Introdução aos CDZ -> História

Informações

No Japão

Logotipo japonês

Tudo começou no final do ano de 1985 quando o autor, Masami Kurumada, iniciou a série originalmente chamada Saint Seiya. A primeira aparição aconteceu no dia 19 de novembro de 1985, em anúncio nas páginas da edição 51/85 da revista Weekly Shonen Jump (uma espécie de revista semanal publicada pela Shueisha). Mas foi na edição 01/86, publicada no dia 3 de dezembro de 1985 que o primeiro capítulo foi publicado. Cada revista tinha aproximadamente 400 páginas, com diversas histórias (a maioria era em preto e branco) e os capítulos dos Cavaleiros do Zodíaco foram publicadas até o ano de 1990.

No Japão existem duas regras quando um mangá faz sucesso: lançar uma compilação completa (tankobon), com apenas a série em questão, e lançá-la em anime (desenho animado japonês). Saint Seiya rendeu 28 volumes tankobon com cerca de 200 páginas cada um. Com o passar do tempo novas recompilações foram sendo lançadas, chegando até uma edição de luxo para colecionadores (chamada de Kanzenban, com algumas páginas coloridas inclusive). O mangá foi dividido em sagas, de acordo com a história:

• Santuário

• Blue Warriors (história solo do personagem Hyoga de Cisne)

• Poseidon

• Hades

O sucesso foi tão grande que no mesmo ano de sua criação, Saint Seiya começou a ser produzido em anime. A empresa responsável pela produção foi a Toei Animation e o primeiro episódio foi ao ar no dia 11 de outubro de 1986, pela TV japonesa ASAHI (todos os sábados às 19h). A série de TV clássica teve 114 episódios e foi dividida nas sagas:

• Santuário (episódio 1 ao 73)

• Asgard (episódio 74 ao 99)

• Poseidon (episódio 100 ao 114)

O grande detalhe da produção do anime foi que a Toei Animation foi obrigada a aumentar a história, inventando novos personagens, prolongando certas lutas e até mesmo criando uma nova saga. Tudo isso devido ao fato de que quando o anime começou a ser produzido, o mangá não estava finalizado ainda.

O último episódio foi exibido no dia 1 de abril de 1989, iniciando meses depois uma reprise completa.

O sucesso gerou, na época, também 4 filmes (Éris, Durval, Abel e Lúcifer).

Infelizmente a Saga de Hades (considerada por muitos fãs a melhor saga) não foi produzida em anime na época. Na ocasião do término da Saga de Poseidon em anime, a Saga de Hades ainda estava sendo desenvolvida por Kurumada no mangá. Desta forma, a Toei Animation não conseguiu chegar num acordo para produção. É importante citar que a série não vinha mais tendo a mesma audiência de antes, fator decisivo também para a não produção de Hades em anime. Fãs do mundo inteiro ficaram decepcionados e tentaram realizar campanhas, mas sem sucesso.

Em 2001, um desenhista francês chamado Jérôme Alquié produziu dois trailers da Saga de Hades (baseado na história do mangá). O trailer foi exibido no evento de Toulon, na França, em 2001, e a Toei Animation estava lá para conferir (representada pelo Shingo Araki, o principal desenhista do anime). O sucesso foi inevitável e os trailers espalharam-se rapidamente pela Internet.

A Toei Animation nunca pronunciou-se oficialmente sobre o assunto, porém em novembro de 2002 ela finalmente lançou o primeiro episódio da Saga de Hades. O formato escolhido foi o OVA (Original Video Animation), com exibição via pay-per-view na tv japonesa e em seguida diretamente em DVD. Todos pensavam que Jêróme Alquié faria parte do staff, porém isso não aconteceu. Até hoje ninguém sabe a real influência que o francês teve sobre a Toei Animation, mas para os fãs ele é considerado um herói.

À partir de 2002, o Japão redescobriu Saint Seiya. Para Hades, inicialmente foram produzidos 13 OVAs, referentes a toda Fase Santuário de Hades.

Em 2002, também, surgiu um novo mangá: o Episódio G. Ele conta com o roteiro de Masami Kurumada, mas o traço é de Megumu Okada, o que despertou desinteresse de boa parte dos antigos fãs (traço muito diferente). Com o passar do tempo, o mangá foi evoluindo e ganhando respeito por parte da maioria dos fãs. Teve sua conclusão em 2013.

No dia 14 de fevereiro de 2004 um novo longa metragem, intitulado Tenkai Hen - Josô - Overture (Prólogo do Céu - Abertura) foi lançado no Japão. Com isso os fãs acreditavam que a tão sonhada Saga de Zeus poderia ser produzida rapidamente, fato que não aconteceu na época. Inicialmente previsto para ser uma trilogia, este filme acabou não tendo a audiência esperada e isso desencadeou mudanças no futuro da franquia.

No final de 2005, a Toei Animation começou a produzir a Fase Inferno de Hades, mas ela foi dividida em duas partes: a primeira com 6 episódios e a segunda com 6 episódios também. Os 6 primeiros episódios foram lançados até fevereiro de 2006 e 6 episódios finais foram lançados até fevereiro de 2007!

Em 2006, Masami Kurumada surpreendeu ao anunciar o lançamento de dois novos mangás: o Lost Canvas, com desenhos da Shiori Teshirogi, e o Next Dimension, com desenhos dele mesmo (só que desta vez totalmente coloridos), dando indícios que a tão sonhada Saga do Céu (ou Saga de Zeus) poderia acontecer, numa continuação direta e oficial da Saga de Hades. Em um primeiro momento, ambos os mangás contam a mesma história, só que sob pontos de vistas diferentes. Lost Canvas foi concluído em 2016, com diversos capítulos especiais sendo publicado até hoje de forma bem esporádica. Next Dimension continua em produção, mas os fãs amargam diversos períodos de hiato, sem uma periodicidade definida para a publicação dos episódios.

Em 2008, finalmente, a Saga de Hades foi concluída com 6 OVAs referentes a Fase Elíseos.

Em 2009, o Lost Canvas ganhou a sua versão em anime, pela TMS. A primeira temporada teve 13 OVAs e durou até o primeiro semestre de 2010. A segunda temporada foi lançada em 2011 e teve mais 13 OVAs também. Infelizmente não existe terceira temporada em anime e nem previsão para isso, já que o a série continua como cancelada no Japão.

No começo de 2012, tivemos o lançamento da série Ômega, voltada para um público mais infantil, em uma tentativa de renovar o público da série. Foram duas temporadas, pela Toei Animation, totalizando 97 episódios.

Em 2013 a editora japonesa Akita Shoten anunciou um novo mangá dos Cavaleiros do Zodíaco. Intitulado Saintia Shô (Saintia é uma referência a uma classe de jovens garotas que lutam por Atena), ele tem Chimaki Kuori como a mangaká responsável.

Em 2014 um filme em Computação Gráfica, focado na luta nas Doze Casas do Zodíaco e intitulado Legend of Sanctuary (A Lenda do Santuário) foi lançado pela Toei Animation, sendo exibido nos cinemas em inclusive.

Em 2015 fomos surpreendidos com o lançamento do anime Alma de Ouro (Soul of Gold). Este é focado exclusivamente nos Cavaleiros de Ouro e a Toei Animation utilizou uma brecha da história do Muro das Lamentações para encaixar o novo anime, agradando em cheio os fãs.

Em 2018 foi a vez de Saintia Shô ganhar versão em anime pela Toei Animation. Apenas 10 episódios foram produzidos, mas os fãs não receberam bem esta versão animada, já que foi muito corrida e com animação bastante contestada.

Em 2019 um remake/reboot da série foi produzido pela Netflix, em parceria com a Toei Animation. A primeira temporada possui 12 episódios, sendo a primeira leva de 6 lançada em 2019 e 6 restantes em 2020.

No Brasil

Logotipo brasileiro No Brasil a série chegou em 1994. Com nome herdado da França, Os Cavaleiros do Zodíaco tiveram sua primeira exibição no dia 1º de setembro, na extinta Rede Manchete. O sucesso veio de imediato e naturalmente (sem muita divulgação). O desenho começou a ser exibido em dois horários: as 10h30min dentro do programa infantil Dudalegria e as 18h30min dentro de outro programa infantil, o Clube da Criança. Depois, a série ganhou um programa próprio, com a apresentadora Mytsue. A Manchete ficou marcada pelas constantes reprises dos episódios (sempre que chegava no episódio 52 a série começava a ser reprisada desde o início, mas pelo fato da emissora não possui mais episódios até então). Os Cavaleiros do Zodíaco ficaram no ar até 1997, batendo recordes de audiência. Neste tempo muitos produtos foram lançados, podendo destacar: álbuns, cd e lp musical (chegou a ganhar até disco de ouro), mochilas, estojos, etc.

Uma grande febre de bonecos (Action Figures) começou a se formar. Cerca de 900.000 bonecos foram vendidos nos 3 anos em que a série esteve no BRASIL. Além disso, o longa metragem A Lenda dos Defensores de Atens (o filme do Abel, chamado na época aqui no Brasil e "O Filme") foi exibido nos cinemas e teve grande público.

Assim que a série parou de ser exibida, as emissoras de TV viram que poderia ser uma boa investir em desenhos animados japoneses. Começaram a aparecer muitos outros animes, mas nenhum conseguiu cativar tanto público quanto Os Cavaleiros do Zodíaco.

Em 2000, a Conrad Editora adquiriu os direitos para lançar o mangá. Com veinculação mensal, o mangá nacional teve 48 edições. A Editora também lançou 20 volumes do mangá Episódio G.

Após exatamente 9 anos de exibição da série no Brasil, Os Cavaleiros do Zodíaco voltavam no histórico dia 1 de setembro de 2003 (o dia 1 de setembro tem um valor muito especial para os fãs, pois as duas estréias no Brasil foram exatamente nesta data) no canal fechado Cartoon Network, mas desta vez redublado nos estúdios da Álamo (a dublagem antiga havia sido feita na extinta Gota Mágica). Para comemorar o lançamento da série, foi produzido um evento temático chamado Cavaleiros Anime Show. O evento recebeu um público superior a 5.000 pessoas em dois dias e contou com total apoio da empresa licenciadora da série na época, a Creative Licensing Brasil (hoje a série é licenciada pela Angelotti Licensing & Entertainment Business).

Um fato importante é que desta vez os fãs tiveram a chance de participar e ajudar em vários momentos. No Natal de 2003, 40.000 bonecos foram vendidos em menos de 2 semanas e em 2004, a Rede Bandeirantes começou a exibir o anime, que ficou no ar até 2007. Rede 21 e PlayTV também exibiram os episódios. A Saga de Hades começou a ser lançada em DVD, pela PlayArte, no meio de 2006. Aliás, a PlayArte fez o lançamento da série completa em DVD (com toda a série clássica, Hades e todos os filmes, incluindo o Prólogo do Céu, que também teve exibição nos cinemas brasileiros, mas de forma bem discreta). A Band exibiu a Saga de Hades apenas no final de 2010.

Em 2007, a Editora JBC anunciou o lançamento do mangá do Lost Canvas no Brasil. Com periodicidade bimestral, o mangá foi lançado de forma completa por aqui, incluindo os Gaidens (histórias solo dos Cavaleiros de Ouro).

Em 2010, a empresa Angelotti Licensing & Entertainment anunciou um novo relançamento da série no Brasil, novamente na TV Bandeirantes. Desta vez a emissora comprou também os 31 episódios da Saga de Hades. Um novo projeto de licenciamento foi feito, com o lançamento de vários produtos, incluindo álbuns, pôsteres, bonecos etc.

Em 2016, em comemoração aos 30 anos do anime no Japão, a Rede Brasil fechou uma parceria com a Toei Animation e passou a exibir, de forma oficial e legalizada, os 114 episódios da série clássica. A estreia aconteceu em outubro de 2016.

Já no final de 2020, o recente criado canal Loading iniciou a exibição, pela primeira vez na tv brasileira, do anime Lost Canvas.

Nos Estados Unidos, Canadá e Austrália

Logotipo americano A série não fez sucesso algum em sua primeira aparição nos EUA, no começo dos anos 90. Somente em 2003, agora com o nome Knights of the Zodiac, que a série começou a ganhar fãs do continente norte-americano. A empresa responsável pelo licenciamento foi a DIC Entertainment. A série sofreu muitos cortes e enormes alterações na trilha sonora e na história, o que decepcionou muitos fãs. A saída foi lançar DVDs (caixas) na íntegra (sem cortes e alterações). Neste caso, a empresa responsável foi a ADV Films. Infelizmente o lançamento não foi completo. Somente em 2014 os fãs norte-americanos puderam conferir a série clássica completa, quando ela foi lançada em DVD pela New Video Group (que lançou os quatro filmes antigos também).

O Canadá e a Austrália seguiram o caminho dos EUA. Tudo que foi feito e lançado nos EUA chegou nestes países também.

Na Espanha e na América Latina

Logotipo latino

"Los Caballeros del Zodiaco" - A série foi transmitida na Espanha pela "TV2" e depois pela "Tele 5" que mostrou todos os episódios entre 1990 - 1992. A série espanhola também teve sua vez no México (TV Azteca), Peru, Panama, Costa Rica, El Salvador, Colômbia, Chile e Argentina. "Tele 5" também transmitiu o longa-metragem de Abel. "Planeta de Agostini" publicou os mangás. Depois, toda a série foi relançada nestes países, inclusive com o relançamento dos mangás. Episódio G, Lost Canvas e Next Dimension também tiveram suas edições em espanhol.

Na França

Logotipo francês

"Les Chevaliers du Zodiaque" - Foi transmitida entre 1988/1991 e foi parcialmente censurado pela "Manga Land". Os 4 filmes foram editados pela "Manga Power" com os seguintes nomes: "Les guerriers d'Abel", "La légende de la pomme d'or", "La guerre des dieux", "Le dieu des enfers". O mangá também foi publicado.


Na Itália

Logotipo italiano

"I Cavalieri dello Zodiaco" - A série foi transmitida pela "Odeon TV" (episódios 1-52) em 1990 e pela "ITALIA7" (episódios 53-114)e mais tarde pela "JTV" (toda a série). Os mangás foram publicados pela "Granata Press", toda a série.


Na Ásia

Ásia - A série foi também transmitida em Hong Kong (1990-92), Thailândia (1990), Taiwan (1991), Indonésia (1988-90). As fitas também foram distribuídas na Malásia e em Brunei.


voltar para o topo da página

última atualização realizada em: 18/01/2021