Saga de Hades -> Inferno

Mangás

Introdução

Saga de Hades

A Fase Inferno da Saga de Hades foi publicada nas páginas da revista japonesa Weekly Shonen Jump, da Editora Shueisha, de forma semanal, entre Outubro de 1989 e Julho de 1990, totalizando 16 capítulos.

No Brasil, ela foi lançada inicialmente pela Conrad Editora entre Agosto de 2003 e Novembro de 2003, totalizando 7 volumes. Depois foi relançado pela própria Conrad Editora entre Janeiro de 2006 e Maio de 2006, com os mesmos 7 volumes. Já em 2014, a Editora JBC lançou no formato idêntico ao japonês, desta vez com 3 volumes entre Janeiro de 2014 e Março de 2014.


Caronte de Aqueronte é o barqueiro do Inferno!
Caronte de Aqueronte é o barqueiro do Inferno!

Capítulo 1: "Atravessem! O rio Aqueronte"

"Watare! Akeron-gawa"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Julho de 1990; no Brasil: Janeiro de 2014 (Editora JBC)

Os dois cavaleiros de bronze seguem em frente e encontram a Porta do Inferno (ou Portal do Inferno, onde está escrito: "Aquele que aqui entrar perde toda a esperança!"). Os dois selam um pacto, de seguir em frente e nunca perder a esperança. Atravessando a porta, eles avistam um imenso e longo rio, onde inúmeros mortos choram e gritam de tristeza. O primeiro espectro surge: Caronte de Aqueronte, o barqueiro do Inferno. O barqueiro percebe que os dois estão vivos e reconhece os dois cavaleiros de bronze como Cavaleiros de Atena (havia um alerta no Inferno, de que os Cavaleiros de Atena estavam presentes no local). Seiya, como de costume, não tem muita paciência e parte para a briga. Caronte se defende com o seu Remo Giratório. Shun salva Seiya graças a sua Corrente de Andrômeda. Seiya ataca novamente mas tem seus meteoros repelidos. Caronte simplesmente desiste de lutar e pergunta para os dois se eles tem dinheiro pois se eles pagarem, ele aceita levá-los para o outro lado do rio. Seiya perde a paciência com o espectro mas Shun impede, dizendo que não é preciso lutar pois ele tem a solução. Shun oferece o pentagrama (o famoso medalhão) como forma de pagamento. O espectro aceita de imediato. Começa a travessia do rio. Caronte está cantando uma música muita entediante, o que cansa Seiya. De repente, o espectro ataca Seiya, jogando-o para fora do barco. O cavaleiro de Pégaso começa a se afogar porque mortos ficam segurando-o e puxando para o fundo do rio. Shun salva Seiya, novamente, com sua corrente mas o espectro ataca covardimente o Shun. Seiya, à distância, dispara seus Meteoros de Pégaso que, desta vez, atingem em cheio o espectro, que é jogado para fora do barco. Agora apenas Seiya e Shun estão no barco!!! Caronte começa a se afogar mas consegue convencer Shun de que se ele morrer, os dois ficarão navegando eternamente no rio. Shun, com sua tradicional bondade, salva o espectro com sua corrente. Seiya está com o remo do Caronte nas mãos e após um pedido de por favor do espectro e da insistências do Shun, entrega o remo. No exato momento que ele entrega, o espectro trai os dois cavaleiros e dispara seu golpe Redemoinho Esmagador. Seiya voa longe mais uma vez. Caronte parte para cima do Shun mas o cavaleiro de bronze consegue se defender. Os dois se encaram e Caronte desiste de novo da luta. Ele diz que nunca encontrou alguém com um olhar sem qualquer maldade. Algum tempo depois, Seiya acorda no barco e Shun explica que o Caronte resolveu levá-los para o outro lado do rio novamente. Seiya não acredita muito mas aceita! Logo que avistam terra, Caronte explica que eles estão chegando na primeira prisão. O espectro explica que o mundo das trevas é composto de oito prisões, três vales, dez fossos e quatro campos (ou esferas). Finalmente os três chegam no outro lado do rio. Seiya resolve partir rapidamente mas é impedido pelo espectro que resolve lutar novamente. Seiya pede para Shun não intrometer. A luta começa mas termina rapidamente pois Seiya mata o espectro disparando poderosos Meteoros de Pégaso. O barqueiro cai no barco, junto com várias moedas, que segue sem rumo de volta para o Rio. Seiya e Shun seguem para a primeira prisão!


Lune faz o julgamento de Seiya e Shun e os considera culpados!
Lune faz o julgamento de Seiya e Shun e os considera culpados!

Capítulo 2: "O tribunal silencioso"

"Shizukanaru Hotei"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Julho de 1990; no Brasil: Janeiro de 2014 (Editora JBC)

Seiya e Shun começam a subir uma imensa ladeira. No topo, eles encontram a Morada do Juízo, onde os mortos são julgados. Um novo espectro aparece: Markino, um soldado do Inferno. Markino explica que naquele local, não é permitido qualquer tipo de barulho e todos devem ficar quietos. Seiya começa a provocar o espectro, falando alto e espirrando escandalosamente. Logo em seguida, Markino leva os dois cavaleiros de bronze para dentro da morada, onde eles encontram o espectro Lune de Balron, que está substituindo o juiz Minos de Griffon. Lune começa a reclamar com Markino, alegando que ele também estava fazendo muito barulho. Começa o julgamento de Seiya e Shun. Lune pegunta o nome dos Cavaleiros mas não encontra no grande livro. O espectro pergunta novamente e Seiya, para provocar de novo, grita muito alto o seu nome. Markino dá um berro para avisar Lune de que aqueles dois são Cavaleiros de Atena que atravessaram o Rio Aqueronte. Lune se zanga novamente com Markino e prende o soldado com seu chicote, que com um movimento acaba cortando em pedaços o espectro. Lune parte para cima de Seiya e dispara o golpe Reencarnação, que mostra para o Seiya alguns "pecados" que ele cometeu no passado (como matar insetos, peixes, etc). Com isso, o espectro envia Seiya para a sexta prisão, o Poço de Sangue, mas Seiya é salvo pela Corrente de Andrômeda do Shun. Lune encara Shun e leva um susto. O espectro começa a dizer: Não acredito, você é ele!!! Shun não entende nada. O espectro diz pra si mesmo que não é possível e ataca Andrômeda com seu chicote. Shun se defende novamente com sua corrente! O espectro dispara o seu Chicote de Fogo e Shun tenta se defender com a Defesa Circular. A defesa acaba sendo inútil e Lune corta o corpo de Shun em pedaços, restando a cabeça intacta. Lune pega a cabeça do Shun, dizendo que vai enterrá-la, mas de repente Shun grita o nome de Lune. O espectro leva mais um susto e começa a pedir desculpas, correndo para fora da morada. (essa cena é hilária). Radamanthys chega e pergunta o que está acontecendo!


Kanon de Gêmeos enfrenta o espectro Lune de Balron!
Kanon de Gêmeos enfrenta o espectro Lune de Balron!

Capítulo 3: "Kanon! A linha de frente"

"Kanon! Shutsujin"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Julho de 1990; no Brasil: Janeiro de 2014 (Editora JBC)

Ainda na morada, Shun, que está inteiro, acorda Seiya. Os dois se levantam e saem da Morada do Juízo por outra porta. Do lado de fora, Lune conversa com Radamanthys e diz que foi iludido pois ao invés da cabeça, ele estava segurando o próprio capacete da sua sapuris. A pessoa que causou toda essa confusão na cabeça de Lune aparece: Kanon de Gêmeos! O Cavaleiro de Ouro mata Lune em segundos, destruindo seu chicote e logo depois o corpo inteiro do espectro, tocando-o apenas com um dedo (Kanon demonstra um poder incrível). Logo em seguida, ele pergunta para Radamanthys se ele quer ser o próximo a enfrentá-lo ou se ele quer levá-lo para ver Hades pessoalmente. O espectro fica perplexo com tanta arrogância e tenta atacar Kanon. O Cavaleiro de Ouro esquiva-se facilmente e diz ao espectro que ele só venceu três cavaleiros de ouro no castelo de Hades porque, naquele território, os cavaleiros de ouro só possuiam um décimo do poder devido ao poder de Hades. Seiya e Shun chegam no local, onde Kanon avisa que eles terão que mudar de atitude, caso queiram se manter vivos no Inferno. Kanon ensina que eles não podem ser entregar, só porque feriram muitos inimigos no passado. Radamanthys é totalmente ignorado neste momento! Seiya e Shun partem, já que eles tem a missão de entregar a armadura de Atena para Saori. Radamanthys ataca Kanon com sua Máxima Precaução mas o Cavaleiro de Ouro revida com o Satã Imperial. O golpe parece não surtir muitos efeitos em Radamanthys. Logo surgem mais espectros e Radamanthys avisa que eles morrerão caso tentem enfrentar Kanon. O espectro ainda avisa que nem que eles fossem centenas, estariam a altura de enfrentar Kanon. O aviso não fez os espectros mudarem de idéia e mesmo antes de se apresentarem, Kanon dispara uma Explosão Galáctica e mata todos eles de uma vez só!


O espectro Faraó de Esfinge ataca Seiya e Shun!
O espectro Faraó de Esfinge ataca Seiya e Shun!

Capítulo 4: "O lendário cavaleiro! Orfeu"

"Densetsu no Seinto! Orufe"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Julho de 1990; no Brasil: Janeiro de 2014 (Editora JBC)

Começa a chover no Inferno. Seiya e Shun partem para a segunda prisão e logo encontram um templo egípcio. Shun reclama do cheiro horrível que aquele lugar tem e de repente aparece um monstro de três cabeças (o Cérbero), que está devorando os mortos. Shun diz para eles sairem do local sem fazer barulho, para que o monstro não os veja. De repente, o monstro ataca Seiya e o engole, porém, logo depois cospe o Pégaso para longe. Neste momento aparece mais um espectro: Faraó de Esfinge. Faraó é o guardião da segunda prisão e explica que aqueles que pecaram por ambição, são enviados para a segunda prisão onde o Cérbero os devora. O monstro resolve atacar Shun desta vez mas ele se defende com suas correntes. Seiya, que foi atacado novamente, consegue contra-atacar e derruba uma das cabeças do Cérbero. Shun utiliza a Grande Captura de Andrômeda e derruba as outras duas cabeças. Faraó fica espantando e resolve atacar com sua harpa porém é interrompido por um outro cavaleiro: é Orfeu de Lira, lendário Cavaleiro de Prata cuja a força supera a dos Cavaleiros de Ouro. Seiya e Shun ficam assustados e Faraó explica que Orfeu não havia morrido como todos pensavam e foi até o Inferno por vontade própria, resolvendo servir a Hades. Os Cavaleiros de Bronze resolvem questionar Orfeu mas Faraó não perde tempo e ataca com a sua Balança da Maldição. O som que é emitido da harpa funciona como uma maldição e Shun rapidamente monta a Nebulosa de Andrômeda na tentativa de defesa. Seiya contra-ataca com o Meteóro de Pégaso, mas não tem efeito algum em Faraó. De repente, como numa maldição, o coração de Seiya começa a sair do seu corpo. O espectro diz que o coração dele será colocada na balança sagrada, para saber se ele é um ser maligno. Caso seja, o corpo e a alma do Seiya serão destruídos imediatamente. Orfeu, que até agora estava parado, começa a tocar a sua Lira. A música de Orfeu quebra a maldição do Faraó e o coração do Seiya volta ao seu corpo. O Cavaleiro de Prata dispara o seu Acorde Noturno, diretamente em cima de Seiya e Shun, derrubando os dois. Orfeu diz para Faraó que ele mesmo irá matar os cavaleiros de bronze, enganando o espectro. Orfeu sai da segunda prisão carregando Seiya e Shun nas costas. Logo eles chegam onde está Euridice, a sua amada que ficou petrificada.


Orfeu de Lira quer se vingar do espectro Faraó de Esfinge!
Orfeu de Lira quer se vingar do espectro Faraó de Esfinge!

Capítulo 5: "Orfeu, o triste réquiem"

"Orufe, Kanashiki Rekuiemu"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Setembro de 1990; no Brasil: Fevereiro de 2014 (Editora JBC)

Seiya e Shun acordam novamente e se deparam com Eurídice petrificada. A amada de Orfeu não reconhece Shun e Seiya e pergunta quem são eles. Shun responde, dizendo que eles são Cavaleiros de Atena. Eurídice fica feliz e diz que há muito tempo esperava por eles. Ela começa a contar porque ficou petrificada: na Terra, Eurídice e Orfeu se amavam muito porém um destino trágico separou o casal, quando Eurídice morreu ao ser picada por uma serpente. Orfeu foi pessoalmente ao Inferno, pedir a vida de Eurídice de volta para Hades. Comovido com o som da Lira de Orfeu, Hades concedeu o direito de Eurídice retornar a Terra. Pandora, que estava presente no local também, pediu para o espectro Faraó de Esfinge para que ele impedisse que Eurídice e Orfeu voltassem. Quando Orfeu e Eurídice estavam perto da saída, Orfeu viu uma luz, parecida com a luz do Sol, e neste exato momento Eurídice foi petrificada. Para não abandonar o seu amor, Orfeu resolveu ficar no Inferno. Eurídice pede para Seiya e Shun levarem Orfeu de volta para a Terra, quando de repente Orfeu aparece. O cavaleiro de prata fala para os cavaleiros de bronze fugirem pois eles não podem enfrentar Hades sozinhos. Seiya, indignado, fala para Orfeu que Atena está indo enfrentar Hades sozinha e eles precisam levar a armadura de Atena para ela. Orfeu muda de postura e diz que tem uma dívida com Hades. De repente, surge uma luz (igual a luz que Orfeu viu quando Eurídice virou pedra). É Faraó de Esfinge, que aparece e rouba a armadura de Atena das mão de Seiya. O espectro diz que vai levar a armadura de Atena para Pandora e questiona Orfeu, perguntando porque ele não matou os dois cavaleiros de bronze. Orfeu pergunta para Faraó, se foi ele quem o enganou com a luz do Sol, petrificando Eurídice. O espectro responde com arrogância, questionando o que Orfeu faria se fosse ele realmente. Orfeu responde de forma simples: se foi você, este lugar será seu túmulo! O cavaleiro de prata consegue tomar de volta a armadura de Atena e começa a tocar sua Lira. Faraó também começa a tocar a sua harpa e consegue quebrar uma corda da Lira de Orfeu. Orfeu cai e o espectro dispara a sua Balança da Maldição. Quando o espectro começou a dizer que o coração de Orfeu sairá do seu corpo, acontece o contrário: o seu próprio coração sai do seu corpo e é colocado na balança sagrada. É claro que a balança se inclinou dizendo que o Faraó é um ser maldoso. Orfeu começa a tocar sua Lira novamente e um espelho (espelho de Pandora) cai da armadura do espectro. Foi com esse espelho que o Faraó conseguiu emitir aquela luz, imitando raios de Sol. Orfeu quebra o espelho e agradece o Faraó por ter aberto seus olhos: agora ele entendeu que é errado tentar ressuscitar alguém que já morreu. Eurídice fica feliz com as palavras de Orfeu. O cavaleiro de Prata diz que vai voltar a lutar como um cavaleiro de Atena e logo em seguida quebra todas as cordas da harpa do Faraó. Sem qualquer ressentimento, Orfeu dispara o seu Acorde Noturno e mata o espectro. Orfeu convoca os dois cavaleiros de bronze para seguirem com ele, já que Hades aparece a cada treze dias, quando ele tem que tocar sua Lira para ele.


Surpresa para todos: Shun é na verdade Hades!
Surpresa para todos: Shun é na verdade Hades!

Capítulo 6: "Hades! A possessão de Shun"

"Hadesu! Shun he no Hyoi"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Setembro de 1990; no Brasil: Fevereiro de 2014 (Editora JBC)

Orfeu chega a Giudecca (para tocar Lira para Hades), trazendo consigo um baú. Pandora questiona Orfeu, perguntando sobre o baú. O cavaleiro de Prata diz que gostaria de mostrar o conteúdo apenas para Hades. Pandora não aceita e abre o baú. Enquanto isso, Kanon encontra Eurídice. A amada de Orfeu explica que ele levou os dois cavaleiros de bronze para Giudecca, onde tentarão matar Hades. Kanon acha tudo isso suicídio. De volta a Giudecca, Pandora se assusta ao ver apenas flores dentro do baú. Pandora, ainda desconfiada, começa a enfiar sua lança dentro do baú mas não encontra nada. Ela pede desculpas para Orfeu e pede para ele começar a tocar sua Lira. Quando Orfeu ia começar a tocar, surge Radamanthys de Wyvern, um dos três juízes do mundo dos mortos. Logo em seguida surgem: Aiacos de Garuda e Minos de Griffon, os outros dois juízes. Orfeu fica perplexo. Radamanthys pergunta para Pandora, porque ela chamou os três juízes para a Giudecca. Pandora explica que gostaria que eles ouvissem a música de Orfeu. Orfeu, em pensamento, torce para que Seiya e Shun não morram pois não é um bom sinal os três juízes estarem lá exatamente hoje. Radamanthys não quer aceitar ter que ficar ouvindo a música de Orfeu mas acaba sendo convencido por Pandora. Orfeu começa a tocar sua Lira, quando Hades aparece no trono. Ele então dispara o sua SERENATA DA VIAGEM DA MORTE. Curiosamente, todos começam a dormir (os três juízes, Pandora e Hades). Esta é a grande chance de Orfeu. Ele corre para atacar Hades mas é atingido pelas costas. É Radamanthys, que suspeitava da "traição" de Orfeu. Quando o espectro iria disparar mais um golpe em Orfeu, é atingido pelos Meteoros de Pégaso de Seiya, que a esta altura já está fora do baú, assim como Shun. Orfeu corre novamente para atacar Hades mas estranha o rosto do Deus. Seiya vê o pentagrama utilizado por Hades e Shun reconhece, dizendo que é idêntico ao seu. Quando Shun olha para Hades, ele fica perplexo e diz: SOU EU!!! Orfeu resolve atacar e dispara o seu ACORDE PERFEITO. O golpe faz Hades desparecer. Radamanthys se aproveita da situação e ataca Orfeu. Ele passa a utilizar Orfeu como escudo, caso Seiya e Shun queiram atacar. Orfeu pede para Seiya atacar, sem se preocupar com ele. O cavaleiro de Pégaso pede desculpas para Orfeu e dispara o seu Meteoro de Pégaso, que atinge em cheio Radamanthys mas também em Orfeu. Orfeu morre nos braços de Seiya, dizendo que Atena é de responsabilidade deles agora. Radamanthys ainda está vivo e se levanta. Shun fala para Radamanthys parar, porque eles não gostam de lutar. Radamanthys fica perplexo pois reconhece que Shun tem a mesma voz de Hades, além de ser muito semelhante. Shun pede novamente para que Radamanthys pare. Desta vez ele atende. Seiya, perplexo, diz que Shun mudou de personalidade e agora ele é HADES!!!


Hyoga, Kanon e Shiryu continuam avançando no Inferno!
Hyoga, Kanon e Shiryu continuam avançando no Inferno!

Capítulo 7: "Corram! Para Giudecca"

"Isoge! Judekka he"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Setembro de 1990; no Brasil: Fevereiro de 2014 (Editora JBC)

Kanon, Shiryu e Hyoga correm pelo Inferno para chegar até a Giudecca (Quarta Esfera, local onde está Hades). Shiryu pergunta para Kanon se ele tem certeza sobre o fato de Seiya e os demais terem ido para a Oitava Esfera. Ao atravessar a terceira prisão, eles são soterrados por pedras pelo espectro Rock de Golem, porém os três saem facilmente e continuam seu caminho. O espectro os ataca, mas Shiryu o derrota facilmente com o Cólera do Dragão. Hyoga então percebe que Shiryu recuperou a visão. O Dragão explica que o mesmo ocorreu quando Máscara da Morte o mandou para o mundo dos mortos na batalha das Doze Casas. O espectro Iwan de Troll surge, mas ele nem consegue falar seu nome, pois Hyoga o derrota com o Pó de Diamante. Os três cavaleiros entram na Quarta Prisão e param perante o mar escuro. Na Giudecca, Radamanthys se apresenta para Pandora que comenta que Hades tirou a Armadura de Andrômeda e agora descansa em seu trono. Os três juízes ainda estão inconformados de Shun ser a reencarnação de Hades e questionam quem seria a pessoa que estava dando às ordens para eles enquanto o imperador não despertava. Pandora ordena para que saiam e destruam todos os Cavaleiros de Atena que ainda estão no Inferno. Na Quarta Prisão, Flégias de Lycaon surge numa jangada e é atacado pelo Cólera do Dragão de Shiryu e o Pó de Diamante de Hyoga. Com o golpe Uivo Infernal, ele deixa os dois Cavaleiros de Bronze desacordados e joga seus corpos na jangada. Porém Kanon derrota Flégias com o golpe Explosão Galáctica. Pandora chora e se desculpa enquanto faz um curativo na mão de Hades, após tê-lo ferido com a sua lança, quando ele estava no baú de Orfeu.


Kanon enfrenta Radamanthys mais uma vez!
Kanon enfrenta Radamanthys mais uma vez!

Capítulo 8: "Combate mortal na Quinta Prisão!"

"Dai go Purizun no Shitou!"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Setembro de 1990; no Brasil: Fevereiro de 2014 (Editora JBC)

Shiryu e Hyoga acordam na jangada e percebem que estão na Quinta Prisão. Um pouco à frente eles encontram Kanon perante o espectro Stand de Besouro Mortal, que cai morto no chão. Kanon fala que chegou o próximo adversário, os Cavaleiros de Bronze olham para trás e vêem Radamanthys se aproximando. Hyoga e Shiryu perguntam sobre Seiya e os outros. O juiz então conta que Seiya e Orfeu estão em Cocytos, condenados por seus pecados e que Shun era Hades. Os cavaleiros ficam surpresos com a notícia, mas Radamanthys tem pressa em derrotá-los. Kanon se coloca à frente para enfrentá-lo. Shiryu e Hyoga seguem para a Oitava Prisão, enquanto Radamanthys ataca Kanon, que aguenta o golpe, e lhe conta que já deveria estar acostumado ao fato que um golpe não funciona duas vezes contra um cavaleiro. Kanon ataca Radamanthys, que cai no chão, e percebe que seu corpo está enfraquecido devido aos acordes de Orfeu. Aiacos e Minos aparecem e zombam de Radamanthys, perguntando se ele precisa de ajuda. Kanon se prepara para enfrentar os três. Aiacos o ataca, mas seu golpe não tem força total, pois Radamanthys o empurra, deixando Aiacos sem entender nada. Minos também ataca Kanon e o prende em sua Marionete Cósmica. Minos controla o corpo de Kanon e quer torturá-lo. Ele então começa quebrando o dedo do cavaleiro. Na Giudecca, Pandora sente um cosmo que a deixa apreensiva. É o cosmo de Ikki de Fênix. Minos decide acabar de vez com Kanon, mas Radamanthys intervém dizendo que ele quer derrotar o cavaleiro. Minos vai dar o golpe final, mas suas cordas são cortadas por alguém. Os juízes olham para a frente e vêem Ikki de Fênix. Kanon conta que Shun era Hades, mas o Cavaleiro de Fênix não acredita. Então Aiacos fala que Pandora está cuidando de Shun/Hades na Giudecca. Nesse momento, Ikki se lembra que, quando criança, andava com Shun recém-nascido pelas ruas e até que encontrou com Pandora, que levava um bebê enrolado em panos no colo dela. Ao olhar para os panos, ele enxerga o universo nele. Aiacos ataca Ikki pelas costas. O Cavaleiro de Fênix se levanta do chão, chorando, pois entendeu que a intenção de Shun é se sacrificar. Aiacos avança contra Ikki, que revida com um soco que faz o elmo de Garuda cair no chão.


Ikki enfrenta o juiz Aiacos de Garuda!
Ikki enfrenta o juiz Aiacos de Garuda!

Capítulo 9: "Colisão violenta! Garuda contra Fênix"

"Gekitotsu! Garuda Tai Fenikkusu"

Lançamento em tankobon no Japão: 9 de Novembro de 1990; no Brasil: Março de 2014 (Editora JBC)

Na Quinta Prisão, Ikki pergunta qual dos três juízes será seu adversário. Aiacos então se propõe a enfrentar o Fênix. Ikki tenta atacar Aiacos, que desvia facilmente e contra-ataca com o golpe Vôo da Garuda, lançando o cavaleiro no alto. Então ele marca um “X” no chão e conta três segundos. Ikki cai no local marcado. Aiacos ataca novamente Ikki e marca outro “X”, mas, ao fim dos três segundos, Ikki não aparece. Então Aiacos sofre um golpe e cai no chão. Aiacos se levanta e dá seu golpe fatal: Ilusão Galáctica. Fênix cai derrotado. Garuda se prepara para voltar a enfrentar Kanon, que pede para Aiacos olhar para Ikki, pois o Fênix sempre renasce mais forte. Na Giudecca, Shun/Hades acorda e pede para Pandora trazer o Cavaleiro de Bronze, do qual ele sente o cosmo, até lá, pois é um cosmo familiar para ele. Ikki ataca Aiacos com seu Golpe Fantasma de Fênix. O juiz cai numa ilusão criada por Ikki, onde ele é derrotado. Quando ele desperta da ilusão, Ikki dá seu ataque final com o Ave Fênix. Ikki é transportado dali e cai no chão do Palácio da Giudecca.


O pentagrama que acompanha Shun desde criança era na verdade a marca de Hades!
O pentagrama que acompanha Shun desde criança era na verdade a marca de Hades!

Capítulo 10: "O Grande Eclipse"

"Gureitesuto Ekurippusu"

Lançamento em tankobon no Japão: 9 de Novembro de 1990; no Brasil: Março de 2014 (Editora JBC)

Ikki está perante Pandora e Shun/Hades. O Fênix chama por Shun, mas Pandora o paralisa com sua lança. Pandora devolve as lembranças de Ikki, que recorda de seu encontro com ela na infância. Na recordação, Pandora está carregando o bebê no colo e quer tomar Shun para ela, para depositar a alma de Hades no corpo de Shun. Ikki não permite e, mesmo com Pandora o atacando, o menino protege seu irmão. Pandora tenta se aproximar, mas sente um cosmo muito grande protegendo Shun. Para não ferir Hades, ela decide ir embora e deixa o pingente para o bebê. No presente, Ikki se irrita pois ele achava o tempo todo que o pingente era de sua mãe. Pandora diz que, de tempos em tempos, um reflexo de Shun surgia perante os espectros, pois era a vontade de Hades ressuscitar, mas ele não conseguia enquanto o selo não se rompesse. Ikki dispara um golpe contra Hades que Pandora não consegue segurar. Esse golpe quebra o pingente e então Ikki se aproxima clamando para que Shun desperte. Pandora entra na frente, mas Ikki da um tapa nela e a joga para longe. Ele ameaça e joga a lança contra ela, que quase a atinge. Fênix sobe até o trono e dá vários tapas em Shun/Hades para que ele desperte. Shun/Hades fala que não há como desvincular a sua alma do corpo de Shun e joga o Fênix para longe. Pandora ameaça Ikki com sua lança, mas Shun/Hades não permite, pois quer conversar com o Fênix. O deus conta seu plano: fazer um alinhamento planetário que causará um Grande Eclipse, onde a Terra entrará numa nova Era Glacial e de escuridão, onde o mundo se tornará trevas.


Ikki de Fênix enfrenta o seu irmão Shun, que está possuído por Hades!
Ikki de Fênix enfrenta o seu irmão Shun, que está possuído por Hades!

Capítulo 11: "O punho da lamentação de Ikki"

"Ikki Doukoku no Ken"

Lançamento em tankobon no Japão: 9 de Novembro de 1990; no Brasil: Março de 2014 (Editora JBC)

Shun/Hades diz que nem Atena poderá impedir o Grande Eclipse, portanto não era para Ikki tentar. O cavaleiro lança seu Ave Fênix contra o Deus, que não sente o golpe. Ikki tenta de novo, mas somente com o olhar, Hades joga Ikki longe. O Fênix levanta e pergunta se Shun/Hades está querendo poupá-lo. Ele avança novamente, mas Shun/Hades revida. O Deus se prepara para dar um golpe de misericórdia, mas seu corpo fica paralisado. Então sua própria mão vai até sua garganta. Ikki enxerga a alma de Shun que suplica para que o Fênix ataque Hades. Vende que o irmão está honrando a constelação de Andrômeda, Ikki avança para dar o golpe final, mas Pandora atinge Fênix com sua lança. Surge então a Corrente de Andrômeda, que protege Ikki contra Pandora. Ikki aplica seu golpe contra Shun/Hades. Shiryu e Hyoga estão na entrada do Labirinto da Sexta Prisão e sentem os cosmos de Ikki e Shun. Ikki arranca o coração de Shun/Hades. O coração dele parece um verme. Fênix então joga o coração no chão e pisa nele. Fênix ergue Shun do chão e, no local onde Ikki arrancou o coração de Hades, surge um monstro que ataca o cavaleiro. Seiya acorda em Cocytos, onde ele está enterrado no gelo e percebe que tudo isso foi um sonho. Enquanto na Giudecca, o verdadeiro Ikki conteve seu golpe, pois não conseguiu atacar seu irmão. Os cabelos loiros de Shun/Hades tornam-se negros, mostrando que a transformação está completa. Hades/Shun ataca Ikki, que é derrotado. Ele ordena que Pandora se desfaça do corpo do cavaleiro. Hades sente um cosmo poderoso.


Valentine de Harpia desafia Seiya no Cocytos!
Valentine de Harpia desafia Seiya no Cocytos!

Capítulo 12: "Combate mortal em Cocytos"

"Kokiyutosu no Shitou"

Lançamento em tankobon no Japão: 9 de Novembro de 1990; no Brasil: Março de 2014 (Editora JBC)

Hades está surpreso com o cosmo que ele sente. Pandora ordena para que o espectro Valentine de Harpia leve o corpo de Ikki para Cocytos. Pandora pergunta se Hades quer descansar no templo, mas ele ordena que Pandora saia, pois ele descansará no trono e não é para ninguém incomodá-lo. Ele escuta alguém adentrar a sala. É Shaka de Virgem. Em Cocytos, Valentine joga o corpo de Ikki próximo ao de Seiya, que ainda está com parte do corpo enterrado no gelo. Valentine diz que Cocytos é o local onde aqueles que enfrentam aos deuses são enterrados e mostra os corpos de Aiolia, Mu e Milo que estão lá também. O espectro está indo embora, mas Seiya o desafia para uma batalha e relembra que no Castelo de Hades, Valentine disse que se Seiya chegasse vivo ao Inferno, ele o enfrentaria. Valentine se recusa, então Seiya diz que está com a Armadura de Atena. Valentine tira Seiya do gelo, o ergue e pergunta sobre a armadura. Seiya revida com um chute e se solta. Pégaso está muito cansado para lutar. Valentine começa golpear Seiya para tomar a Armadura de Atena. Na Giudecca, Shaka fala para Hades/Shun que esperava encontrá-lo somente no Elíseos. Shaka pretende atacar Hades/Shun, mas Saori intervém e o deus da morte entende que o cosmo que ele sentia era dela. Seiya derruba a Armadura de Atena, após o último golpe de Valetine. O espectro vai pegar, mas o Cavaleiro de Bronze segura a armadura e começa a expandir seu cosmo. Seiya se levanta e chuta Valentine, destruindo a surplice do espectro.


Saori (Atena) fica frente a frente com o deus Hades!
Saori (Atena) fica frente a frente com o deus Hades!

Capítulo 13: "Persigam Hades!"

"Hadesu wo Oe!"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Janeiro de 1991; no Brasil: Abril de 2014 (Editora JBC)

Hades/Shun pergunta se Saori veio oferecer sua vida para ele. Shaka pede para Saori se afastar, para ele atacar o Deus, mas Saori diz que ele não pode fazer isso pois é Shun que está ali. Shaka argumenta que é o corpo de Shun que está ali, porém Saori segura a mão do Cavaleiro de Ouro e diz que não adianta atacar somente o corpo e deixar a alma. Ela sobe os degraus até Hades/Shun e diz que veio fazer um pedido. A deusa então se ajoelha perante Hades/Shun e suplica para que ele pare com o Grande Eclipse. O deus da morte zomba dizendo que eles já se enfrentaram tantas vezes no passado e agora ela se ajoelha. Ele diz que o Grande Eclipse está em progresso e ele não irá pará-lo. Saori diz que sabe disso e oferece sua vida em troca do fim do eclipse. Hades/Shun pergunta se ela realmente quer se sacrificar. Ao ouvi-la dizendo que sim, ele ordena que Shaka pegue a lança de Pandora que estava no chão e mate Atena. O Cavaleiro de Virgem pega a lança, mas se recusa a matá-la, então ele atira a lança em direção ao deus da morte. Saori consegue pegar a lança no ar e a joga no chão. Hades/Shun pega a lança e ameaça Shaka, porém a deusa diz que é ela que ele quer. Irritado, Hades/Shun tenta atravessar Saori com a lança, mas ela segura a lamina com suas mãos. Hades/Shun pergunta se ela mudou de ideia em se sacrificar. Ela diz que não permitirá a morte de ninguém enquanto ele não impedir o Grande Eclipse. Saori expande seu cosmo e diz que o dever dela é proteger toda vida que existe. Hades/Shun se contorce ao encostar no sangue de Atena que escorre pela lança. Saori sente que seu sangue está ajudando Shun a despertar. Ela então começa incentivar Shun a eliminar a alma de Hades de seu corpo. Hades começa a se contorcer de dor e abandona o corpo de Shun. A alma do deus paira sobre eles e Hades não entende o porque de ter sido expelido por Shun. Saori diz que a alma de Shun despertou ao entrar em contato com seu sangue e que Hades deve ir embora, pois não há corpo para hospedá-lo na Terra. Com raiva, o deus da morte avança contra Atena, dizendo que ninguém vai impedir seus planos. Atena atira a lança contra a alma de Hades e uma grande explosão cósmica acontece. Seiya entra correndo na Giudecca e encontra Shun caído no chão. O Pégaso pergunta sobre Atena, mas o Cavaleiro de Andrômeda diz que sentiu os cosmos que estavam na sala irem para o fundo. Os dois Cavaleiros de Bronze vão até lá e encontram um muro gigantesco sem saída. Shaka surge e diz que esse é o limite final do Inferno, o Muro das Lamentações. Seiya sugere que eles devem tentar destruir o muro. Porém o Cavaleiro de Virgem diz que, mesmo unindo suas forças, eles são incapazes de arranhar o muro. Seiya então tenta disparar golpes contra o Muro, mas é inútil. O Pégaso pergunta o que será que tem do outro lado do muro. Shaka deduz que devem ser os Elíseos.


Os Cavaleiros de Ouro partem em direção ao Muro das Lamentações!
Os Cavaleiros de Ouro partem em direção ao Muro das Lamentações!

Capítulo 14: "Destruam! O Muro das Lamentações"

"Uchiyabure! Nageki no Kabe"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Janeiro de 1991; no Brasil: Abril de 2014 (Editora JBC)

Seiya entrega a Armadura de Atena para Shun, que pergunta o que o Pégaso vai fazer. Seiya responde que vai elevar seu cosmo ao máximo e se atirar contra o muro. Shun debate dizendo que nem Shaka conseguiu arranhar o muro. Seiya discorda, pois eles prometeram derrotar Hades e então ele corre contra o muro. Shaka entra na frente e diz que não adianta. Seiya não aceita e continua correndo em direção ao muro, mas Shaka acerta um soco em Seiya para impedí-lo. Shaka se recorda que já ouviu que, para destruir o Muro das Lamentações, é necessário a luz do Sol. Shun tenta argumentar e Shaka concorda que é difícil, pois eles estão no ponto mais profundo do Inferno. Shaka se prepara para destruir o Muro. Shun pergunta se Shaka poupou Seiya para ele se sacrificar no lugar de Seiya. Em Cocytos, quatro espectros encontram o corpo de Valentine e averiguam que o Espectro de Harpia faleceu devido a diversos golpes. Eles deduzem que foi Seiya, então eles começam a sentir um grande cosmo. É o cosmo de Atena que faz com que os três Cavaleiros de Ouro ali enterrados (Mu, Aiolia e Milo) se levantem. Os Cavaleiros de Ouro eliminam os Espectros. Shaka medita e aumenta seu cosmo para pode derrubar o muro. Alguém aparece, coloca sua mão no ombro do cavaleiro e fala para ele parar com isso. Shaka olha para trás e vê Dohko de Libra, que diz que um homem como Shaka não deve morrer sozinho. Mu, Aiolia e Milo chegam no local e o Cavaleiro de Áries devolve o Rosário para Shaka. Dohko diz que agora eles podem derrubar o Muro.


Os Cavaleiros de Ouro se unem para destruir o Muro das Lamentações!
Os Cavaleiros de Ouro se unem para destruir o Muro das Lamentações!

Capítulo 15: "Reunião! As Armaduras de Ouro"

"Shuketsu! Gourudo Kurosu"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Janeiro de 1991; no Brasil: Abril de 2014 (Editora JBC)

Dohko diz que é possível recriar a luz do Sol ao concentrar a força dos Cavaleiros do Ouro. Shun pergunta como. Libra então explica que as constelações do zodíaco estão na rota do Sol e que as Doze Armaduras de Ouro armazenam uma fração do raio do Sol dentro de cada traje. Dohko confirma que se os Cavaleiros Dourados que estão ali elevarem seus cosmos ao máximo, eles podem destruir o muro. Ele entrega para cada um deles uma das armas de libra, para eles tentarem derrubar o Muro. Eles elevam seus cosmos e lançam as armas de Libra contra o Muro. Enquanto isso, no Santuário, Jabu de Unicórnio, Nachi de Lobo, Ichi de Hidra observam o Grande Eclipse. Ichi diz que tem a impressão que não vai mais ver a luz do Sol. Shina aparece e discorda, dizendo que os amigos deles estão no Inferno dando o melhor de si. Marin aparece dizendo que há sim a possibilidade de não verem mais o Sol. Shina pergunta onde Marin estava. Nesse momento, uma luz sai da Casa de Sagitário. Logo após, luzes saem das outras casas dos Cavaleiros de Ouro que morreram. Shina diz que as almas deles partiram para o mundo das trevas. No Muro das Lamentações, os cinco Cavaleiros de Ouro estão caídos, após não conseguirem atacar o muro. Seiya pede para que eles o deixe ajudar também. Dohko fala que só é possível se todos os Cavaleiros Dourados tentassem. Eis que surgem as outras seis Armaduras de Ouro e elas começam a ressoar. Kanon ainda ruma até a Giudecca. Ele sente a Armadura de Gêmeos ressoar em resposta às outras. Radamanthys aparece e diz que não pode deixar Kanon prosseguir. O cavaleiro então expele sua Armadura de Ouro. O juiz fica impressionado e Kanon diz que mandará a armadura para seu irmão. Ele diz que sua missão termina ali. Radamanthys ataca, mas Kanon agarra o espectro e se sacrifica com uma Explosão Galáctica para derrotar o espectro. Shiryu e Hyoga vêem ao longe uma luz que é Kanon se sacrificando. A Armadura de Gêmeos chega ao Muro. Com todas as Armaduras de Ouro reunidas, elas se fragmentam e vestem os sete Cavaleiros de Ouro que faltavam: Aldebaran, Saga, Máscara da Morte, Aiolos, Shura, Camus e Afrodite. Aiolos de Sagitário aponta sua flecha contra o Muro. Dohko pede para Seiya e Shun sairem dali, pois somente eles podem atravessar o muro após a destruição dele já que armaduras de ambos foram banhadas com o sangue de Atena. Dohko então diz que o corpo verdadeiro de Hades está nos Elíseos e eles devem destruí-lo para derrotar o deus. Seiya e Shun saem. Os Doze Cavaleiros de Ouro elevam seus cosmos ao máximo e atacam o muro. Minos chega à Giudecca e tira Seiya e Shun da porta para o Muro. Ele abre a porta e recebe o impacto da força dos Cavaleiros de Ouro.


Seiya e Shun partem em direção dos Elíseos após a destruição do Muro das Lamentações!
Seiya e Shun partem em direção dos Elíseos após a destruição do Muro das Lamentações!

Capítulo 16: "Entre o Inferno e a Utopia!"

"Heru to Yutopia no Aida!"

Lançamento em tankobon no Japão: 10 de Janeiro de 1991; no Brasil: Abril de 2014 (Editora JBC)

A Giudecca é destruída. Hyoga e Shiryu chegam até lá e entram nas ruínas. Seiya e Shun estão no Muro, onde um buraco foi aberto. Só restou as Doze Armaduras de Ouro. Hyoga e Shiryu chegam até o Muro. Os quatro lamentam o sacrifício deles. Eles então entram no buraco, mas Shiryu pressente algo e fica para trás. Ao chegar no outro lado do Muro, Seiya, Shun e Hyoga encontram uma dimensão onde o tempo e o espaço estão distorcidos. Ao fundo, um círculo de luz é a entrada para os Elíseos. Três espectros aparecem para impedir Shiryu: Sylphid de Basilisco, Gordon de Minotauro e Queen de Mandrágora. Eles atacam Shiryu que revida usando a Excalibur. Seiya e Shun saltam no espaço para chegar ao Elíseos. Hyoga fica para trás, pois Minos ainda está vivo.


voltar para o topo da página

última atualização realizada em: 05/09/2017