor, derrubando o gigante Guerreiro Deus!

Hilda comemora, com Siegfried, a vantagem que Thor está tendo no combate. Seiya continua sendo pisoteado, mas consegue queimar o seu cosmo mais uma vez, para espanto de Thor, que não entende da onde vem tanto poder. A luta reinicia, com Seiya disparando Meteoros e Thor defendendo com apenas uma das mãos. Thor desdenha do poder dos Meteoros de Seiya e ataca novamente com o Hércules Titânico, acertando Seiya em cheio. Seiya reconhece que o poder de Thor é enorme e ele nunca enfrentou alguém assim. Thor resolve então voltar e verificar se Hyoga e Shun estão vivos. Seiya começa a ter a visão de Marin, que pergunta se ele esqueceu da forma que ele lutou nas Doze Casas, contra os Cavaleiros de Ouro, com muita determinação e despertando o sétimo sentido. As palavras de Marin dão força para Seiya e ela pede para ele achar uma maneira de vencê-lo, sem ficar dependente de um golpe só. Seiya volta a ter orgulho de ser um Cavaleiro e começa a lembrar das suas vitórias nas Doze Casas do Zodíaco. Ele então se levanta e desta vez tem certeza que pode vencer Thor. Quando Thor chega até Shun e Hyoga, Seiya chama por Thor. O Guerreiro Deus ignora o fato de Seiya ter levantado novamente e ataca mais uma vez com o Hércules Titânico. Desta vez Seiya consegue ver o golpede Thor e consegue segurá-lo, para em seguida jogá-lo para longe com a força do próprio golpe de Thor, utilizando a técnica do Turbilhão de Pégaso. Thro "acusa" o golpe e Seiya se aproveita deste momento para desferir potentes Meteoros de Pégaso, jogando Thor para longe. Seiya acredita que venceu o poderoso Thor e corre para ajudar Shun e Hyoga, porém o Guerreiro Deus não morreu e parece estar ainda mais forte. Thor reconhece que Seiya foi o primeiro homem que conseguiu jogá-lo para o alto e lançá-lo contra o chão. Ele diz também que Seiya não pode compreender os Guerreiros Deuses porque ele sempre viveu em uma terra com Sol, diferentemente deles, que precisam batalhar desde o primeiro dia que nascem. Agora eles tem a chance de destruir o Santuário e governar o mundo. Seiya diz que Hilda está sendo controlada por alguém maligno, mas Thor ignora tudo e desfere mais um Hércules Titânico.


Shiryu de Dragão aparece para salvar Seiya da morte certa na luta contra Thor!
Shiryu de Dragão aparece para salvar Seiya da morte certa na luta contra Thor!

Episódio 4 (77): "Thor morre por Hilda"

"Kyosei no namida! Hilda no tame ni shisu"

Data original da estreia: 14 de Maio de 1988; no Brasil: 12 de Junho de 1995

Seiya é jogado para muito longe desta vez e quase cai em um penhasco. Ele se levanta com dificuldades e não entende como desta vez não conseguiu ver o golpe de Thor. Seiya se esquiva de mais uma investida do Guerreiro Deus, mas novamente é atingido por diversos golpes disparados por Thor ao mesmo tempo. Parece que será o fim de Seiya, mas o Cavaleiro da Esperança se levanta mais uma vez. Thor ataca mais uma vez, mas Shiryu chega no local e salva o Pégaso. Seiya pede para Shiryu ir até Hyoga e Shun, enquanto ele ficará para lutar contra Thor. Shiryu explica que o Mestre Ancião lhe contou que eles terão que retirar o Anel de Nibelungo de Hilda, mas para isso eles precisam possuir a lendária Espada Balmung. Para tê-la, eles precisam vencer os sete Guerreiros Deuses e recolher as Safiras de Odin, presentes em suas armaduras. Thor, que estava escutando tudo, diz que isso será impossível. Seiya localiza a Safira na armadura de Thor e parte para o ataque. Shiryu resolve confiar em Seiya e parte para ajudar Shun e Hyoga. Seiya é atingido novamente por Thor. Shiryu consegue salvar Shun e Hyoga e conta a história das Safiras de Odin para os dois. Eles resolvem partir, confiando mais uma vez em Seiya. Seiya escuta a voz de Saori. Ela dá forças para Seiya se levantar mais uma vez e continuar lutando. O cosmo da deusa Atena chega até o local onde eles estão e Thor fica surpreso. Mais adiante, Shiryu, Hyoga e Shun se encontram com Thor, que havia voltado para detê-los. Os Cavaleiros de Bronze acham que Seiya morreu, entretanto, o Pégaso não foi vencido e está diante deles novamente.

Thor reconhece que Seiya estava falando a verdade, mas seu orgulho faz com que ele seja derrota pelo Pégaso!
Thor reconhece que Seiya estava falando a verdade, mas seu orgulho faz com que ele seja derrota pelo Pégaso!

O cosmo de Saori continua dando forças para Seiya, que queima o seu cosmo ao máximo e dispara os seus Meteoros de Pégaso, ferindo Thor. O Guerreiro Deus acha que foi o cosmo de Atena que fez isso com Seiya e se lembra que uma vez já sentiu algo parecido. Ele tem a memória de quando estava caçando em uma floresta proibida, quando foi atacado por soldados. Ele ignora as ordens dos soldados e os ataca, com o intuito de proteger a comida que acabou de caçar. Entretanto os soldados são muito numerosos e levam vantagem. Hilda chega no local e interrompe tudo. Thor diz para Hilda que ela pode acabar com ele se ela quiser, mas ela o reconhece e pergunta se é realmente ele o homem que caça nas florestas reais para depois distribuir a comida aos pobres. Em seguida ela pede desculpas por governas esta terra e nao poder fazer nada pelo seu povo. Com o seu cosmo, ela cura o ferimento no braço do Thor, causado pelas flechas dos soldados. Thor entende que o cosmo de Hilda naquele dia era igual de Atena. Thor se lembra também de uma conversa entre Freya e Hilda, logo depois que ela foi enfeitiçada, quando Hilda pediu para ele prender Freya em um calabouço. Ele então "liga os pontos" e passa a acreditar naquilo que Seiya havia dito: ela está sendo controlada pelo Anel de Nibelungo. Entretanto o seu orgulho de Guerreiro Deus fala mais alto e ele insiste que deve proteger Hilda, custe o que custar. No palácio Valhalla, Hilda recebe a notícia de que Thor enfrenta dificuldades para vencer os Cavaleiros de Atena e se irrita. De volta a luta, Thor dispara o Hércules Titânico, mas é contido por Seiya, que repele a bola de energia do golpe de Thor, atingindo as pernas do gigante Guerreiro Deus. Seiya não hesita e aproveita o momento de fraqueza de Thor para vencer o combate com os seus Meteoros de Pégaso. Thor cai totalmente vencido e sua Safira de Odin é libertada da sua armadura. Ele congratula Seiya por ter vencido e acredita que ele conseguirá fazer com que ela volte a ter aquele cosmo acolhedor novamente. A história de Thor é muito triste, mas não há tempo para lamentar. Seiya e os outros partem e Shiryu sugere que eles se dividam por caminhos diferentes.


Em uma memória, ficamos sabendo que Shura cedeu sua Armadura de Capricórnio para salvar a vida de Shiryu!
Em uma memória, ficamos sabendo que Shura cedeu sua Armadura de Capricórnio para salvar a vida de Shiryu!

Episódio 5 (78): "Fenrir! O Lobo do Norte mostra seus caninos"

"Kiba muku! Kita no ohkami Fenrir"

Data original da estreia: 21 de Maio de 1988; no Brasil: 13 de Junho de 1995

Kiki fala que Freya deve ir para um lugar mais seguro. Saori, por telepatia, concorda com ele e pede para o jovem aprendiz levar Freya para um lugar mais seguro. Freya fica perplexa ao perceber que mesmo sofrendo, Atena está pensando sempre nos outros. Freya decide ficar, já que tudo foi causado por sua irmã. Freya pede para Saori para que ela fique ao seu lado. Atena então aceita, mas pede para Kiki protegê-la, aconteça o que acontecer. Os Cavaleiros de Bronze continuam andando em direção ao palácio Valhalla, mas cada um por um caminho diferente. Shiryu tem a sensação de que andou em círculos e, neste momento, é surpreendido por uma avalanche de neve. Neste momento ele tem a recordação de Shura de Capricórnio, pedindo para ele proteger Atena. O Dragão diz que seguirá a lealdade do Capricórnio e continuará lutando e protegendo Atena. A recodação da luta deles é mais profunda e neste momento descobrimos como Shiryu foi salvo após aplicar o golpe Último Dragão em Shura. Antes que ambos queimassem na atmosfera da Terra, Shura transferiu a Armadura de Capricórnio para o Cavaleiro de Bronze, fazendo-o cair de volta a Terra e salvando-o.

Fenrir de Alioth é o Guerreiro Deus de Asgard que controla lobos!
Fenrir de Alioth é o Guerreiro Deus de Asgard que controla lobos!

No Palácio Valhalla, Alberich comunica Siegfried que Thor foi derrotado por Pégaso. Ele avisa também que os Cavaleiros de Bronze se separaram e seguem em direção ao Palácio Valhalla. Hilda interrompe a conversa e diz que deixará tudo em suas mãos. Siegfried diz que será um excelente teste para os Guerreiros Deuses e que Fenrir já está posicionado para a batalha. Hilda pede para ele não ter piedade. Perto de uma cascata congelada, Shiryu é cercado por lobos e mais um Guerreiro Deus surge: Fenrir de Alioth, o domador de lobos. Fenrir assobia para os lobos e eles atacam Shiryu. O Cavaleiro de Dragão é obrigado a se defender, ferindo os lobos. Fenrir ordena que Guing, o líder dos lobos, mate Shiryu. Shiryu dispara o Cólera do Dragão e consegue afastá-los, matando boa parte dos lobos. Ele pede para o Guerreiro Deus descer e enfrentá-lo. Quando Fenrir desce, Shiryu localiza a Safira de Odin. Fenrir está irritado pela morte dos seus lobos e diz que Shiryu não está a altura de ser seu inimigo. Ele então ataca com o golpe Garra do Lobo Assassino. Shiryu tenta se defender com seu escudo, mas é atingido várias vezes em diversas partes do corpo. Ele não conseguiu ver da onde vieram os golpes. Fenrir ataca várias vezes, desta vez ferindo os olhos de Shiryu. O Cavaleiro de Bronze não consegue mais ficar com os olhos abertos por muito tempo e acaba sendo jogado longe pelos golpes em sequência de Fenrir. O Guerreiro Deus se move como os lobos, de maneira ordenada com o Guing, atrapalhando a possibilidade de Shiryu localizá-lo com os olhos fechados. Os dois atacam Shiryu, que consegue se defender de Guing, mas não de Fenrir, que ainda tem tempo de se esquivar do Cólera do Dragão de Shiryu.


Guing é o líder da alcatéia de lobos do Guerreiro Deus Fenrir de Alioth!
Guing é o líder da alcatéia de lobos do Guerreiro Deus Fenrir de Alioth!

Episódio 6 (79): "Pobres lobos do norte"

"Aware! Northern gunroken no shukumei"

Data original da estreia: 28 de Maio de 1988; no Brasil: 14 de Junho de 1995

A luta entre Shiryu e Fenrir prossegue. O Guerreiro Deus conta vantagem e ri da situação de Shiryu, que está encurralado. Ele ataca novamente com o golpe Garra do Lobo Assassino, mas Shiryu consegue se esquivar, mesmo com os olhos muito machucados. Fenrir começa a golpear violentamente Shiryu contra a cascata congelada. Em outro lugar, Seiya pressente que Shiryu corre perigo, mas sabe que não pode ajudar. Shun e Hyoga tem o mesmo pressentimento. Shiryu está sangrando muito e Fenrir ordena que os lobos comam o Cavaleiro de Dragão. Quando Guing e os outros chegam perto de Shiryu, eles começam a lamber o sangue dele. Fenrir continua dando risada da situação. No local onde Atena está, Freya e Kiki estão preocupados com os Cavaleiros de Atena. Freya diz que o caminho até o Palácio Valhalla é muito complicado, até para quem nasceu em Asgard. Kiki acalma a irmã de Hilda, dizendo que os Cavaleiros já passaram por vários desafios mortais e sempre sairam vitoriosos. Freya continua rezando por eles. Fenrir ordena que Guing coma Shiryu, mas neste momento o Dragão acorda e consegue afastar os lobos. Entretanto ele é pego novamente por Fenrir, que pede para ele se render. A luta é violenta! Shiryu se lembra mais uma vez das palavras de Shura e isso serve mais uma vez como inspiração para ele se levantar e continuar lutando.

Com o cosmo de Atena afastando os lobos, a luta agora será apenas entre Fenrir e Shiryu!
Com o cosmo de Atena afastando os lobos, a luta agora será apenas entre Fenrir e Shiryu!

Shiryu avisa Fenrir que ele quer a Safira de Odin para poder salvar Hilda, que foi possuída pelo mal. Fenrir não acredita nas palavras de Shiryu. O Cavaleiro de Bronze pede para Fenrir confiar nele, mas o Guerreiro Deus não confia em ninguém. Ele não acredita na amizade pois foi traído no passado, por isso ele só confia nos lobos. Shiryu pergunta que ele nunca poderá ser feliz se não confiar nas pessoas. Fenrir começa a contar a sua triste história. Quando ele tinha seis anos, ele cavalgava com sua família e amigos em uma floresta de Asgard, quando de repente um urso apareceu, matando seus pais. Vendo os pais de Fenrir mortos, o jovem garoto pediu ajuda para os amigos, mas todos eles fugiram. Neste momento, lobos, liderados por Guing, surgiram e salvaram Fenrir da morte certa. Desde então, Fenrir passou a morar na floresta, cuidando e sendo cuidado pelos lobos. Os Fenrirs que tinham sido uma família importante, não eram mais nada e todas as pessoas abandonaram os Fenrirs. Shiryu entende a situação, mas diz que nas dificuldades é necessário aceitar a ajuda das pessoas. Fenrir diz que confia em Hilda somente, pois os lobos a respeitaram como uma deusa quando ele foi nomeado o Guerreiro Deus da estrela Épsilon. De volta a luta, os lobos continuam atacando Shiryu e neste momento Fenrir dispara um novo golpe: Golpe do Lobo Imortal. Shiryu pede para Fenrir tirar os lobos de cima dele, mas não é atendido. Saori então envia o seu cosmo, fazendo os lobos recuarem. Agora a luta será apenas entre aquele que confia nos amigos contra aquele que não confia em ninguém!


Shiryu destrói a cascata congelada e consegue vencer o Guerreiro Deus Fenrir!
Shiryu destrói a cascata congelada e consegue vencer o Guerreiro Deus Fenrir!

Episódio 7 (80): "Lamentos de gelo"

"Hyogen Ni kiyu! Kanashiki to boe"

Data original da estreia: 4 de Junho de 1988; no Brasil: 15 de Junho de 1995

Shiryu ataca com o Cólera do Dragão, mas a Garra do Lobo Assassino se sobressai, golpeando Shiryu em cheio. Fenrir diz para os lobos não terem medo do cosmo de Atena e pede para eles atacarem o Dragão novamente. Shiryu queima o seu cosmo e afasta os lobos. Shiryu quer a Safira de Odin de qualquer maneira. Fenrir desdenha falando que Shiryu comete uma bobagem ao lutar pelos outros humanos. O Cavaleiro de Bronze fala que eles também são orfãos, mas jamais choraram por isso, eles compartilharam a dor e a felicidade entre eles, em um sinal de amizade, diferentemente de Fenrir, que se revoltou contra o destino que a vida o reservou. Shiryu está muito determinado agora. Em outro local, o Guerreiro Deus Hagen de Merak surge na frente de Hyoga de Cisne. Ele estava esperando o Cavaleiro de Atena pois acredita que foi ele quem colocou Freya contra Hilda, manipulando Freya. De volta a luta de Shiryu e Fenrir, o Guerreiro Deus está muito zangado com as palavras de Shiryu e o ataca várias vezes. Shiryu não encontra saídas para vencer Fenrir, já que o seu Cólera do Dragão se mostra ineficaz. Ele tem a ideia então de desviar o seu golpe para a cascata congelada.

Hagen de Merak quer derrotar Hyoga pois acha que ele fez a cabeça de Freya contra Hilda!
Hagen de Merak quer derrotar Hyoga pois acha que ele fez a cabeça de Freya contra Hilda!

A ideia de Shiryu dá certo, pois a cascata é destruída e uma grande avalanche cai sobre Fenrir e sobre os lobos. Shiryu também acaba tragado pela avalanche, mas sobrevive. Guing e os outros lobos começam a cavar a neve, na tentativa de encontrar Fenrir. Os lobos encontram o Guerreiro Deus, mas ele está morto. Shiryu pega a Sagida de Odin e lamenta a morte de Fenrir. Ele espera que dá próxima vez que ele renascer, ele possa confiar nas pessoas. Os lobos começam a uivar e, como vingança pela morte de Fenrir, partem para cima de Shiryu, que cai em um penhasco. Seiya sente que o cosmo de Shiryu enfraqueceu. Saori e Kiki também. Com a queda do penhasco, Guing e os lobos morreram. De volta a luta de Hyoga e Hagen, o Cavaleiro de Bronze sente que o cosmo do Guerreiro Deus é muito poderoso, similar ao dos Cavaleiros de Ouro. Ele resolve testar a sua força e dispara o golpe Pó de Diamante. Hagen acaba congelado, mas consegue quebrar o gelo facilmente. Hagen desdenha do golpe de Hyoga e pede para ele atacar novamente. O Cisne então dispara o Pó de Diamante novamente, mas Hagen consegue defender e repelir o golpe de volta. Hyoga não acredita no que vê, mas não desiste da luta, queimando novamente o seu cosmo. Hagen resolve lutar com todas as suas forças também!


Hyoga foi averiguar Asgard antes, mas foi preso no Palácio Valhalla e acabou torturado por Thor!
Hyoga foi averiguar Asgard antes, mas foi preso no Palácio Valhalla e acabou torturado por Thor!

Episódio 8 (81): "A batalha mortal de Freya"

"Freya! Ai yue no shito"

Data original da estreia: 11 de Junho de 1988; no Brasil: 19 de Junho de 1995

Hyoga lembra que durante a batalha contra o seu mestre Camus, nas Doze Casas, ele conseguiu despertar o Sétimo Sentido. Ele avisa Hagen que pegará a sua Safira de Odin para poder salvar Hilda e para que Freya não sofra mais. Hagen se irrita pelo fato de Hyoga falar de Freya com tanta intimidade. Hyoga pede para Hagen entregar a Safira de Odin, se ele gosta tanto de Freya. Somente assim ele ajudará Freya. Hagen está "cego" e não percebe que Hyoga fale a verdade e então ataca com o golpe Força Congelante. O Guerreiro Deus congela o Cavaleiro de Atena, mas Hyoga ri da situação e consegue se livrar do "caixão de gelo" criado por Hagen. Hyoga é o Cavaleiro do Gelo e não irá ser morto por um golpe assim. Hyoga diz que Freya ficaria triste se visse como Hagen está agindo. Ele conta também que Freya salvou a sua vida quando ele entrou em Asgard para averiguar a situação. Hyoga se deixou ser preso no Palácio de Valhalla e acabou torturado. Ele subestimou a força dos Guerreiros Deuses e se arrependeu por isso. Não havia como escapar, mas Freya apareceu e o tirou da prisão. Depois de salvá-lo, Freya pediu ajuda para Hyoga, sendo ele um Cavaleiro de Atena, no intuito de salvar a sua irmã Hilda. Freya contou a história de como sua irmã virou malvada do dia para a noite.

Hagen de Merak levou Hyoga para o local mais quente de Asgard, onde ele treinava na infância!
Hagen de Merak levou Hyoga para o local mais quente de Asgard, onde ele treinava na infância!

Hagen fica ainda mais irritado, achando que Hyoga está mentindo e que ele enganou Freya. O Guerreiro Deus ataca com raiva, mas o Cisne consegue esquivar. No local onde Atena está, Freya e Kiki ficam preocupados ao verem que as geleiras continuam derretendo. Hagen lembra da sua infância, época que já servia como guardas reais de Hilda e Freya. Hagen tinha consigo a missão de proteger Hilda e principalmente Freya, a quem sempre nutriu um sentimento bonito. Ele era a pessoa mais próxima de Freya. Ele se lembra da promessa que fez a Freya, de ser o homem mais poderoso do mundo, assim podendo proteger Hilda e Freya mesmo que isso custasse a sua vida. Hyoga diz que também prometeu a Freya que protegeria Asgard e Hilda, mesmo que isso custasse a sua vida. Os dois se confrontam com os golpes Trovão Aurora e Raio de Fogo. Hagen leva vantagem e Hyoga fica perplexo ao ver que o Guerreiro Deus possui um golpe controlando o fogo. Hagen sai correndo para dentro de uma caverna e Hyoga pede para ele não fugir, mas acaba sendo obrigado a seguí-lo. No interior da caverna, o calor é intenso. É inacreditável como pode existir um lugar tão quente em Asgard, um rio de lava. Hagen diz que aquele é o único lugar de Asgard que não tem neve e será o local do túmulo do Cisne. Hyoga diz que Hagen está fugindo pois não tem poder suficiente para vencê-lo, mas Hyoga está sofrendo demais com o calor. Hagen ataca com uma corrente de ar quente e Hyoga quase desmaia com o calor. O Guerreiro Deus de Merak ataca novamente com o golpe Raio de Fogo. Hyoga pula para se esquivar, mas acaba atingido e quase cai no rio de lava. Kiki sente que Hyoga está correndo perigo e vê a imagem dele sofrendo em um lugar com muito fogo. Ele conta para Freya o que ele viu e ela logo entende que ele está enfrentando Hagen onde ele treinava na infância. Esta é a última coisa que ela gostaria de ver e sai correndo em direção a eles.


Hagen treinou deste criança na caverna de lava, por isso consegue suportar o calor de lá por até uma semana!
Hagen treinou deste criança na caverna de lava, por isso consegue suportar o calor de lá por até uma semana!

Episódio 9 (82): "Cisne erga-se do inferno ardente"

"Mae hakucho! Hyochu no shakenetsu jigoku"

Data original da estreia: 18 de Junho de 1988; no Brasil: 20 de Junho de 1995

Cisne continua sofrendo com o calor do lugar. Freya corre em direção da caverna. Hagen utiliza a lava para atacar Hyoga, mas o Cavaleiro de Bronze consegue detê-la utilizando um golpe congelante. Hagen se aproveita do momento e ataca com o Raio de Fogo. Hyoga se lembra novamente das palavras de Freya e entende que precisa achar uma maneira de contra-atacar, caso contrário será vencido. Hyoga jamais enfrentou um calor como este. Ele pergunta como Hagen suporta o calor do lugar, tendo nascido em Asgard. Ele explica que a sua armadura de Merak foi entregue nesta caverna, onde ele já treinava desde criança. Graças ao seu treinamento, ele consegue ficar lá por até uma semana. Hyoga está suando muito e entende que encontrou o pior inimigo que alguém que nasceu na Sibéria poderia enfrentar. Ele pede novamente para ele se render e entregar sua Safira de Odin. O Cisne começa a ter vertigens e cai novamente ferido no chão em mais um ataque do Raio de Fogo de Hagen.

Freya chora a morte de seu amado Hagen, que mesmo com as palavras dela não conseguiu enxergar a verdade!
Freya chora a morte de seu amado Hagen, que mesmo com as palavras dela não conseguiu enxergar a verdade!

No Palácio Valhalla, Siegfried é informado que Fenrir foi derrotado. Shido fala que eles não podem subestimar os Cavaleiros de Atena. Hilda pergunta sobre Freya e Siegfried responde dizendo que ela ainda está com Atena. Freya continua lembrando dos bons momentos que viveu com Hagen na infância. Hyoga se levanta mais uma vez e vê Hagen invocar a lava novamente. Neste momento ele têm uma ideia, mas acaba ferido e perdendo o elmo. Hagen pega o elmo de Hyoga, como prova da sua vitória, mas o Cisne não morreu e se levanta mais uma vez. Ele explica mais uma vez que para salvar Hilda, Hagen precisa entregar a Safira de Odin. O Guerreiro Deus se assusta com a força de vontade de Hyoga. Um novo ataque do Raio de Fogo não funciona desta vez e Hyoga ataca com a Execução Aurora, congelando uma parte da lava. Hagen conseguiu se desviar por muito pouco. Saori pede para Kiki ir até a caverna, ajudar Hyoga. Freya chega no local no momento em que Hagen iria jogar Hyoga no rio de lava. Ela pede para ele parar e não machucar Hyoga. O Guerreiro Deus joga o Cisne no chão e Freya sai correndo para consolá-lo. Hagen fica irritado e Freya pede para ele escutá-la. Ela conta a história do Anel de Nibelungo, implorando por sua ajuda. Hagen não quer acreditar e credita a culpa a Hyoga. Hagen se mostra muito fiel a Hilda e nem as palavras da sua amada o fazem mudar de postura. Freya se coloca na frente de Hyoga, impedindo que Hagen ataque novamente. A raiva de Hagen contra Hyoga é muito grande e ele ataca com o golpe Raio de Fogo, sem se importar com a presença de Freya. Hyoga se coloca na frente e salva Freya. O Cisne se levanta e vê Freya desmaiada. Hyoga queima o seu cosmo ao máximo, despertando o sétimo sentido, e dispara mais uma vez a Execução Aurora. Desta vez Hagen é atingido em cheio e morre diante de uma triste Freya, que chora copiosamente pela morte do seu amado. Hyoga se lamenta, mas não havia outra solução a não ser vencer Hagen. Kiki finalmente chega na caverna e Hyoga diz que a luta já acabou. Em seguida, a Safira de Odin é liberada da Armadura de Merak.


Seiya lembra que os Cavaleiros de Ouro doaram seus sangues para Mu restaurar as Armaduras de Bronze!
Seiya lembra que os Cavaleiros de Ouro doaram seus sangues para Mu restaurar as Armaduras de Bronze!

Episódio 10 (83): "Harpa misteriosa! Prelúdio tenta enviar Shun para a morte"

"Ayashi no tategoto! Shun wo izanau shi no prelude"

Data original da estreia: 25 de Junho de 1988; no Brasil: 21 de Junho de 1995

Hilda percebe que o cosmo de Hagen desapareceu e pergunta para Siegfried o que ele acha. O Guerreiro Deus responde que os Cavaleiros de Atena devem estar muito feridos, seria impossível eles terem saído ilesos das batalhas. Neste momento, Hilda escuta novamente a voz do ser misterioso que lhe entregou o Anel de Nibelungo, dizendo que ela não deve desistir pois vencerá Atena. Seiya continua subindo em direção ao Palácio Valhalla, mas sente muitas dores na região do estômago, dores estas devido a sua luta contra Thor. Neste momento ele acaba caindo em um precipício. Se ele não estivesse utilizando a nova armadura de Pégaso, certamente não teria sobrevivido. Neste momento Seiya se lembra do momento em que os Cavaleiros de Ouro doaram seus sangues para restaurar as cinco Armaduras de Bronze. Aiolia para o Pégaso, Milo para o Cisne, Mu para o Dragão, Aldebaran para o Andrômeda e Shaka para o Fênix. Os Cavaleiros de Ouro também reconhecem que Seiya e os outros são os verdadeiros Cavaleiros que protegem Atena. Ao lembrar de tudo isso, Seiya renova as suas forças e se levanta mais uma vez! Shun, que está mais a frente, não consegue sentir o cosmo dos seus amigos. Neste momento ele também lembra das lutas nas Doze Casas do Zodíaco e os esforços que eles fizeram para salvar Atena.

Shun inicia uma batalha mortal contra o Guerreiro Deus Mime de Benetnasch, a estrela Eta!
Shun inicia uma batalha mortal contra o Guerreiro Deus Mime de Benetnasch, a estrela Eta!

Mais a frente, Shun escuta uma bela música, ao mesmo tempo que a considera triste. Surge na sua frente o Guerreiro Deus Mime de Benetnasch, da estrela Eta. As correntes de Shun não conseguem sentir a presença do inimigo. Mime diz que sabe o que se passa pela cabeça de Shun, principalmente o fato dele não gostar de lutar. Shun diz que lutará para salvar Atena e ataca com as Correntes de Andrômeda. Entretanto, as correntes acabam exitando e param de se mover ao chegarem perto de Mime. As Correntes de Andrômeda não consegue atacar alguém que não tem um cosmo ameaçador. Mime diz que não há razão para Shun lutar e ele deve apreciar a morte de forma tranquila. Mime ataca com vários golpes na velocidade da luz e Shun consegue se defender com a Defesa Circular. Uma brecha na Defesa Circular acaba acontecendo e Mime consegue golpear Shun. O cosmo de Mime é cheio de mágoas, tornando-o um guerreiro misterioso. Shun sente que Mime também não gosta de lutar, mas não pode ficar sem fazer nada pois é necessário salvar Atena. Ele continua atacando com as Correntes de Andrômeda, mas Mime cria uma ilusão, criando vários "clones" seu espalhados pelo local. Nem as Correntes de Andrômeda, que tem o poder de localizar o inimigo mesmo a anos luz de distância, não conseguem fazer nada. Neste momento, Mime surge nas costas de Shun, golpeando-o de forma violenta. O Guerreiro Deus pergunta porque Shun insiste em lutar e Shun responde que precisa resgatar Atena e proteger a Terra. Mime diz que é bobagem, já que a Terra nunca haverá paz e os crimes nunca acabarão. Shun entende que Mime é um oponente diferente de todos os que ele já enfrentou, o trabalho psicológico que Mime faz contra Shun é intenso, incentivando-o a abandonar as lutas. Shun se questiona, perguntando a si mesmo quantas pessoas mais ele terá que ferir em nome da justiça. O resultado de uma luta sempre será outra luta, por mais que eles se esforcem, nunca haverá paz. Shun pede ajuda para os seus amigos, mas não obtem a resposta. Mime diz então que Shun só parará de lutar quando estiver morto. Neste momento, a voz de Ikki diz para Shun que não há resposta, mas ele deve confiar naquilo que ele acredita, assim a sua luta não será em vão. Ikki para Shun não desistir e isso faz com que ele se encha de esperança novamente, pois ele acredita em seu irmão Ikki. Shun queima o seu cosmo e o combate vai reiniciar.


Mime utiliza o som da sua harpa para criar ilusões e confundir as Correntes de Andrômeda!
Mime utiliza o som da sua harpa para criar ilusões e confundir as Correntes de Andrômeda!

Episódio 11 (84): "Condenado a morte, Réquiem de Cordas"

"Shi no senkoku! Stringer requiem"

Data original da estreia: 2 de Julho de 1988; no Brasil: 22 de Junho de 1995

Shun queima o seu cosmo, mas Mime interrompe dizendo que ele não sabe o que é tristeza e raiva, por isso Mime acha que Shun não deveria ser um Cavaleiro. Neste momento ele ataca novamente com o golpe Réquiem de Cordas. Shun diz que encontrará uma forma de derrotar Mime, mesmo que antes não tenha conseguido com as Correntes de Andrômeda. O fato se repete e Shun não consegue acertar Mime, sendo golpeado e caindo no chão em seguida. A postura do Guerreiro Deus incomoda o Andrômeda. Em outro local, em uma espécie de cabana, Kiki cuida de Freya. Ela está desacordada e sonha com o dia em que conversava com Hagen sobre o clima inóspito de Asgard, sobre os sacrifícios impostos a eles por viverem em um lugar tão frio. No sonho, ela lembra da lição que a sua irmã Hilda deu, encorajando-a a continuar vivendo em Asgard, apesar de todas as dificuldades. O sonho acaba virando um pesadelo, com a imagem de Hilda virando maligna e mandando Hagen matá-la. No Palácio Valhalla, Hilda lamenta a morte de Hagen e diz que se Freya continuar desrespeitando-a, o seu destino será igual ao de Hagen. De volta a luta entre Shun e Mime, o Cavaleiro de Atena dispara vários ataques em sequência, utilizando as suas correntes, mas Mime leva vantagem mais uma vez. Shun chega a acreditar que Mime estava correto ao dizer que as correntes são inúteis pois ele não demonstra vontade de matá-lo.

Shun entende que é inútil continuar com a sua armadura e em seguida ataca com o golpe Tempestade Nebulosa!
Shun entende que é inútil continuar com a sua armadura e em seguida ataca com o golpe Tempestade Nebulosa!

Shun percebe que tudo isso pode estar sendo causado por causa da melodia da harpa de Mime. Ele não deve escutar a música para vencer. Shun consegue se concentrar e finalmente consegue atingir Mime, segurando-o com sua corrente. Shun finalmente descobriu com a técnica de Mime funciona. Entretanto, as correntes se tornam inúteis novamente, mesmo sem Mime tocar a harpa. Shun não consegue entender e o Guerreiro Deus começa com o mesmo discuro de que Shun não deve continuar sendo um Cavaleiro. Shun então retira a sua armadura, para surpresa de Mime. O Cavaleiro de Andrômeda diz que não tem medo da morte e faz a mesma pergunta que Mime havia lhe feito: porque luta? Shun entende que ele é um inimigo diferente de todos o que ele enfrentou e Mime responde que luta por Hilda e por Asgard. Shun diz que é mentira pois Mime é igual a ele. No fundo Mime também odeia lutar. Mime se irrita um pouco com as palavras de Shun, que neste momento queima o seu cosmo intensamente. Shun está determinado a vencer Mime e ataca com a Corrente Nebulosa, jogando Mime para longe. O Guerreiro Deus se assusta com o fato da Corrente Nebulosa adquirir cada vez mais força. Shun pede a Safira de Odin de Mime e em seguida ataca com a Tempestade Nebulosa. Mime não pode fazer nada e acaba atingido de frente, porém acaba sendo salvo por causa das cordas da sua harpa, que o seguraram durante a tempestade de Shun. Ele elogia a técnica de Shun dizendo que o subestimou, mas que agora não irá mais cometer o mesmo erro. Ele ataca agora com a técnica Réquiem de Cordas, enforcando Shun com as cordas da sua harpa, enquanto a toca. Shun clama por Atena e pelos seus amigos e quando tudo parecia perdido, penas da Fênix rompem as cordas de Mime. Eis que surge Ikki de Fênix, irmão de Shun, para salvá-lo mais uma vez. O combate agora será entre Ikki e Mime. Em outro lugar, Seiya sofre para superar a subida de um precipício.


Ikki de Fênix surgiu para salvar o seu irmão Shun e assumir a luta contra Mime de Benetnasch!
Ikki de Fênix surgiu para salvar o seu irmão Shun e assumir a luta contra Mime de Benetnasch!

Episódio 12 (85): "Um Guerreiro triste e corajoso"

"Kanashimi no yusha! Itetsuita zoh"

Data original da estreia: 9 de Julho de 1988; no Brasil: 28 de Agosto de 1995

Shun explica para Ikki que eles devem derrotar os Guerreiros Deuses para chegar o Palácio Valhalla e salvar Atena. Ikki diz que já sabe e pede para Shun descansar. Em seguida, Mime o ataca, mas com muita agilidade o Cavaleiro de Fênix consegue se desviar. Entretanto, por muito pouco Ikki não caiu em um penhasco. Ele entende que os golpes de Mime são tão rápidos como os de Saga de Gêmeos, com quem ele lutou nas Doze Casas do Zodíaco. Mime começa então a tocar a sua harpa, criando ilusões na frente de Ikki. Shun tenta explicar para Ikki, que neste momento já está atordoado, a não ouvir a harpa. Mime se vangloria dizendo que foi muito fácil e ataca Ikki com um golpe explosivo. O Cavaleiro de Atena conseguiu se desferir e reaparece nas costas de Mime, atacando com a Avê Fênix. Ele pergunta que a técnica de Mime não faz efeito sobre nele pois ele possui uma técnica similar, o Golpe Fantasma de Fênix. Ikki percebe algo estranho ao olhar dentro dos olhos de Mime, que neste momento está ferido. No Palácio Valhalla, Hilda pergunta para Siegfried se ele está tendo dificuldades para vencer Andrômeda. Siegfried explica que não há motivos para se preocupar, já que a sua técnica superou a de seu pai, o temível Folken.

Folken era o pai adotivo de Mime e Ikki o fez resgatar lembranças escondidas em seu coração!
Folken era o pai adotivo de Mime e Ikki o fez resgatar lembranças escondidas em seu coração!

Mime diz que já escutou muito sobre Ikki e sobre suas habilidades de luta. Ele tenta utilizar a mesma técnica psicológica sobre Ikki, instigando a dizer que ele não está nem aí para seus amigos e luta por si só. Ikki diz que tudo isso é besteira, mas que no passado já foi verdade. Ikki resolve atacar, mas Mime consegue se defender com apenas uma corda da sua Harpa, empurrando Ikki para trás. A força que Mime demonstra neste momento é muito superior aquela que ele havia mostrado contra Shun. O poder e a velocidade dos seus ataques tem aumentado. Ikki observa que Mime não gosta de lutar, assim como Shun havia percebido antes. Mime então começa a contar a sua história, quando ele matou o seu pai com seus próprios punhos. Quando era uma criança, Mime tocava sua harpa para os animais, quando seu pai, Folken, surgiu, intimidando-a a parar de tocar e sim treinar e lutar. Mime diz que não tem jeito para se tornar um guerreiro e Folken se irrita, quebrando a harpa de Mime. Folken era um guerreiro muito respeitado em Asgard, por ser o mais corajoso. Mime tinha medo dele e vivia na solidão. Entretanto, Mime acabou treinando como o seu pai queria. Quando era adolescente, descobriu que Folken não era o seu pai de verdade e sim o seu pai adotivo. Folken contou que foi ele quem tirou a vida dos seus verdadeiros país. Quando Asgard entrou em guerra com um país vizinho, os seus verdadeiros pais acabaram mortos por Folken, mas Folken não matou o bebe Mime. Mime se revoltou com isso e entendeu que foi por isso que Folken nunca o amou, já que ele era um verdadeiro assassino. Mime desafio Folken e acabou matando-o. O seu ódio nunca desapareceu e tem vivido em função daquele dia desde então. Ikki ri da situação de Mime e diz que o Guerreiro Deus é como ele era no passado, onde ele chegou a erguer o seu punho contra seu irmão e seus amigos. Ikki então ataca com o Golpe Fantasma de Fênix, obrigando Mime a ver o seu verdadeiro passado. Folken era uma pessoa muito rude e dura, é verdade, mas no fundo sempre amou Mime e sempre o protegeu. Mime fica tocado ao perceber que não se trata de uma ilusão e sim uma lembrança verdadeira que estava escondida dentro do seu coração. Folken na verdade havia tentado poupar os pais de Mime, mas se viu obrigado a matá-los. A história é triste e comovente. Mime chora de forma copiosa e pede para Ikki parar, mas o Cavaleiro de Fênix pede para ele assumir a verdade, a verdade de que ele sempre amou Folken. O coração de Mime está despedaçado e demonstra um cosmo muito mais poderoso. A corrente de Shun reage, o que significa que Mime finalmente demonstrou os seus sentimentos de luta.


Ikki consegue entender o ódio que Mime sente e leva vantagem na luta por justamente ter sentido o mesmo no passado!
Ikki consegue entender o ódio que Mime sente e leva vantagem na luta por justamente ter sentido o mesmo no passado!

Episódio 13 (86): "Fênix e suas asas ardentes"

"Fushicho! Shinku ni moeru tsubasa"

Data original da estreia: 16 de Julho de 1988; no Brasil: ---

Pela primeira vez Ikki sente que Mime tem a vontade de matar e seu cosmo está cheio de ódio. Ikki diz que Mime na verdade não odeia Folken e sim a si mesmo, por tudo o que ele fez no passado. Ikki faz um trabalho psicológico no Guerreiro Deus, que fica cada vez mais irritado, atacando Ikki. Entretanto, Mime tem mais lembranças da sua infância, quando treinava com seu pai e ele lhe contou sobre os Guerreiros Deuses de Asgard. Seu pai o encorajou a ser um Guerreiro Deus, algo como se ele já soubesse que Mime seria um. Ikki se levanta mais uma vez e explica que o ódio de Mime não faz o seu cosmo ser mais poderoso do que o dele. Ikki consegue se esquivar da nova investida de Mime e contra-ataca. O mesmo golpe não funciona duas vezes contra os Cavaleiros, principalmente contra o Ikki. Ele dispara a Avê Fênix e Mime mostra força defendendo. A luta é intensa. Saori, através do seu cosmo, percebe que Ikki também está em Asgard e manda forças para ele. Mime parabeniza Ikki por ter conseguido decifrar o seu golpe, mas ele avisa que possui outras técnicas. Neste momento ele ataca com o Réquiem de Cordas, enforcando o Cavaleiro de Atena com as cordas da sua harpa enquanto toca uma música. Ikki tenta se desvenciliar, mas não consegue. Mime avisa que quando a música acabar, Ikki morrerá.

Mime retira a sua Armadura e lutará mais uma vez contra Ikki, desta vez com um cosmo cheio de esperança!
Mime retira a sua Armadura e lutará mais uma vez contra Ikki, desta vez com um cosmo cheio de esperança!

Shun então utiliza as suas Correntes para salvar o seu irmão, segurando o braço de Mime. Ikki pede para Shun recolher as correntes pois ele conseguirá vencer o Mime. Shun faz o que seu irmão pede e Mime ataca o Fênix novamente. Neste momento, Ikki queima o seu cosmo até o Sétimo Sentido e consegue se desvenciliar das cordas da harpa, para espanto de Mime. Ikki reaparece, sem armadura, no topo de uma pilastra, atrás de Mime. A avê Fênix renasceu e Ikki ataca Mime com novamente, ferindo-o no pescoço. Ao cair, a harpa é totalmente despedaçada. Mime está vencido. O Guerreiro Deus pergunta o que Ikki tem que ele não tem. Ikki responde dizendo que talvez ele tenha até uma técnica maior do que a dele, porém o cosmo de ódio de Mime o derrotou. Ikki tem amigos e esperança por um mundo maior, isso o fez derrotar Mime. O Cavaleiro de Bronze diz também que entende perfeitamente o que Mime sentia, já que ele era igual a ele. Ele odiava a tudo e a todos, mas felizmente ele teve tempo de assumir os seus erros e perdoar o seu destino. Mime se levanta com dificuldades e pergunta se o que Fênix está dizendo é verdade, enquanto retira a sua armadura. As palavras de Ikki retiraram o ódio de Mime e seu cosmo agora está cheio de esperança e determinação. Os dois se enfrentam novamente. Um único golpe mais decidirá o confronto. Ikki é o vencedor e Mime agradece o Cavaleiro de Atena. Antes de morrer, ele diz que gostaria de um dia renascer e ser amigo de Ikki. Mime fica feliz pois logo estará junto de seu pai novamente. Shun pega a Safira de Odin. Ikki está muito ferido e pede para Shun seguir em frente, sem olhar para trás. No Palácio Valhalla, Siegfried, Shido e Alberich conversam sobre a derrota de Mime. Alberich avisa que eles devem utilizar outra estratégia para vencer os Cavaleiros de Atena e parte para o combate. Ele vai recorrer a todos os meios disponíveis, de forma desalmada, para vencer Seiya e os outros.


Alberich de Megrez será o próximo Guerreiro Deus a enfrentar os Cavaleiros de Atena!
Alberich de Megrez será o próximo Guerreiro Deus a enfrentar os Cavaleiros de Atena!

Episódio 14 (87): "A Couraça Ametista"

"Ma no amethyst! Saint no hakaba"

Data original da estreia: 23 de Julho de 1988; no Brasil: ---

Alberich insiste que é necessário ser desalmado para vencer os Cavaleiros de Atena, para espanto de Shido e Siegfried. Hilda chega no local e pergunta o que está havendo. Alberich pede autorização para enfrentá-los. Ele diz que pela honra da sua família e de Asgard, vencerá todos os Cavaleiros de Atena. Ele se julga também o cérebro de Asgard! Em outro local, Seiya ainda sofre por causa dos golpes de Thor, mas segue adiante. Shiryu, que estava desacordado após a luta contra Fenrir, finalmente acorda. Alberich lembra de quando Hilda era uma pessoa boa e o crucificava por sempre fazer coisas ruins e egoistas. Lembra também que Freya tentava o ajudar com palavras de apoio, mas ele não queria nem saber. Agora que Hilda mudou, ele sabe que ela confia nele. Caminhando no jardim sagrado de Odin, ele vê um intruso correr em direção ao Palácio Valhalla. Trata-se de Marin de Águia, que ataca Alberich e acaba fugindo para uma floresta. Alberich diz que o azar de Marin foi ter sido encontrada por ele. Ele pergunta qual é intenção dela ao entrar escondida em Asgard. Ela diz que ele não deve subestimar Seiya e os outros e os dois iniciam uma batalha. Alberich leva ampla vantagem e derruba a Amazona de Prata. O Guerreiro Deus pede para Marin olhar em volta da floresta, que está cheia de ametistas com vários cadáveres dentro.

Marin de Águia, mestra de Seiya, foi até Asgard, mas acabou presa por uma ametista de Alberich!
Marin de Águia, mestra de Seiya, foi até Asgard, mas acabou presa por uma ametista de Alberich!

Alberich diz que acrescentará na sua coleção o esqueleto de uma mulher. Marin ataca com vários golpes e Meteoros. Alberich reconhece que Marin é muito forte, mais forte até que muitos homens, e acaba atingido e caindo no chão. Ele se aproveita, finge estar derrotado e ataca Marin com uma espécie de ácido, atingindo a máscara dela. Seiya sente que Marin está em perigo. Alberich golpeia violentamente a Amazona, que contra-ataca com o golpe Lampejo da Águia, acertando em cheio Alberich. Entretanto, quando foi disparar o golpe novamente, Alberich leva vantagem e avisa que um golpe não funciona duas vezes contra um Guerreiro Deus também. Ele a convida a passar o resto da vida dentro de uma ametista e ataca com o golpe Couraça Ametista. Marin nada pode fazer e acaba presa dentro de uma amestista criada pelo golpe de Alberich. Seiya sente que o cosmo da Marin sumiu e corre em direção a floresta. Saori sente fraqueza e quase cai, mas consegue retomar as forças para continuar ajudando a não deixar o gelo de asgard descongelar. Seiya chega na floresta e encontra Alberich. Alberich diz que estava esperando Seiya, que pergunta onde está Marin. Alberich diz que sabe que Seiya quer a sua Safira de Odin, mas nunca conseguirá vencê-lo neste estado. Ele ataca logo de cara com a Couraça Ametista, mas Seiya contra-ataca com os Meteoros de Pégaso, derrubando Alberich. O Guerreiro Deus tenta usar a mesma tática que usou contra Marin, se fingindo de derrotado, mas não consegue surpreender Seiya, que agarra Alberich e dispara o Turbilhão de Pégaso. Alberich caido no chão, pede para Seiya olhar para o lado. O Cavaleiro de Bronze vê Marin presa na ametista e fica atordoado. Alberich avisa que logo mais Seiya estará preso em uma ametista também. Marin pede para Seiya não se preocupar com ela e derrotar Alberich. O Guerreiro Deus avisa que ele não poderá derrotá-lo, pois se ele morrer Marin jamais poderá se livrar da ametista. Seiya exita! Alberich pede para ele ajoelhar e entregar a Safira de Odin de Thor.


Alberich de Megrez surpreende Seiya ao utilizar a Espada de Fogo, parte integrante da sua armadura!
Alberich de Megrez surpreende Seiya ao utilizar a Espada de Fogo, parte integrante da sua armadura!

Episódio 15 (88): "A Espada de Fogo! A ambição maligna"

"Honoo no ken! Osorubeki yabo"

Data original da estreia: 31 de Julho de 1988; no Brasil: ---

Marin pede novamente para Seiya não se preocupar com ela. Seiya não sabe o que fazer. Marin sente que o seu corpo virou pedra. Alberich diz que é inútil ela tentar qualquer coisa, já que sua energia vital será sugada pela ametista. Ele pede novamente para Seiya entregar a Safira de Odin e o Pégaso não vê outra escolha a não ser entregá-la. Ele lembra tudo o que Marin fez por ele, desde os seus seis anos de idade e todo o seu treinamento. Alberich diz que se ele entregar a Safira, libertará Marin. O Cavaleiro de Bronze não cede e não entrega a pedra de Thor. Em seguida, Seiya ele ataca Alberich com os Meteoros de Pégaso. O golpe joga o Guerreiro Deus para longe. Entretanto, Alberich se levanta rápido e começa a fazer um jogo psicológico sobre Seiya, dizendo que ele abandonou Marin e que ela agora está morrendo por culpa dele. Seiya encurrala Alberich em uma árvore e dispara novamente seus Meteoros, mas Alberich consegue escapar facilmente. Ele se aproveita para pegar a sua Espada de Fogo, uma poderosa arma que faz parte da Armadura de Megrez, a estrela Delta. Ele ataca Seiya de todas as formas e leva grande vantagem na luta agora. O trabalho psicológico continua e a cada vacilada de Seiya, Alberich acaba o ferindo. Seiya é mais forte e consegue fazer com que Alberich largue a espada. De qualquer maneira, o Guerreiro Deus não exita e dispara o golpe Couraça Ametista, prendendo Seiya em uma ametista também. A Safira de Odin de Thor agora é de Alberich.

Depois de prender Seiya na ametista, Alberich agora enfrentará o Cavaleiro de Bronze Hyoga de Cisne!
Depois de prender Seiya na ametista, Alberich agora enfrentará o Cavaleiro de Bronze Hyoga de Cisne!

Hyoga sente que o cosmo de Seiya desapareceu e parte em direção da floresta. Shiryu e Shun sentem o mesmo. Alberich se vangloria da vitória sobre o Pégaso. Neste momento ele lembra que estava presente quando o Anel de Nibelungo foi colocado em Hilda, tornando-a maligna. Alberich na verdade quer as Sete Safiras de Odin para conseguir a Espada Balmung e vencer Hilga. O desejo dele é governar Asgard e o mundo. No Palácio Valhalla, Shido e Siegfried conversam sobre Alberich. Siegfried quer que Alberich seja vencido, para depois ele assumir a luta. Hyoga finalmente chega na floresta de ametistas e se depara com Seiya e Marin presos em ametistas. Alberich dá as boas-vindas a Hyoga, dizendo que ele chegou no túmulo dos cavaleiros. O Guerreiro Deus pede que Hyoga entregue a Safira de Odin de Hagen. Hyoga diz que vencerá Alberich e ficará com três Safiras. O Cavaleiro de Cisne queima o seu cosmo, mas é perseguido pela Espada de Fogo do Guerreiro Deus. Ele consegue se esquivar bem de todas as investidas de Alberich e depois contra-ataca com o Pó de Diamante, congelando a espada. Alberich se livra rapidamente do gelo que cobria sua espada, avisando que subestimar a Espad de Fogo é algo fatal. Hyoga tenta o golpe de congelamento das pernas, mas é atingido nas costas. O Cavaleiro de Bronze terá que enfrentar mais uma vez um Guerreiro Deus que controla o fogo!


Shiryu de Dragão chega para salvar Hyoga de Cisne, que estava prestes a cair no golpe Couraça Ametista!
Shiryu de Dragão chega para salvar Hyoga de Cisne, que estava prestes a cair no golpe Couraça Ametista!

Episódio 16 (89): "O sacrifício para o Mal! A Floresta dos Espíritos"

"Jaaku no ikenie! Seireitachi no mori"

Data original da estreia: 13 de Agosto de 1988; no Brasil: ---

Hyoga apenas se esquiva dos golpes de espada de Alberich e nada consegue fazer para levar vantagem no confronto. Ele então resolve disparar o golpe Trovão Aurora, congelando Alberich. Mais uma vez a Espada de Fogo faz a diferença e o Guerreiro Deus se livra do esquife de gelo criado por Cisne. Alberich faz o mesmo jogo psicológico para cima de Hyoga, dizendo que se ele for vencido, Marin e Seiya não poderão escapar das ametistas, pois somente ele pode retirá-los deste tormento. Ele pede para Hyoga entregar a Safira de Odin de Hagen. Se Hyoga o fizer, ele libertará Marin e Seiya. Assim como Seiya, Hyoga não entregar a Safira, queima o seu cosmo e dispara o golpe Execução Aurora, no mesmo momento que Alberich dispara a Couraça Ametista. Entretanto, inicialmente Hyoga não usou força total no golpe, e acaba surpreendido por novos golpes de Alberich, que aproveita para dizer que ele não se importa com seus amigos. Alberich se esconde no topo de uma árvore e entende que Hyoga está exitando em derrotá-lo. Em outro local, Shiryu está quase conseguindo escalar o precipício que havia caído e escuta a voz do seu mestre Ancião, incentivando-o a continuar. De volta a luta, Hyoga persegue Alberich, pulando de árvore em árvore, mas sem sucesso. O Guerreiro Deus na verdade o levou até um local da floresta onde ele queria, onde ele havia preparado uma armadilha. Alberich então ataca com o golpe Unidade da Natureza, golpe estre criado pelo seu antepassado Alberich XII.

O Mestre Ancião lembra que enfrentou, no passado, um Guerreiro de Asgard chamado Alberich XIII!
O Mestre Ancião lembra que enfrentou, no passado, um Guerreiro de Asgard chamado Alberich XIII!

Hyoga não é páreo para o golpe que utiliza espíritos e elementos da natureza para aterrorizá-lo, embora consiga detê-lo parcialmente. O Cisne acaba preso por galhos de árvore e tudo está praticamente perdido. Shiryu de Dragão chega na floresta e escuta a voz do Hyoga. O Cavaleiro de Atena consegue se livrar dos galhos, queimando o seu cosmo, mas em seguida é atingido novamente por outros galhos, caindo quase que inconsciente no chão. No Palácio Valhalla, Shido avisa Siegfried que Alberich conseguiu prender dois Cavaleiros de Atena. Siegfried não fica totalmente contente com as vitórias de Alberich. De volta a luta, p Guerreiro Deus resolve então prender Hyoga em uma ametista e dispara o golpe Couraça Ametista. Shiryu chega para salvar Hyoga e consegue deter o golpe com seu Escudo do Dragão. Hyoga pede para Shiryu salvar Seiya e Marin, mas acaba desmaiando antes de explicar onde eles estão. Alberich reconhece Shiryu e lembra que o seu antecessor, Alberich XIII, enfrentou e perdeu para o mestre de Shiryu, nos Cinco Picos Antigos de Rozan. Alberich agora vai querer se vingar. Ele pede que Shiryu entregue a Safira de Odin de Fenrir e que conseguirá as Sete Safiras de Odin. Nos Cinco Picos Antigos, o Mestre Ancião lembra da sua luta contra o Alberich XIII. Na ocasião, o seu oponente utilizou o mmisterioso golpe Unidade da Natureza. O Mestre Ancião utilizou uma técnica de se transformar em um só com a natureza, criando um equilíbrio perfeito, e vencendo Alberich XIII com o Cólera do Dragão. Alberich dispara novamente a Couraça Ametista, mas Shiryu consegue deter utilizando o Escudo do Dragão e em seguida desarmando o Guerreiro Deus. A Espada de Fogo não funcionará contra Shiryu! Alberich então utiliza a técnica Unidade da Natureza, surpreendendo o Dragão!


Shiryu utiliza os ensinamentos do Mestre Ancião para se tornar um só com a mãe natureza e neutralizar o golpe de Alberich!
Shiryu utiliza os ensinamentos do Mestre Ancião para se tornar um só com a mãe natureza e neutralizar o golpe de Alberich!

Episódio 17 (90): "Não olhe para trás Seiya!"

"Furimukuna Seiya! Shoryu no Cosmo"

Data original da estreia: 20 de Agosto de 1988; no Brasil: ---

Shiryu sofre com o golpe Unidade da Natureza. Ele é atingido várias vezes por galhos de árvores, assim como aconteceu com o Hyoga. Alberich pede para ele entregar a Safira de Odin, assim ele parará de atacá-lo. A tática de Alberich acaba sendo a mesma de sempre. O Cavaleiro de Bronze não sabe o que fazer, quando ouve a voz do Mestre Ancião, que pede para ele não se mexer, controlando a respiração e tornando-se um só com a mãe natureza. Os ensinamentos do Mestre Ancião dão certo e Shiryu consegue se livrar dos galhos de árvore. Shiryu ataca com o Cólera do Dragão, mas Alberich desfere novamente o Unidade da Natureza, prendendo Shiryu mais uma vez. Shiryu sabe o que tem que fazer e novamente fica imóvel, tornando-se um elemento da natureza também. Alberich inicia um confronto corpo a corpo e avisa que Seiya e Marin estão mortos, quebrando a postura de Shiryu. O Dragão acha que Alberich está mentindo e o ataca, mas sem efeito. Mestre Ancião pede para ele continuar respirando junto com a natureza para vencer o Guerreiro Deus. Alberich diz que sabe de toda verdade por de traz de Hilda. Ele lembra da história que o seu antecessor, Alberich XIII, deixou escrita em um livro: se algum inimigo muito poderoso surgir algum dia em Asgard, deve-se juntar as Sete Safiras de Odin para aparecer a lendária Espada Balmung, uma poderosa arma que pode tirar todo o mal do mundo. O surgimento do Anel de Nibelungo foi importante, pois trouxe a tona a localização de todas as armaduras dos Guerreiros Deuses. Alberich então quer usar isso a seu favor, capturando todas as Safiras de Odin e tendo em sua posse a Espada Balmung. Shiryu acha que Alberich está completamente louco!

O Dragão retira de forma proposital a sua Armadura de Bronze para obrigar Alberich a utilizar o golpe Couraça Ametista!
O Dragão retira de forma proposital a sua Armadura de Bronze para obrigar Alberich a utilizar o golpe Couraça Ametista!

A luta retorna da mesma forma, com Alberich levando vantagem sobre Shiryu, que consegue reverter por um momento utilizando os ensinamentos do Mestre Ancião. As palavras de Alberich parecem não atrapalhar mais o Shiryu, que quer esperar o próximo ataque do Guerreiro Deus. Shiryu queima o seu cosmo e, quando Alberich ataca novamente, ele se esquiva de quase todos os socos, mas acaba atingido por uma árvore que prende o seu pé. O Guerreiro Deus aproveita o momento para disparar o golpe Couraça Ametista. Shiryu consegue resistir, graças ao seu escudo. Shiryu então tira a sua armadura, para a surpresa de Alberich, que ataca mais uma vez com a Couraça Ametista. Shiryu avisa que Alberich perdeu, já que ele conhece o ponto fraco deste golpe. O Dragão ataca com o Cólera do Dragão, jogando Alberich longe e vencendo-o. Shiryu então explica que retirou a sua armadura para forçar Alberich disparar o Couraça Ametista no lugar do Unidade da Natureza. Como ele já tinha disparado várias vezes o golpe, pode identificar o ponto fraco. Após Alberich ser vencido, as ametistas que prendiam Seiya e Marin desaparecem. Hyoga acorda e vê que Shiryu e Alberich estão caídos. Marin pede para Seiya seguir em frente para salvar Atena. Ela pede para ele tomar cuidado com Shido. Hyoga chega até eles e mostra que agora eles tem quatro Safiras de Odin, já que Shiryu conseguiu derrotar Alberich. Seiya e Hyoga partem em direção ao Palácio Valhalla e Marin, que tinha ficado mais tempo dentro da ametista, acaba desmaiando. No Palácio Valhalla, Hilda está irritada, afinal cinco dos seus Guerreiros Deuses foram derrotados. Shido pede autorização para ir para o campo de batalha.


Shido de Mizar será o próximo Guerreiro Deus a enfrentar os Cavaleiros de Atena, já dentro do Palácio Valhalla!
Shido de Mizar será o próximo Guerreiro Deus a enfrentar os Cavaleiros de Atena, já dentro do Palácio Valhalla!

Episódio 18 (91): "O segredo de Shido de Mizar"

"Moe yo Shun! Kuroi kiba ni kakusatera nazo"

Data original da estreia: 27 de Agosto de 1988; no Brasil: ---

Em uma cabana, Freya se recupera na companhia de Kiki. Eles se perguntam se Marin conseguiu mandar a mensagem para os Cavaleiros de Atena. A caminho do Palácio Valhalla, Seiya acaba caindo, mas é amparado por Hyoga. Ele lembra do que Marin disse, para eles terem cuidado com o Guerreiro Deus Shido. Já no entorno do Palácio, Shun é o primeiro a chegar. Hilda conversa com Siegfried, dizendo que ninguém sabe na verdade o verdadeiro poder de Shido. Já dentro do Palácio, as correntes de Shun sentem a presença do inimigo: ele é Shido de Mizar. Shun lembra do primeiro confronto que teve com Shido e de que não poderá falhar desta vez. Ele ataca com as Correntes de Andrômeda, mas Shido se esquiva facilmente e depois contra-ataque com golpes na velocidade da luz, jogando Shun para longe. Quando Shido iria dar o golpe final, Seiya surge novamente e salva Shun. Hyoga ajuda Shun a se levantar. O Cisne mostra para Shun as quatro Safiras de Odin que eles já tem e Shun entrega a quinta, a que Ikki ganhou de Mime. Shun pede para Seiya e Hyoga irem em frente, deixando Shido para ele. Ele é o mais "inteiro" neste momento e precisa cumprir a promessa que fez a si mesmo, de que venceria os Guerreiros Deuses e ajudaria a salvar Hilda. Shun obriga Shido a ceder a passagem de Seiya e Hyoga utilizando as suas correntes, mas o Guerreiro Deus não se mostra muito preocupado com a fuga deles. Alguém misterioso surge na passagem dos Cavaleiros de Bronze. Shun ataca com a Onda Relâmpago, mas Shido consegue deter o golpe com apenas uma das mãos. Na floresta, Shina encontra Marin e a ajuda. Marin pede para Shina ir avisar Seiya e os outros sobre o segredo de Shido. Ela explica que Aldebaran lhe contou que não foi vencido por Shido, mas sim por um golpe que veio pelas costas.

Shun pediu para Seiya e Hyoga seguirem em frente, pois ele ficará para enfrentar Shido e cumprir a sua promessa de ajudar a salvar Hilda!
Shun pediu para Seiya e Hyoga seguirem em frente, pois ele ficará para enfrentar Shido e cumprir a sua promessa de ajudar a salvar Hilda!

Marin conta que foi até Asgard para contar isso aos Cavaleiros de Bronze e encontrou Kiki, que cuidava de Freya, irmã de Hilda. Marin contou toda a história e Freya diz que a estrela Zeta de Shido, a Mizar, possui uma irmã gêmea, Arkor, que o segue como uma sombra. Marin então pede para Shina encontrar Seiya e contar sobre a estrela gêmea Arkor. De volta a luta, Shun percebe que a sua corrente está diferente desta vez, algo que não aconteceu na luta entre eles no Japão. Ele percebe que o local está cheio de ar congelado, provido por Shido, e por isso a dificuldade nos ataques com a corrente. Shido então ataca com o Garras do Tigre Negro e Shun se defende com a Defesa Circular. Entretanto o golpe de Shido consegue penetrar na defesa de Shun, derrubando-o. Shido explica a falhar no golpe de defesa de Shun, dizendo que é algo muito simples para alguém poderoso como ele. Se Shun não estivesse utilizando a sua nova armadura de Andrômeda, faltamente estaria morto. Ele então lembra do momento em que os Cavaleiros de Ouro deram o sangue para restaurá-la. Shido então diz que destruirá a "orgulhosa" armadura de Shun. Mais adiante, Seiya e Hyoga enfrentam dificuldades, já que obstáculos surgem diante deles. Hyoga abre um buraco em uma parede lateral do Palácio, mas ambos são surpreendidos por uma forte rajada de vento. Na luta entre Mizar e Andrômeda, o Guerreiro Deus continua levando vantagem. Shun não encontra um caminho para vencer Shido.


Shido utiliza a sua técnica secreta, o Impulso Azul, mas acaba vencido pela Tempestade Nebulosa de Shun!
Shido utiliza a sua técnica secreta, o Impulso Azul, mas acaba vencido pela Tempestade Nebulosa de Shun!

Episódio 19 (92): "Shun tente um último golpe!"

"Uzumake! Shun kyokyoku no Nebula Storm"

Data original da estreia: 3 de Setembro de 1988; no Brasil: ---

A luta entre Shido e Shun prossegue. Shido avisa que Seiya e Hyoga foram atingidos pelo seu ar congelado também. Shun volta a atacar com suas Correntes, mas elas são congeladas. Shun queima o seu cosmo, quebrando a barreira de gelo. Entretanto, elas são congeladas novamente e destruídas pela cosmo energia gigantesca de Shido. O Guerreiro Deus então ataca com o seu golpe secreto, o Impulso Azul. O golpe cria uma grande bola de energia congelada e acerta Shun em cheio. Sua armadura está bem destruída. Em seguida, Shido começa a congelar todo o corpo de Shun, que, em pensamento, acaba ganhando palavras de apoio do seu irmão Ikki de Fênix. As palavras de Ikki dão forças para Shun queimar o seu cosmo novamente e se levantar para mostrar o seu verdadeiro poder: o sétimo sentido. O Cavaleiro de Andrômeda retira totalmente a sua armadura, ele está diposto a utilizar as técnicas que havia jurado não usar mais quando derrotou Afrodite de Peixes. Shun dispara então a Corrente Nebulosa, criando uma grande rajada de ar, jogando Shido para longe. O Guerreiro Deus resite ao golpe e diz que a Corrente Nebulosa não poderá ferí-lo. De repente, ele percebe que o ar congelado acabou sendo expulso pela Corrente Nebulosa de Shun, dando uma grande vantagem para o Cavaleiro de Bronze. A cada instante o golpe vai ficando mais forte, a ponto de se transformar em uma tempestade!

Bado de Arkor sai finalmente das sombras e assume o posto de Guerreiro Deus de Zeta após a derrota de Shido!
Bado de Arkor sai finalmente das sombras e assume o posto de Guerreiro Deus de Zeta após a derrota de Shido!

Shido desdenha, dizendo que Shun está muito confiante. Shina chega ao Palácio Valhalla. Shido resolve atacar novamente com o Impulso Azul e Shun aproveita o momento para disparar a Tempestade Nebulosa. O golpe é devastador, aniquilando Shido, que cai vencido. Neste momento, a sombra que perseguia Shido ataca Shun, mas percebe-se que ele não obteve sucesso pois Shina intercedeu para ajudar Shun. Shun pega a Safira de Odin de Shido e em seguida percebe que Shina está bem ferida. A Amazona pede para ele seguir em frente e não se aproximar dela. Shun resolve seguir em frente e é atacado pela sombra, Shina tenta ajudar novamente, mas não consegue deter o Guerreiro desta vez. Ele finalmente aparece e se apresenta como Bado de Arkor. Ele comenta que ninguém além de Hilda sabia da sua existência, nem mesmo Shido, e foi ele quem na verdade derrotou Aldebaran de Touro. Shina critica o fato de Bado ter atacado pelas costas, de forma covarde. Bado dá risada sobre tudo isso e afirma que o que Shido fez foi vergonhoso. De qualquer forma, agora que Shido foi derrotado, ele não é mais uma sombra e agora ele é o Guerreiro Deus da estrela Zeta. Siegfried e Hilda conversam sobre a existência de Bado. Shina então ataca Bado, mas o mesmo se defende com apenas um dedo, para em seguida contra-atacar com um poderoso golpe. Shina não desiste e continua atacando o Guerreiro Deus. Bado dispara golpes na velocidade da luz, jogando Shina para longe. A Amazona se levanta e ataca com as Garras do Trovão. O golpe não surti efeito e Bado ataca com o golpe Garras do Tigre as Sombras. Shun se coloca na frente de Shina, salvando-a. Bado destrói algumas pilastras do Palácio, para que as mesmas caiam sobre os dois, mas Ikki de Fênix surge para salvar seu irmão mais uma vez!


Ikki de Fênix ressurge e vai enfrentar Bado de Arkor no lugar de Shun!
Ikki de Fênix ressurge e vai enfrentar Bado de Arkor no lugar de Shun!

Episódio 20 (93): "Bado e Shido, os gêmeos do destino!"

"Bud! Shukumei no futago sei"

Data original da estreia: 10 de Setembro de 1988; no Brasil: ---

Ikki de Fênix surge para salvar seu irmão mais uma vez. Ele pergunta se Shun e Shina estão bem. Bado não acredita que ele conseguiu sobreviver na luta contra Mime. Ikki diz que não podia abandonar os seus amigos e Atena, por isso ele sempre queimará o seu cosmo para superar os seus problemas. O Guerreiro Deus acho tudo isso uma bobagem e enquanto insistir em enfrentá-lo, só estará adiando a sua morte. Bado ataca Ikki com golpes na velocidade da luz, mas o Cavaleiro de Bronze consegue detê-los. Em seguida, Ikki consegue retirar o elmo de Bado, mas é atingido no mesmo instante. Bado explica que neste mundo os seres humanos estarão sempre sozinhos e apenas os mais fortes sobreviverão, a compaixão é inútil. Ikki então percebe que Shido e Bado são irmãos. As estrelas gêmeas de Zeta, representadas pelos Guerreiros Deuses, são irmãs de verdade. Siegfried conversa com Hilda sobre esta revelação e Hilda pede para ele ter paciência e esperar o resultado final do combate. De volta a luta, Ikki pergunta porque Bado não ajudou o seu irmão Shido enquanto ele lutava, já que ele teve várias oportunidades. Bado responde dizendo que ele é na verdade apenas uma sombra de Shido e com a morte do seu irmão ele finalmente se tornaria o Guerreiro Deus de Zeta. Ikki fica indignado com tudo isso e não perdoará Bado! Ikki dispara a Ave Fênix, mas seus golpes não tem efeito, pois Bado viu todos eles na luta contra Mime (ele estava escondido vendo a luta). O Guerreiro Deus ataca com as Garras do Tigre da Sombra, jogando Ikki para longe.

Bado lembra do seu trágico destino na infância e de quando encontrou Shido pela primeira vez!
Bado lembra do seu trágico destino na infância e de quando encontrou Shido pela primeira vez!

Bado continua golpeando violentamente Ikki. Shun tenta se levantar para ajudar. Bado diz que ele não conseguirá nada neste estado e o atinge. O Guerreiro Deus diz que em certas situações o fato de serem irmãos só faz aumentar o ódio. Ele então começa a contar a história do seu passado. Uma das mais distintas famílias de Asgard, teve gêmeos e, em Asgard, o nascimento de gêmeos traz azar, sendo necessário escolher um deles, segundo as tradições locais. Por causa disso, um dos bebês foi abandonado em meio uma tempestade de neve em Asgard, sem ter conhecido o afeto dos pais. Aquele bebe era Bado, que se não tivesse encontrado o seu irmão, poderia ter vivido pacificamente como filho de um aldeão. Entretanto, em um dia, caçando um coelho, Bado foi surpreendido pela presença de um garoto, que o impediu de matar o coelho. Este garoto era Shido, que deu a sua adaga em troca do coelho. Bado, que também tinha uma adaga, percebeu que Shido era seu irmão gêmeos na hora. Neste momento, seus pais chegaram no local, para espanto de Bado. A raiva de Bado só aumentou nesta hora e foi neste momento que ele entendeu tudo. Bado jurou que um dia seria então um homem mais poderoso do que Shido. No dia em que foi escolhido como Guerreiro Deus, Bado descobriu também que teria que ser a sombra de Shido. Ao questionar Hilda sobre isso, ficou com mais raiva ainda, já que o seu poder era maior. Esta foi a decisão do deus Odin e Hilda explicou que se Shido fosse derrotado, Bado tomaria o seu lugar. Agora chegou a hora de Bado assumir o lugar de Guerreiro Deus da estrela Zeta, aquele que derrotará todos os Cavaleiros de Atena. Ikki queima o seu cosmo e diz que tem pena de Bado, pois não vê sentido nesta glória toda de Bado. O Cavaleiro de Fênix se levanta e diz que ele e Shun não nasceram sob uma boa estrela, nunca conheceram seus pais e chegaram a lutar um contro o outro, amaldiçoando os seus destinos. Agora eles lutam em nome da deusa Atena e ele tem certeza que algum dia terão a paz que tanto desejam, mas por enquanto juntarão suas forças para lutar. Bado se supreende pelo fato do cosmo de Ikki aumentar cada vez mais. Ele então ataca Ikki, que consegue defender facilmente e consegue devolver o golpe de Bado. Ikki ataca com a Avê Fênix e Bado com as Garras do Tigre da Sombra!


Bado é atingido pelo Golpe Fantasma de Fênix e a verdade vem a tona: no fundo ele gosta do seu irmão Shido!
Bado é atingido pelo Golpe Fantasma de Fênix e a verdade vem a tona: no fundo ele gosta do seu irmão Shido

Episódio 21 (94): "Laços entre irmãos!"

"Kyodai no kizuna! Syd yo sokoku ni nemure"

Data original da estreia: 17 de Setembro de 1988; no Brasil: ---

Ikki é golpeado mais uma vez e desta vez perde o elmo. Bado ridiculariza o golpe Ave Fênix de Ikki, dizendo que ele não fez nem cócegas e o atacando novamente em seguida. Bado pisa em Ikki e Shun se levanta para ajudar mais uma vez. Bado pede que Andrômeda entregue a Safira de Odin de Shido. Shun tenta explicar que Bado está sendo enganado por Hilda, onde ela está se aproveitando do ódio que ele sente por Shido. Bado golpeia Shun e pegue as Safiras de Odin de Shido e Mime. Ikki se levanta e Bado acha que ele finalmente abandonou o seu irmão. Shun diz que ele está errado, pois seu irmão confia nele e ele nunca irá decepcioná-lo. Shun ficará de pé quantas vezes for necessário para honrar o seu irmão e seus amigos. Ikki também se levanta e queima o seu cosmo mais uma vez. Saori pede para Seiya e Hyoga não desistirem da luta. O Pégaso e o Cisne se levantam e Hyoga consegue destruir as pedras que obstruiam a passagem deles. De volta a luta de Bado e dos irmãos de bronze, o Guerreiro Deus consegue golpear os Cavaleiros de Atena novamente e Shina se levanta para salvar Shun mais uma vez. Ikki consegue se aproveitar do momento e dispara o Golpe Fantasma de Fênix em Bado, que sofre com o golpe. Bado tem a visão dele enfrentando Shido e vencendo-o, tomando a Safira de Odin pra si mesmo. No momento em que teria que matar Shido, Bado não consegue por lembrar do momento em que encontrou Shido pela primeira vez. Bado se tranquila dizendo que foi apenas uma ilusão, mas Ikki pergunta se ele tem certeza!

A luta terminou, Bado pede perdão para Shido e o levará agora para a terra natal deles!
A luta terminou, Bado pede perdão para Shido e o levará agora para a terra natal deles!

Ikki pergunta porque Bado tentou ajudar Shido quando Shun conseguiu vencer o Shido. Se ele queria mesmo derrotar Shido e tomar o lugar dele como Guerreiro Deus de Zeta, porque tentou salvá-lo. Ikki diz que aquilo que ele viu no Golpe Fantasma não foi uma ilusão e sim o que ele sente no seu coração. Fênix insiste dizendo que ele sente uma raiva pelos seus pais, mas a culpa não foi do Shido. Bado se revolta com as palavras de Ikki, mas o Cavaleiro de Bronze queima o seu cosmo até o Sétimo Sentido e dispara um poderoso Ave Fênix, contra um também poderoso Garras do Tigre da Sombra. Bado é ferido gravemente no peito, tendo sua armadura destruída. Neste momento, Shido agarra Ikki pelas costas e pede para Bado aproveitar a ocasião e destruir o Fênix. O grande problema é que se Bado fizer, acabará matando Shido junto. Shido diz que já sabia sobre a existência de Bado e que ele estava tentando tomar o seu lugar. Ele diz também que ele e seus pais nunca o esqueceram e ele agradece por ele ter tentado ajudá-lo. Shido pede novamente para ele destruir Ikki, mas Bado exita. Ikki diz que não tentará impedí-lo, gerando ainda mais dúvida em Bado. O novo Guerreiro Deus da estrela Zeta desiste e Shido cai no chão. A luta terminou. Bado diz que detestava Shido, mas não teve coragem de matá-lo. Ikki explica que sempre existirão brigas entre familiares, principalmente entre irmãos, mas no fundo jamais se esquecerão dos momentos em que se davam bem e confiam um no outro. Bado pega Shido no colo e o carrega para fora do Palácio Valhalla. Antes, Bado diz que sentiu vontade de acreditar nas palavras de Ikki e por isso a luta está terminada. Hilda fica irritada pela traição de Bado e Siegfried diz que assumirá a luta agora, protegendo Hilda com sua vida. Em outro lugar, Hyoga ficou fraco ao destruir as pedras que atrapalhavam o caminho dele e de Seiya e pede para o Pégaso seguir em frente. Ikki e Shun também correm em direção do interior do Palácio Valhalla. Fora do Palácio, Bado pede perdão para Shido e diz que o levará até a terra natal deles.


Siegfried de Dubhe, da estrela Alfa, é o último Guerreiro Deus de Asgard que restou!
Siegfried de Dubhe, da estrela Alfa, é o último Guerreiro Deus de Asgard que restou!

Episódio 22 (95): "O herói da lenda reviveu!"

"Kedakaki yusha! Yomigaeru densetsu no kishi"

Data original da estreia: 15 de Outubro de 1988; no Brasil: ---

Na cabana onde descansava, Freya se levanta e resolve ir até Atena novamente. Ela avisa para Kiki que seis estrelas dos Guerreiros Deuses se apagaram, portanto restou apenas um Guerreiro Deus: Siegfried. Ela explica também que na era mitológica, Siegfried matou um terrível dragão e tornou-se imortal ao banhar-se do sangue da fera, portanto ele é o Guerreiro Deus mais poderoso de todos. Ao escutar as palavras de Freya, Kiki se mantem confiante na vitória dos Cavaleiros de Atena. Ikki e Shun encontram Hyoga e o ajudam a levantar, incentivando-o a continuar. Seiya consegue chegar na frente da estátua de Odin no Palácio Valhalla e observa a espada Balmung segurada por Odin. Neste momento, surge Siegried de Dubhe, o Guerreiro Deus da estrela Alfa. O Guerreiro Deus elogia Seiya por ter chegado até lá. Seiya tenta explicar o que aconteceu com Hilga e a forma em que ela se transformou em uma pessoa má. Siegfried, entretanto, não acredita. Seiya ataca com os Meteoros de Pégaso, mas não consegue atingir o seu inimigo. Siegfried contra-ataca após novas investidas de Seiya, derrubando o Pégaso e as Safiras de Odin que ele carrega. Em seguida, ele ataca com o golpe Espada de Odin. Shun, Ikki e Hyoga chegam e observam Seiya ser atingido pelo golpe de Siegfried. Em outro local, Shiryu escuta a voz do Mestre Ancião e ganha forças novamente para se levantar.

Seiya enfrenta Siegfried, mas não consegue levar vantagem no confronto em nenhum momento!
Seiya enfrenta Siegfried, mas não consegue levar vantagem no confronto em nenhum momento!

Ikki assumi a luta contra Siegried, mas não obtém sucesso em seus ataques corpo a corpo. Acaba golpeado violentamente e jogado para longe diversas vezes. Saori acaba fraquejando por alguns instantes e cai de joelhos. A deusa Atena tenta se recuperar, enquanto continua queimando o seu cosmo para salvar Asgard. Ikki continua sua luta intensa contra Siegfried, mas acaba vencido. Shun é o próximo a assumir a luta, mas o Cavaleiro de Andrômeda nada pode fazer diante do poder de Siegfried. A Defesa Circular o ajuda a se defender em um primeiro momento, mas o Guerreiro Deus encontra uma brecha e ataca com a Espada de Odin, jogando Shun e Hyoga para longe. As Safiras de Odin que estavam com eles também acabando caindo no chão. Siegfried é realmente o Guerreiro Deus mais poderoso, conseguiu vencer facilmente quatro Cavaleiros de Atena, restante apenas Shiryu. Siegfried se lembra de quando prometeu proteger Hilda e Freya juntamente com Hagen e o deseja de Hilda de viver em paz com seu povo. Seiya se levanta e vai enfrentar Siegfried mais uma vez! Ikki também não desistiu e segura as pernas de Siegfried. Seiya se aproveita do momento e ataca Siegfried. O Guerreiro Deus fica impressionado com a capacidade dos Cavaleiros de Atena de se levantarem e voltarem a lutar mesmo após diversos ferimentos. Ele reflete também sobre as palavras ditas por Seiya, de que Hilda está enfeitiçada. Siegfried se lembra de uma conversa que teve com Freya sobre este assunto e agora está em dúvida. Entretanto, Siegfried jurou proteger Hilda até o fim. O Guerreiro Deus dispara então um novo golpe: Vendaval do Dragão. Shina, que chegou no local ajudando Shiryu, se coloca na frente de Seiya e acaba recebendo o golpe de Siegfried em cheio!


Shiryu é o último Cavaleiro de Atena a enfrentar Siegfried, incentivado pelas palavras do Mestre Ancião!
Shiryu é o último Cavaleiro de Atena a enfrentar Siegfried, incentivado pelas palavras do Mestre Ancião!

Episódio 23 (96): "Dragões em luta!"

"Ryu tai ryu! Juman bun no ichiro no shoki"

Data original da estreia: 22 de Outubro de 1988; no Brasil: ---

O golpe Vendaval do Dragão é devastador e acaba jogando Shina e Seiya para longe. Shiryu é o único que está de pé. Ikki pede para Shiryu não perder tempo e derrotar Siegfried. O Cavaleiro de Dragão está sem armadura e parte para a luta. Siegfried se vangloria dizendo que os Cavaleiros de Atena não são páreos para ele. Os golpes de Shiryu não fazem efeito sobre ele e o Guerreiro Deus contra-ataca. Shiryu resolve disparar o golpe Cólera do Dragão, mas o Guerreiro Deus rechaça o golpe com sua cosmo energia. Shiryu recorda então da lenda da imortalidade de Siegfried e se pergunta se o Guerreiro Deus na sua frente é também um imortal. Siegfried ataca com o golpe Espada de Odin, jogando Shiryu para longe, assim como aconteceu com os outros. Hilda fica contente ao ver que todos os Cavaleiros de Atena foram vencidos e que Atena morrerá em breve. Saori clama por seus Cavaleiros e diz confiar neles. Shiryu escuta a voz de Saori e consegue se livrar do golpe do Guerreiro Deus. Neste momento, ele se lembra de quando venceu Shura de Capricórnio utilizando a técnica proibida Último Dragão. O Cavaleiro de Bronze resolve então utilizá-la contra Siegfried, em uma tentativa desesperada de vencer seu inimigo. Shiryu agarra Siegfried pelas costas, mas exita em disparar o golpe. Siegfried se aproveita da deixa de Shiryu e se livra dele, atacando com o Vendaval do Dragão em seguida. Shiryu é atingido em cheio. Neste momento, vem na sua mente um ensinamento do Mestre Ancião sobre uma espada de dois gumes, uma das armas mais fortes, porém que possui um ponto fraco, na qual Shiryu é capaz de descobrir sozinho.

Siegfried tem o mesmo ponto fraco de Shiryu, já que ele abaixo o seu punho esquerdo no momento em que dispara o Vendaval do Dragão!
Siegfried tem o mesmo ponto fraco de Shiryu, já que ele abaixo o seu punho esquerdo no momento em que dispara o Vendaval do Dragão!

Shiryu se levanta e diz que não pode morrer. Graças ao seu mestre ele agora tem uma pequena chance de vencer. Siegfried dispara novamente o Vendaval do Dragão e Shiryu consegue observar um ponto fraco. No momento em que Siegfried dispara o golpe, o seu coração fica exposto. O Cavaleiro de Atena se aproveita desta brecha e dispara o Cólera do Dragão, atingindo o peito de Siegfried. Shiryu é jogado para longe também, mas o Guerreiro Deus está ferido agora. O Dragão conta o ponto fraco para Seiya, pedindo para ele se lembrar do momento em que lutaram um contra o outro pela primeira vez. O ponto fraco do Vendaval do Dragão de Siegfried é o mesmo do seu Cólera do Dragão. Shiryu lembra que o herói imortal da lenda teve uma morte violenta por causa de um ponto fraco. Segundo a lenda, Siegfried se tornou imortal após banhar-se do sangue do Dragão, exceto em um ponto nas suas costas, que acabou coberto por uma folha, deixando-o desprotegido. Mais tarde, Siegfried foi pego por homens que tinham inveja da sua fama e morreu atingido naquele ponto. O ponto fraco do herói lendário ficou presente no atual Guerreiro Deus. Siegfried parabeniza Shiryu, mas diz que o seu Cólera do Dragão não causou danos graças a sua armadura. Shiryu diz para Seiya que ele é o único que pode salvar Atena e que agora ele tem totais condições de vencer Siegfried. Hilda recebe a visita de um enviado daquele que le colocou o Anel de Nibelungo. Ele pede para ela não subestimar os Cavaleiros de Atena. De volta a luta, Siegfried explica que o seu ponto fraco é um pouco diferente do de Shiryu, já que o Dragão abaixa o seu punho por um milésimo de segundo e ele abaixa por menos de um centésimo de milésimo de segundo. Seiya arriscará a sua vida para salvar o mundo e Saori.


Seiya finalmente conseguiu vencer Siegfried, o último Guerreiro Deus de Asgard!
Seiya finalmente conseguiu vencer Siegfried, o último Guerreiro Deus de Asgard!

Episódio 24 (97): "Um Bruxo do Mar! A canção da morte"

"Siren! Utsukushiki shi no shirabe"

Data original da estreia: 29 de Outubro de 1988; no Brasil: ---

Siegfried diz que esta foi a primeira vez que sentiu receio de alguém. O Guerreiro Deus ataca então com o Vendaval do Dragão e Seiya consegue enxergar a brecha, disparando os Meteoros de Pégaso. Siegfried foi atingido no peito por vários meteoros. Apesar disso, ele acha que está tudo acabado. Freya reza por Atena, que está quase sem forças. Seiya escuta a voz de Saori e diz que se levantará mais uma vez. Os seus amigos cedem o seu cosmo para o Cavaleiro de Pégaso disparar mais um golpe em Siegfried. Siegfried fica perplexo ao ver o enorme cosmo de Seiya e dos Cavaleiros de Atena. Ele exita pensando que existe a possibilidade deles estarem falando a verdade sobre Hilda. A líder de Asgard resolve atacar o Pégaso, com um raio saindo da sua lança, mas Siegfried detém o golpe e pede para ela não se intrometer. Ele avisa que lutará até o fim por Hilda, mas que deseja saber realmente se os Cavaleiros de Atena lutam pela justiça. Seiya queima o seu cosmo e dispara os seus meteoros mais uma vez. O golpe colide com o Vendaval do Dragão de Siegfried, mas a força dos cosmos dos seus amigos fazem com que os Meteoros empurrem o golpe de Siegfried de volta. O Guerreiro Deus cai no chão, vencido. Quando Seiya iria pegar a Safira de Odin de Siegfried, um misterioso guerreiro surge tocando uma flauta. Ele é Sorento de Sirene, um mensageiro do templo de Poseidon e General Marina.

Siegfried se sacrifica para vencer Sorento de Sirene, o enviado de Poseidon, o verdadeiro causador do mal em Hilda!
Siegfried se sacrifica para vencer Sorento de Sirene, o enviado de Poseidon, o verdadeiro causador do mal em Hilda!

Sorento explica que o mundo é dominado por Atena na Terra, Hades no mundo dos mortos, Zeus no céu e Poseidon no fundo do mar. Por ordens de Poseidon, ele veio para levar Hilda e Siegfried, entretanto se eles tivessem derrotado Atena e seus Cavaleiros ele não teria o trabalho de fazer este serviço. Poseidon voltou para este mundo com a intenção de governar a Terra, mas para isso seria necessário derrotar Atena. Com isso, ele fez com que Hilda e os Guerreiros Deuses tivessem esta missão, além de ser uma grande oportunidade do povo de Asgard sair desta terra gelada. Entretanto, eles não imaginariam que os Guerreiros Deuses fossem tão fracos. Hilda pede para Siegfried deixar tudo com Sorento agora. Sorento ataca Seiya tocando a sua flauta, mas o Pégaso consegue se livrar por um momento do transe e dispara os Meteoros de Pégaso. Seiya não quer deixá-lo levar a Hilda, pois assim não poderá salvar Atena. Entretanto, Sorento contra-ataca, jogando Seiya para longe. Siegfried se coloca em frente a Seiya novamente, mas desta vez não lutará contra Seiya. Ele retira violentamente a sua Safira de Odin da sua armadura e entrega para Seiya. Ele agora acredita nas palavras de Seiya e agora ajudará os Cavaleiros de Atena salvarem Atena, Hilda e o mundo. Agora finalmente ele conhece a verdade e lutará contra Poseidon. Em homenagem ao seus amigos, ele colocará toda a sua força neste golpe contra Sorento. Siegfried acaba sendo surpreendido pela flauta de Sorento e pelo golpe Sinfonia Final da Morte, deixando-o atordoado. Seiya pede para Siegfried não escutar a música e não se aproximar. O Guerreiro Deus então utiliza os seus dedos e fura os seus timpanos, no intuito de não escutar mais o som da flauta de Sorento. Entretanto tudo isso foi em vão, já que o golpe do General Marina acaba ressoando pelos ossos, chegando diretamente no seu cérebro. Siegfried não desiste e continua caminhando para cima de Sorento. Ele se joga em direção ao enviado de Poseidon, que o atinge em cheio no peito. Siegfried, entretanto, agarra Sorento com todas as suas forças e o leva para o céu, sacrificando-se em nome dos seus amigos e de Hilda. Tudo está nas mão de Seiya agora, que finalmente possui as sete Safiras de Odin. Hilda resolve enfrentar Seiya!


Hilda está confiante que o trabalho dos Guerreiros Deuses foi feito com sucesso e ataca Seiya!
Hilda está confiante que o trabalho dos Guerreiros Deuses foi feito com sucesso e ataca Seiya!

Episódio 25 (98): "A milagrosa aparição da Armadura de Odin"

"Kiseki no shutsugen! Odin robe"

Data original da estreia: 5 de Novembro de 1988; no Brasil: ---

Hilda diz que os Guerreiros Deuses cumpriram sua missão e a morte de Atena é inevitável. Entretanto, Seiya está determinado a conseguir a espada Balmung e salvar Hilda e Saori, afinal o mais difícil eles já conseguiram, ou seja, venceram os sete Guerreiros Deuses. Hilda atira bolas de energia para cima de Seiya, ferindo-o gravemente. O Pégaso não sabe muito o que fazer e não consegue levar vantagem neste confronto. Os outros Cavaleiros de Bronze tentar mandar força para Seiya e se arrastam do jeito que podem até ele. Seiya então ataca Hilda, ferindo-a, mas exita antes de atacá-la com os Meteoros de Pégaso. Ikki alerta que eles não podem matar Hilda, caso contrário de nada terá adiantado a luta deles. A governante de Asgard se aproveita do momento de hesitação e ataca Seiya novamente, jogando-a precipício abaixo. Neste momento, Seiya escuta a voz de Saga de Gêmeos, incentivando-o a continuar e salvar Atena. Ele lembra do confronto que tiveram nas Doze Casas e o poder que Seiya alcançou ao elevar o seu cosmo ao máximo, vencendo-o. Se Seiya mantiver a esperança, o mal nunca irá vencer. O Cavaleiro de Pégaso entende que Saga também confiou Atena a ele e consegue escalar o precipício, para o espanto de Hilda. Seiya parte em direção a estátua de Odin, mas Hilda está disposta a acabar com tudo. Ela dispara uma nova bola de energia, mas Hyoga se coloca como escudo de Seiya. Shun e Shiryu fazem o mesmo, pedindo para Seiya seguir em frente. Hilda então joga a sua lança em direção do Pégaso, mas Ikki se coloca no lugar e acaba gravemente ferido na barriga. Seiya chega perto da estátua e clama por Odin, mostrando as sete Safiras. Hilda ataca utilizando o Anel de Nibelungo e Ikki acaba sendo jogado para longe. Seiya ergue a mão com as Safiras, mas Odin não responde.

Odin concede a sua lendária armadura para Seiya, que empunha a espada Balmung para vencer Hilda!
Odin concede a sua lendária armadura para Seiya, que empunha a espada Balmung para vencer Hilda!

Seiya não entende o que está acontecendo e Hilda ri da situação. Ela lembra do que Sorento disse, de que Asgard está sob domínio de Poseidon há anos e nem mesmo Odin poderá ajudá-los. Hilda ataca novamente com o Anel de Nibelungo e Seiya é jogado para longe, deixando as Safiras de Odin cairem. Um milagre acontece e as Safiras de Odin partem em direção da estátua de Odin, que vai ao chão. Nisto surge a Armadura de Odin e a espada Balmung. Seiya é envolto pelo grande cosmo de Odin e veste a armadura que estava escondida desde as eras mitológicas. Hilda não acredita que Odin entregou a sua armadura para um Cavaleiro de Atena, sinal de que ele está do lado deles. Entrentanto, ela não tem medo e ataca com o Anel de Nibelungo. Seiya consegue se defender utilizando a espada Balmung. O Pégaso parte para cima de Hilda, mas exita após o aviso de Hilda: ele não pode matá-la, caso contrário tudo será perdido. Hilda na verdade é inocente e, se ela morrer, Asgard estará perdida também. Saori utiliza as suas últimas forças para conter o derretimento do gelo de Asgard, enquanto confia em Seiya. Caído, Seiya escuta a voz dos seus amigos e também do deus Odin, que pede para ele não ter medo. O cosmo de Odin o envolve, em sinal de confiança. Odin pede para Seiya segurar a espada Balmung com coragem, o destino de Asgard está nas mãos dele agora. Seiya agradece Odin e queima o seu cosmo, empunhando a espada no alto em seguida. Hilda ataca mais uma vez e Seiya desfere um golpe com a espada.


Hilda foi salva pelos Cavaleiros de Atena e agora usará o seu cosmo para o bem de Asgard!
Hilda foi salva pelos Cavaleiros de Atena e agora usará o seu cosmo para o bem de Asgard!

Episódio 26 (99): "Atena! Minha oração por você"

"Atena yo! Kedakaki eien no inori"

Data original da estreia: 12 de Novembro de 1988; no Brasil: ---

O golpe de Seiya é preciso e ele consegue destruir o Anel de Nibelungo sem ferir Hilda. O feitiço de Poseidon desapareceu, mas Hilda caiu desmaiada no chão. A armadura de Odin sai do corpo de Seiya e fica posicionado na escadaria, em frente onde ficava a estátua de Odin. Saori desmaia e Seiya e os outros sentem que o cosmo de Atena está desaparecendo. A terra em volta do Palácio Valhalla começa a desmoronar e tudo parece perdido. Seiya lamenta o fato de ter matado Hilda e não ter conseguido salvar Atena. O Palácio Valhalla começa a desmoronar também e o gelo a derreter por completo. Seiya pede perdão para Odin. Para surpresa de todos, Hilda se levanta e caminha em direção dos Cavaleiros de Bronze. Ela passa por Seiya e pelos outros e agora parte em direção da Armadura de Odin. Ao segurar a espada Balmung, pede perdão para Odin e pede para ele deixá-la reparar todo o mal que causou à Asgard. O cosmo bondoso de Hilda se expande e emana em direção a toda Asgard. Ela volta a rezar em nome do amor, da paz e de tudo o que há de bom na Terra. Seiya e os outros partem em direção do local onde Atena está. Freya sente o cosmo bondoso de sua irmã.

Saori é surpreendida por uma onda gigante e acaba nos braços do deus Poseidon, no fundo do mar!
Saori é surpreendida por uma onda gigante e acaba nos braços do deus Poseidon, no fundo do mar!

Hilda pede perdão para Atena e diz não saber como se desculpar com ela. Ela afirma que sabia de tudo o que ela sofria, mesmo quando estava no transe do Anel de Nibelungo de Poseidon. Entretanto, ela tem certeza que ainda há tempo para remediar os problemas causados. Hilda lembra e sofre pela morte dos seus queridos Guerreiros Deuses. Ela entende que tudo isso aconteceu por causa da sua fraqueza, mas agora está disposta a fazer o que for necessário para ser perdoada. Ela está completamente arrependida. Seiya e os outros chegam até Kiki e Freya e observam que Saori está desmaiada. Hilda clama por Odin novamente e o gelo começa a derreter novamente em Asgard. A prece de Hilda foi atendida e Asgard voltará a ser como antes. Os Cavaleiros de Bronze chamam por Atena e Saori se levanta, com um cosmo ainda mais intenso. Atena agradece Seiya e seus cavaleiros, que se emocionam e acabam chorando. Freya e Kiki comemoram que Atena está viva. Hilda surge no local, para felicidade de Freya. Hilda pede perdão aos Cavaleiros de Bronze e a sua irmã. Saori pede para Hilda usar a sua sabedoria para proteger Asgard e não se deixar cair mais nas mãos de seres maléficos. Hilda promete que honrará as palavras de Atena. De repente, quando tudo parecia bem, uma onda surge atrás de Saori, engolindo-a. Saori é tragada para o fundo do mar. Os Cavaleiros ficam sem entender o que aconteceu e gritam por Saori. Atena surge nos braços do deus Poseidon, no templo submarino. Sorento está vivo e ajoelhado diante deles, bem como outros soldados de Poseidon!


voltar para o topo da página

última atualização realizada em: 23/09/2016