Histórias Laterais -> Corrente Nebulosa: Laços entre Irmãos

+ Histórias
Corrente Nebulosa: Laços entre Irmãos

"Corrente Nebulosa: Laços entre Irmãos"

"Nebula Chain - Kyoudai no Kizuna"

Lançamento no Japão: 13 de Julho de 1988 nas páginas da revista japonesa Jump Gold Selection 1 (cuja venda foi em 29 de Junho de 1988); no Brasil: nunca lançada

Introdução

Esta história lateral foi lançada nas páginas da rara revista japonesa Jump Gold Selection 1. Ela foi escrita por Takao Koyama (o mesmo que escreveu a história do filme do Durval), com ilustrações de Nobuyoshi Sasakado (animador principal do filme da Éris). Acredita-se que Ikki de Fênix morreu na luta contra Dócrates, mas, como seria de esperar, ele é um pássaro imortal. Secretamente, Ikki visita seu irmão mais novo, Shun, e pede para ir com ele até o túmulo de sua mãe morta. Mas, quando retorna para a Mansão Kido, uma sombra sinistra está se aproximando!?


História

O sino da Capela do Orfanato Filhos das Estrelas, está silencioso. Este sino que se cala completamente às 6 da manhã e às 6 da noite, é chamado de o Sino da Esperança por Seiya e os demais órfãos. Seiya gosta deste sino, que parece curar os corações feridos das crianças, que tiveram destinos difíceis sem os pais.

Um dia, quando estava perto do sexto aniversário de Seiya, pelo vontade de Mitsumasa Kido, o presidente da Fundação Graad, Seiya foi indevidamente retirado de sua irmã, Seika. Naquela época ele não podia ouvir o som do sino.

"Irmã, o som do sino. Eu acho que ouvi algo parecido antes de virmos para o orfanato." - Um dia, quando Seiya estava remontando a uma instância em sua memória jovem, ele foi capaz de se lembrar do que sua irmã mais velha, Seika, uma vez lhe disse:

"Seiya, antes de virmos para este orfanato, perto da casa onde os nossos pais viveram, houve também uma Capela! Quando você ouviu o som do sino tocar, você correu em volta gritando: Kin Kon Kan!!!"

"Uhmm..." Seiya esqueceu dos rostos de seus pais há muito tempo atrás, mas o que é interessante é que ele pode lembrar o que Seika disse para ele aquele dia. (Irmã, onde você foi...)

"Seiya, Seiya", a voz de Makoto de repente traz Seiya de volta. Por derrotar os assassinos enviados por Ares, o Grande Mestre do Santuário, Seiya aproveitava essa longa espera e o breve período de descanso. Ele foi visitar o orfanato Filhos das Estrelas. Parado em frente da entrada principal,o sino da capela lhe deu as boas vindas. Sem querer, Seiya olhou para a torre do sino e pareceu se lembrar da conversaque teve com sua irmã.

"Ah, Makoto?..." - O orfão mais animado, Makoto, veio junto com Akira e Tatsuya, esperando com um sorriso: "Seiya. Nós estávamos te chamando e você não respondeu. Foi por causa... Você estava pensando na Mino de novo?"

"Sim. Sim"

"Um belo casal" - com as palavras de Makoto, Akira e Tatsuya mostram as línguas pra Seiya numa velocidade incrível.

"Pare de dizer coisas atrevidas. Olhe, um presente" - Makoto pegou o presente e o desembrulhou.

"Hey, Mino, o Seiya veio!!!" - Makoto e os outros não correrram rápido o bastante para esconder sua felicidade do lado de fora. Cheios de alegria, eles correram dentro do orfanato. Como se Seiya tivesse sido expulso pelas crianças sorridentes, ele esqueceu completamente que é o Cavaleiro de Pégaso, ele era apenas o Seiya.

Naquele momento, Shun e seu irmão Ikki estavam em uma colina elevada observando o mar. Era um cemitério, um lugar sagrado onde os mortos dormem profundamente envoltos em uma gama de sentimentos e lembranças. O coração de Shun saltava de seu peito. Fora do comum, estava repleto de alegria, pois seu irmão Ikki, que no passado reaparecera como inimigo, erguendo seu punho contra ele, voltara a vida tal como sua constelação protetora, a Fênix, e agora estava em pé ao seu lado como um estimado aliado. Contemplavam a lápide recente de sua querida mãe e isto era como um sonho para Shun.

- (Antes de meu irmão ser enviado em meu lugar a Ilha da Rainha da Morte, e eu a Ilha de Andrômeda, nunca havia tido algo como isto). - A mente de Shun imergiu-se em lembranças calorosas quando, repentinamente, uma lágrima escapou de seus olhos. E ikki percebeu.

- "Não chore, Shun, se chorar pelo amor de nossa mãe ela não poderá descansar profundamente e em paz".

- Shun voltou-se rapidamente à seu irmão:

- "Não, não é por isso, só estou feliz poor estar comigo neste momento, ao meu lado, irmão... e, de agora em diante, por um longo tempo, não?".

- "Shun, [lembre-se] um dia eu já levantei o punho contra você".

- "Irmão".

Ikki, com expressão apática, não tocou mais no assunto.

- "Shun, você não se recorda do rosto da mamãe, não é?

- "É" [não lembro].

- "Normal, mamãe morreu muito cedo, quando você ainda era um bebê".

- "Você sim se lembra, não é 'mano'?"

- "...".

- "Como ela era?".

- "Parecida contigo".

- "Fff, comigo? Sem essa, ela não se pareceria comigo". - Fato raro, um largo sorriso se estampou no rosto de Ikki.

- "Irmão, me desculpe por ter deixado que fosse em meu lugar à Ilha da Rainha da Morte".

- "É passado".

- "Mas, por minha causa...".

- "Verdadeiramente, essa ilha era um inferno. Um fraco, um qualquer, lá se tornaria um cadáver facilmente... Mas, nós, cada um de nós, nos tornamos Cavaleiros, sofrendo agruras, suportando dores à custo de nosso sangue e levando as costas o peso de nosso destino... por longos seis anos".

- "...".

Os olhos de Ikki alcançavam ao longe enquanto parecia tocar o íntimo de suas memórias. - "Se Esmeralda não estivesse ao meu lado, possivelmente eu não poderia ter posto os pés novamente no Japão.

- "Esmeralda...".

- "Ahn, era a filha de meu mestre".

- "...".

- "Nessa ilha infernal, onde tanto o coração de seu povo quanto a terra e tudo ao seu redor era corroído pela erosão, ela era para mim como um anjo que os deuses enviaram do céu. Sim, um anjo, uma garota tão doce que não era possível crer que era filha do meu mestre, ao ponto de me envolver completamente. Se não fosse por seu sorriso reconfortante, sem dúvida eu não estaria aqui contigo agora". - A face de Esmeralda tomou o pensamento de Ikki.

- "Além disso, prova que fora um ato dos deuses, é que ela era igualzinha à você!".

- "Igual a mim?"

- "Tirando o fato dela ser mulher e a cor de cabelo diferente, sim, era totalmente idêntica".

- "Mas, como pode?...".

- "A casa que me abrigou na Ilha da Rainha da Morte era um cômodo subterrâneo, úmido, fétido e sobre as pedras duras. Em um quarto assim, onde parecia ver esqueletos por todos os lados, ao dormir sentia-me morrer todos os dias, mas Esmeralda... ela me animava, me acordava, lembrando-me de que tinha que continuar lutando, conquistar a Armadura de Fênix e regressar ao Japão". - Acabara de falar. Shun escutava a respiração profunda de Ikki.

- "Irmão, e o que aconteceu com a Esmeralda?". - A expressão de Ikki se turvou totalmente, como se recusasse a prosseguir a conversa. Shun pareceu entender e calou-se obediente. Naquele momento um raio brilhou no céu e um trovão estrondou levemente ao longe.

- "Irmão".

- "Hum, parece que vai chover... Mãe, estamos preparados para perder nossas vidas, a qualquer momento, por Atena. Assim, não sei quando poderemos voltar a vê-la novamente".

- "Mas irmão, assim sendo, quando isto ocorrer novamente estaremos juntos de nossa mãe".

- "Pff... Shun, nunca desista de sua vida".

- "Eu sei 'mano', já não sou aquele Shun chorão, agora sou o Cavaleiro de Andrômeda.

- "Lute até o fim, como um homem".

- "Te prometo em frente de nossa mãe, irmão".

- "Muito bem". - Ikki consentiu com a cabeça.

- "Irmão, olhe, cisnes voam para o sul".

- "Shun, eu não suporto andar em grupo".

Neste momento novamente reverberou um trovão distante. Não comentaram um com o outro, mas sentiram um estranho cosmo agressivo atrás daquele relâmpago. Desceram então a colina e quando os dois irmãos estavam atravessando o rio, Shun notara alguma coisa sobre sua superfície. - "Irmão, são carpas". - De fato no rio ao qual Shun apontava com o dedo haviam carpas que nadavam tranquilamente. Ikki dera razão a Shun e prosseguiu:

- "Shun, eu não gosto de andar em grupo".

- "É...". - Quando Shun virou-se para trás, Ikki já havia desaparecido. - "Irmão... Irmão!". - A voz de Shun a clamar por seu irmão foi sublimada abruptamente pelo retorno de um novo raio e do som das gotas de chuva que começavam a cair com força, perfurando a superfície do rio como uma metralhadora. O cardume de carpas desaparecera rapidamente, tal como Ikki. O único que sobrava ali era Shun em meio a tempestade, com seu coração congelado, e com sua camiseta encharcada.

Quando Shun voltou completamente ensopado à Mansão Kido, por azar Tatsumi estava junto a Saori e uns visitantes no saguão de entrada. Em um escuro canto escondido ouviu a voz rude de Tatsumi a repreendê-lo de modo cem por cento baixo e vulgar.

- "Shun, que te passa para chegar assim frente a nossos convidados? Pela porta dos fundos, bastava dar a volta e entrar pelos fundos!". - Shun, que imediatamente postou-se em reverência aos visitantes, já se dirigia à porta dos fundos quando fora chamado amavelmente por Saori.

- "Não importa, Shun, suba e se aqueça imediatamente, sim?".

- "Senhorita Saori".

- "Senhorita Saori, não deve fazer isso, se for sempre tão condescendente com estes moleques eles vão ficar mal-acostumados, um péssimo hábito.

Saori, como sempre, ignorou Tatsumi. Ela queria apenas que Shun se prevenisse.

- "Claro que um Cavaleiro não se resfriaria tão facilmente, todavia é bom se cuidar".

- "Obrigado, senhorita Saori".

- "Tatsumi, eu acompanho nossos convidados à saída e você leve Shun ao banheiro, sim?".

- "Como, eu?".

- "Sim, sim, você. É uma ordem minha, ou não é?".

- "Não, claro. Shun, venha aqui".

- "Tatsumi, Shun está ensopado até a ponta dos pés, como é que ele pode subir assim? Carregue-o você mesmo até lá em cima".

- "Heein? Carregar?",

- "Isso mesmo".

- "Tatsumi tenta esconder sua cara feia ardendo de raiva, parecendo mesmo até sair fumaça de sua cabeça, a qual havia abaixado docilmente em respeito".

- "Tatsumi...".

Era insuportável para ele ser repreendido por Saori.

Mesmo amargurado, encurvou-se e pediu desculpas. - "Rápido Shun, suba".

- "Está bom assim?"

Shun montara nas costas de Tatsumi sem pudor ou agradecimento, seja com gestos ou palavras. Tatsumi então lhe dirigira poucas palavras em confidência.

- "Shun, esqueceu-se que o ser humano possui um dom dado por deus, um dom chamado recato? Pois então, é bom pensar bem nisto".

Enquanto Tatsumi ia discursando, debatendo com Shun, adentraram em um corredor. E como Saori estava ausente, não se dera conta do desaparecimento de Ikki.

- (Ahn e o... que... o que Ikki estará fazendo?). Lá fora, de súbito, uma preocupação tomou conta do coração de Saori.

Shun se aquece no banho para não ficar resfriado após ter tomado muita chuva!
Shun se aquece no banho para não ficar resfriado após ter tomado muita chuva!

Shun também, e novamente, pensava sobre o paradeiro de Ikki enquanto se aquecia embaixo da ducha.

- (Irmão, como eu poderia deixar uma tempestade separar nosso destino, um mesmo pulso de vida... Não importa o quanto sejamos golpeados e as dificuldades que passamos, nossos laços são como uma forte "corrente nebulosa", irmão).

Embora Shun seja considerado muito parecido com uma mulher, diferentemente do Cavaleiro de Bronze Seiya, cujo corpo bruto e descuidado fora esculpido pelos treinos na Grécia, a informação de que seu rosto era idêntico à sua mãe também explicaria então a suavidade de sua pele, tocada carinhosamente pela água quente do chuveiro.

- (Meu irmão sempre acreditou nisto, de todo modo).

Um relâmpago reluziu pelo banheiro ao cair da noite revelando o corpo liso e sem máculas de Shun.

Enquanto se aquecia com a água que caía do chuveiro pelo corpo inteiro, crescia gradualmente em si uma sensação de "frio ardente" ao lembrar-se da "ressurreição" de seu irmão.

- (Irmão, você que teve que suportar a dor de seu irmão, voltou a viver e ainda foi capaz de tirar da memória tudo pelo que passou).

Ao ouvir Saori te chamando à fora, Shun não pode esperar e encerrou seu banho vestindo um roupão.

- "Ikki estava com você, ou não, Shun?".

Subitamente Shun corou de vergonha e correu à porta, lá começou a explicar friamente o que acontecera.

- "Meu irmão ainda parece ressentir-se por ter lutado contra nós uma vez. Então sempre parece frio conosco, resistente a lutar ao nosso lado, ajudando um ao outro...".

- "Ele é assim desde criança, aliás era em dobro. É um sujeito que não gosta de ser ajudado".

Tatsumi apareceu murmurando que o odiava.

- "Tatsumi!". - Saori o repreendeu.

- "Sim, ma... mas, senhorita".

- "Ikki é um amigo de confiança. O Cavaleiro de Fênix ajudou-nos o necessário para removermos o mal que dominava completamente o Santuário". - Dizendo isto, distinta e enfaticamente, Saori demonstrou toda sua confiança em Ikki. E um belo sorriso voltou à face de Shun.

- "Saori, Hyoga e Shiryu já deixaram a mansão?".

- "Sim, Shiryu partiu aos Cinco Picos Antigos e Hyoga voltou para a Sibéria".

- "Mesmo?... E Seiya foi para o Orfanato Filho das Estrelas?

- "É. Esperamos que ele entre em contato hoje a noite".

Shun mostrou então uma expressão abatida.

- "Todos possuem uma casa para onde ir... e eu os invejo por isso".

- "Shun, há um lugar para você ir, uma casa...".

- "Ehn?".

- "Esta casa onde você está agora também é sua. Aceite o convite e não desconfie de más intenções. Não pense que é uma armadilha pois eu não mordo. Esta é praticamente a casa onde nascemos, mas todo modo, a decisão é sua".

- "Sa... Senhorita Saori".

Um brilho retomou novamente o rosto de Shun. A visão de Saori refletiva fortemente em seus olhos.

- "Tsc. Agora parece uma pessoa feliz". Tatsumi continuava a murmurar. A noite, Shun deitou-se cedo à cama, embora não conseguisse dormir profundamente.

- (Neste momento meu irmão pode estar em qualquer lugar. Será que dorme em uma cama boa e limpa? Desde que seu destino fora trocado por eu não ir para a Ilha da Rainha da Morte, o paradeiro de meu irmão é constantemente desconhecido. Se tudo pudesse ser apagado... Irmão, desculpe-me).

O rosto de Ikki nublou-se, desaparecendo das lembranças de sua mente. Sem mais suportar saltou de sua cama e abriu uma janela. Uma estrela tomava conta do céu.

- "Ahn... Uma estrela tão brilhante assim em plena Tóquio? Certamente meu irmão também poder ver esta estrela... Estaremos juntos algum dia, observando esta Estrela de Andrômeda subir ao céu lentamente. Espero ansiosamente por isto".

Sua expressão mudara drasticamente. - "Este cosmo ofensivo que sinto...".

Sob a luz das estrelas, lançou seu corpo pela janela, saindo depressa, mantendo os olhos no amplo horizonte. Todos os seus nervos estavam atentos.

- "Como Seiya não está aqui, preciso defender a jovem Saori. É o dever daquele que leva o nome de Cavaleiro de Andrômeda... Lá está!".

Reconhecera o belo planetário erguido por Mitsumasa, prendendo-se a cúpula o sobrepôs. Veloz, o corpo de Shun corria sobre o Planetário, mais além uma janela estava próxima. Então, cessando a respiração, confirmou suas suspeitas. Sobre o Planetário avistara uma imagem, e então a reconheceu. Uma gota de suor escorreu por sua testa.

- "Quê? como... A Armadura de Fênix! Mas não... não é possível".

- (Ele emana um cosmo de pura maldade... Desagradável, um microcosmo de profundo ódio. Demais para um irmão que...).

Shun não acreditava. De todo modo, em prol da proteção de sua deusa, arriscaria sua vida a qualquer momento. E esta era a hora. O próprio Ikki o havia dito tais palavras, e então seu cosmo torpe inflamou completamente.

- "Por favor, pare com isto irmão, não brinque".

Nada. A figura no telhado está calada, nada fala.

- "Se você não vai dizer nada, o que quer que eu faça?".

- "...".

O cosmo oponente o empurra de corpo inteiro como se o desafiasse, ao passo que Shun também avança. Gradualmente a respiração de Shun se alterava, sem que tomasse conta disto. Fênix do telhado estendeu a mão direita. E abruptamente, vindos do nada, quatro sombras se juntaram ao redor de Fênix em seu auxílio.

- "Idiota... Não se espante, esta não é a sua Armadura de Andrômeda. Nem as Armaduras da Constelação de Pégaso, Dragão e Cisne... Nem pense se isso é possível ou não, nós somos os Cavaleiros Negros!".

Por último, o Fênix Negro se pronunciou:

- "Ahahahaha... Shun, você parece ter se dado conta afinal. Não sou seu irmão, Ikki de Fênix, que recentemente reunira Armaduras Negras a seu comando.

- "Fênix Negro...".

Shun, quieto, limpou com a mão o suor que escorria de seu rosto.

- "Ikki, aquele que falhou em morrer na Ilha da Rainha da Morte. Que naquele tempo trouxe ao mundo a tensão, tentando conquistá-lo. É, Ikki pode estar agora em qualquer lugar".

- "Entretanto, o lamentável é que meu irmão não esta aqui...".

- "Como?".

- "Separamo-nos hoje durante a tempestade".

- "Uhum. Ele certamente era uma boa pessoa, eu sei. Somente foi a vítima que deu seu sangue por ti, em teu lugar".

O Fênix Negro fez um sinal novamente, elevando a mão direita.

As quatro figuras de cabelos esvoazantes saltaram ao céu, descendo e cercando Shun abruptamente.

- "...".

Shun não tem em seu alcance a Armadura de Andrômeda para vestir.

Embora a famosa Corrente de Andrômeda construa facilmente uma teia de defesa intransponível, tão forte que nem uma formiga poderia atravessar, sem sua vestimenta completa Shun estava em uma posição crítica.

"Irmão, vamos para a sauna".

"Shun, Eu não gosto de andar em grupo".

Subitamente a corrente negra do Andrômeda das Trevas vôou sibilante como um rugido.

Shun avidamente pulou ao alto, escapando da teia enfeitiçada da corrente negra.

Então, Andrômeda Negro, corajosamente e com um sorriso malicioso no rosto, disse:

- "Se conforme Shun, pois afinal de contas, você irá enfrentar o Dragão Negro, o Cisne Negro, o Pégaso Negro, e claro, a mim, o Andrômeda Negro".

Dragão Negro, concordando com tudo, acenou abaixando a cabeça. Assim Andrômeda Negro parte para a perseguição à Shun, mantendo uma distância de luta, tagarelando e gritando com natural arrogância:

- "Pegue sua Armadura, Shun, ai veremos em um duelo se sua corrente será vitoriosa, ou se a corrente negra deste Andrômeda Negro será a vencedora".

- "Eu te espero".

Shun enfrenta os Cavaleiros Negros no planetário!
Shun enfrenta os Cavaleiros Negros no planetário!

Distintamente Shun aceitara a oferta, podendo vestir seu corpo com a Armadura de Andrômeda. Logo, sua corrente respondeu, pondo-se imediatamente em posição de defesa. Quando mutuamente queimaram seus cosmos, Andrômeda Negro começou o confronto com Shun de Andrômeda. Pulando ao alto, sob o brilho da lua crescente, escondeu-se e lançou abaixo uma rajada de vento forte e negra. Como se energizando sob o luar, por entre as nuvens duas correntes descarregaram um "kira-kira" e um brilho. A corrente de Shun também já se postara sob a forma de Nebulosa de Andrômeda.

- "Só isso?".

Uma corrente do Andrômeda Negro voou rugindo. E outra corrente de Shun voou rapidamente em resposta.

As duas correntes colidiram entre ambos tal como cobras enroladas como foices e distintas entre o certo e o errado, voando e reluzindo mutuamente, perfeitamente iguais.

- "Pff... Este brilho que ostento é a verdadeira Corrente de Andrômeda, Shun. E te provarei isto de qualquer maneira".

Logo.

- "Corrente Nebulosa Negra!".

- "Uwaaah".

Um vago brilho tomou a Nebulosa de Andrômeda. Chocou-se como uma cobra impiedosamente contra a defesa de Shun, atravessando-a rosnando e emaranhando-se com seu corpo, realizando com sucesso a manobra.

- "Arghh".

Deste jeito, sem ter como partir à batalha, a nobre face de Shun revela-se com fortes dores.

- "Uuuurgh".

Não podendo mover um pé, nem uma mão, as cobrar se firmam enroladas por todo o corpo de Shun.

- "Uuuurgh".

- "Pfuuu... Que absurdo, é disto que é feito o único irmão de Ikki, aquele que cortara as roupas do Mestre Ares?".

- "Que?"

- "Você é um covarde, irmão de outro covarde, afinal de contas então, todos covardes".

- "Ur...gh. Não, não vou deixar de jeito nenhum ouvir você difamar o meu irmão".

Shun inflamou-se de raiva e então ascendeu o fogo de seu microcosmo.

- "Uu...gh. O meu irmão... é um orgulho para mim!".

O cosmo de Shun elevou-se totalmente.

- "Mas como?".

Ao ver a centelha cósmica de Shun se expandir pelo corpo inteiro, Andrômeda Negro atira extensas correntes-cobras para chocar-se com ele. Todavia, as cobras largaram o corpo quando irrompeu, no exato momento, sua corrente defensiva.

- "Seu miserável!".

O Andrômeda Negro agora queria muito vingar-se por isso. Em sua testa escorreu um fio de suor. Dois escorreram de Shun, que não os viu fluir e cair.

- "Eu sou o Andrômeda Negro e mostrarei para você o verdadeiro poder da minha Corrente Negra e isto será a sua derrota. Não devia ter provocado a minha ira".

- "Com ou sem, não tenho medo de sua Corrente Negra".

E atirou então sua Corrente Negra, a qual fora seguida imediatamente por Shun.

- "Corrente Nebulosa". - E a corrente nebulosa de Shun fora descarregada. Ela invadiu e se apoderou do Andrômeda Negro, sua vida agora estava presa nestas correntes.

- "Urghhh".

Andrômeda Negro fora completamente abatido e lançado ao alto pela Corrente Nebulosa, enquanto seu cosmo desaparecia deixando somente o rastro de seu grito. Tendo vencido sozinho o primeiro, Shun não teve tempo para descansar. Imediatamente, Pégaso Negro, Dragão Negro e Cisne Negro, combinados tentam intimidar Shun se aproximando para o combate.

- (Irmão, eu lutarei como um homem, até o fim).

Então Pégaso Negro o atacou com seu Meteóro Negro, seguido da Tempestade Negra do Cisne Negro, e por último sobreveio o ataque Dragão Negro Supremo do Dragão Negro. Em desvantagem numérica, a Corrente Nebulosa voava verticalmente e horizontalmente para evitar que Shun caísse no linchamento sem proteção alguma, pois estava desesperadamente em perigo. O Fênix Negro já se declarava triunfante.

- "Shun, você foi derrotado. Entretanto, eu te mandarei para o inferno, é bom obedecer".

- "Você é capaz de suportar todos estes danos? Afinal, você é o único irmão de Ikki de Fênix".

Imediatamente Shun é golpeado em seu corpo ferido. Ele não era páreo para seus inimigos agora.

- "Ugh...Arghh...Gurrrh".

O Pégaso Negro socava tão pesadamente que parecia golpear um saco de areia. As mãos de Shun estavam livres. Uma tentava agarrar seu oponente enquanto a outra atingia o ar.

- "Pégaso Negro, vamos, ataque logo com o Meteóro Negro, é uma ordem do Fênix Negro".

Naquele momento algo semelhante a uma folha alada cortara o ar, as mãos, roupas e a bochecha do Pégaso Negro.

- "O quê, mas quem?".

Pégaso Negro gritara. O céu estava coberto por uma nuvem negra e a voz de Ikki de Fênix ressoou dentro daquela escuridão, que a deixara com somente um passo.

- "Depois de vingar os golpes que deram em meu irmão irei rir destas suas Armaduras Negras".

Ikki, usando sua galante Armadura de Fênix, surge rasgando a escuridão.

- "Ir, Irmão, Você está aqui, ao fim de tudo".

- "Shun, você está bem?".

Fênix Negro então gritou alto de cima do telhado.

- "Veja se não é o traidor Ikki, sabia que estava esperando você aparecer? Eu venho em nome do Mestre Ares. Agimos silenciosamente sob suas ordens em vários pontos do mundo."

Ikki observou bem o Fênix Negro.

- "Eu o conheço bem, você não é o Ritahoa?".

Rapidamente a fisionomia do Fênix Negro mudou. Enquanto averiguava o rosto surpreso do Pégaso Negro, Ikki avançou e disse:

- "E você não é Kenuma? E você Jid? E não é você, Shinadekuro?

Pégaso Negro que foi reconhecido por seu nome parecia envergonhado e virou o rosto.

- "Pff... Quando eu havia reunido as Armaduras Negras, Ritahoa, você ainda era um fracassado da Ilha da Rainha da Morte. Este então é o Fênix Negro... Dez milhões de vezes cômico isso. Eu tinha uma vida lamentável antes de partir".

Mas também não seria derrotado pelo Fênix Negro.

- "Ikki, Se pensa que somos os mesmos de antigamente está cometendo um grande engano. Você se tornou um Cavaleiro de Bronze tendo recebido treinamentos especiais sob a tutela do Santuário da Grécia, mas ainda assim traiu aquele que lhe intitulara Cavaleiro, o Mestre Ares.

- "Então é isso, o que quer?".

Se eu vencer você, que foi treinado na Ilha da Rainha da Morte como eu, poderei me tornar um Cavaleiro. Esta é a primeira e última chance a mim dada e vou agarrá-la sem sombra de dúvida.

Deu ordens então ao Pégaso Negro. Mas, no mundo, não há pessoa que consiga vencer um Cavaleiro que já tenha visto seu ponto fraco. E tanto o Pégaso Negro, que se chamava Kenuma, quanto o Cisne Negro, chamado Jid, e o Dragão Negro, Shinadekuro, Ikki os conhecia muito bem.

- "Avê Fênix!".

Com sua áspera técnica, Ikki atacou e sem piedade lançou ao longe os três, que assim morreram. Somente restara uma pessoa, o Fênix Negro, Ritahoa.

Agora eram dois Fênix em confronto.

- "Ritahoa, sua existência e de sua Armadura Negra são minhas imagens opostas. Sol e sombras afinal das contas. Você é como uma sombra frente ao Sol. Mas, lamentavelmente, uma sombra varia de acordo com mudança do Sol, ao contrário do Céu e da Terra, sempre impassíveis.

- "Se qualquer coisa que saísse de sua boca fosse bom não teria esperado tanto tempo assim para este encontro. Vamos Ikki. Deixe isto de Sol e Sombra para lá. Entenda isto imediatamente. 'Kieei'.".

Junto com o forte brado, Fênix Negro atacara Ikki com seus punhos. A velocidade de seus socos não era em nada inferior ao Meteóro de Pégaso. Ikki, entusiasmado com isto, os evitava.

- (a qualquer momento, a qualquer momento posso ser atingido em uma brecha se ele melhorar sua técnica. Serei ferido se eu o menosprezar, seguramente).

- "Morraaaa, Ikki!".

Fênix Negro desferira uma sequência de socos.

- "Uaaah".

Sem resistir ao choque Ikki é lançado pelo ataque ao longe, colidindo violentamente com uma árvore de centenas de anos.

Alguma coisa caiu do pescoço de Ikki, que não se deu conta disto, e cintilou no chão.

Recebido um belo ferimento, Ikki se levantava. Como era previsto, com um leve assobio e com um rosto corado, Fênix Negro cantava vitória, esperando ansioso por isto.

- "Ikki, de qualquer maneira, este não é o mesmo Ritahoa de antigamente. Agora o Mestre Ares terá que me admitir".

- "É certo que você conseguiu ferir meu braço. Contudo, você ainda está a cem anos de distância do meu poder".

Fênix Negro então avançou e desferiu novamente sua técnica.

- "Vamos ver se meu golpe funciona pela segunda vez então?".

Habilmente se esquivando, Ikki desviara do veloz punho do Fênix Negro ao passo que no sentido oposto também descarregou um soco.

- "Uwaaah".

Seu ataque o lançou justamente naquela árvore onde havia tombado uma vez. Contudo, rapidamente seu oponente já estava de pé.

Naquele momento Ikki avistou um objeto brilhante abaixo dos pés do Fênix Negro.

- "Ahn?".

Quando o Fênix Negro se pôs a andar , "gatsuh", um som foi ouvido e novo brilho cintilou naquele objeto. A face de Ikki mudou abruptamente.

- "Não toque isto com os seus pés imundos... Mas veja, veja muito bem minha ilusão demoníaca".

- "Espírito Diabólico de Fênix!".

A ilusão demoníaca atingiu o Fênix Negro como um parafuso na altura do encontro de suas sobrancelhas.

- "Uwaaah".

Fênix Negro imergiu-se na ilusão de seu ego. Pela regência da Ilha da Rainha da Morte ele resistiu a Ikki visando promoção pessoal por meio de grande número de assassinatos, os quais foram noticiados acima e abaixo. E assim foi ele próprio devastando seu espírito, guerreando em uma mente vaga - que agora nem podia mais ser considerada mente.

Ikki estendera a mão para pegar aquele artefato caído.

- "Irmão".

Shun correu uns dez passos até Ikki, que lhe apresentou então aquele objeto. Era uma pequena cruz.

- "Na intenção de partir e te deixar quase me esqueço disto".

- "Isso é..."

- "Só uma recordação de nossa mãe".

- "Da... da mamãe".

Nossa mãe usava isso em seu corpo até o momento de sua morte. Antes de nos deixar, em seu último suspiro, ela pediu que nos ajudássemos uns aos outros, para nos mantermos firmemente vivos, sempre juntos.

Shun recebeu a cruz de sua queria mãe que não conhecera em sua palma da mão, e espontaneamente a acariciara. Então uma lágrima caiu de seu rosto sobre a cruz.

- "Irmão, vamos ficar juntos de agora em diante também".

- "Shun, a cruz da mamãe é nossa. Eu sempre estarei junto de ti. Nós sempre lutaremos juntos".

Ikki se despede mais uma vez de Shun e vai embora, mas antes ele entregou a pequena cruz de sua mãe para seu irmão!
Ikki se despede mais uma vez de Shun e vai embora, mas antes ele entregou a pequena cruz de sua mãe para seu irmão!

- "Mas...".

- "Nos viremos nos ajudar sempre que preciso".

- "Irmão, mas...".

- "Shun, gostaria de me fazer repetir tudo aquilo novamente?".

- "Eh..."

- "Não suporto grupos".

Ikki somente disse isto e o deixou, voltando a desaparecer por dentro da escuridão noturna.


Colaboradores

Agradecimentos aos fãs Philip Ho, Diego Maryo e Marcus Ryuzaki pelas traduções. Alguns termos e nomes foram adaptados para os padrões utilizados pelo site CavZodiaco.com.br.

voltar para o topo da página

última atualização realizada em: 28/04/2017