Entrevistas -> Personalidades do Mundo dos Cavaleiros do Zodíaco-> Michi Himeno

Informações

Introdução

Nesta seção você encontrará entrevistas exclusivas com várias personalidades, sejam elas cantores ou pessoas envolvidas na produção e/ou licenciamento da série.

Clique Aqui para voltar para a tela de seleção das personalidades

Michi Himeno

Michi Himeno

Durante o evento CCXP 2016 (Comic Con Experience), realizado em São Paulo entre os dias 1 e 4 de Dezembro de 2016, no estande da Toei Animation existia uma painel com uma entrevista com a character designer Michi Himeno. Abaixo trazemos a transcrição desta entrevista (ela é a mesma presente no livreto/artbook comemorativo pelos 30 anos da franquia e que estava a venda no evento japonês Complete Works of Saint Seiya em Junho de 2016):

A entrevista originalmente publicada no dia 18 de Junho de 2016

Nascida na província de Hyogo. Leonina. Emocionou-se assistindo "Babel II" (Babiru Nisei) (1973) e entrou no estúdio Araki Pro. Estreou com "UFO Robot Grendizer" (1975). Desde então trabalhou junto com Shingo Araki fazendo character design e direção de animação. Os principais trabalhos em que se envolveu foram: "Angel, a Menina das Flores" (Hana no Ko Lun-Lun) (1979), "A Rosa de Versalhes" (Berusaiyu no Bara) (1979), "Sangokushi", de Mitsuteru Yokoyama (1991), "Ge-Ge-Ge no Kitaro" (1996), "Yu-Gi-Oh Duel Mosnter" (2000) e outros. Também se envolveu na produção de outras obras de Kurumada, autor de "Os Cavaleiros do Zodíaco", como a série OVA "Os Guardiões do Universo" (Fuma no Kojiro) (1989) ou a série "Ring ni Kakero 1" (2004). Ela também fez o chracter design e animação da parte animada utilizada na série de máquina para Pachinko CR Saint Seiya.


Pergunta 1: Primeiro conte-nos como foi que se envolveu com "Os Cavaleiros do Zodíaco"?

R: O produtor da Toei Doga (atual Toei Animation), Yoshifumi Hatano, convidou Shingo Araki e eu também fui convidada a participar como character designer. O mangá mal havia começado a ser publicado e não tinha um único volume encadernado. Por isso o Hatano me enviou cópias das páginas da revista como referência.

Pergunta 2: Qual foi a impressão que teve ao ler o trabalho original do Masami Kurumada?

R: "Os Cavaleiros do Zodíaco" foi o primeiro trabalho do Kurumada que eu havia lido. Já tinha escutado falar de outros títulos como Sukeban Arashi, mas os animadores eram pobres e não tinham dinheiro para compras as revistas (risos). Sempre gostei da Grécia e Roma Antiga antes mesmo de me envolver com este trabalho, portanto tive muita facilidade em me envolver com aquele universo interessante. Depois também recebi trabalhos de "Os Guardiões do Universo" (Fuma no Kojiro) e "Ring ni Kakero", ambos do Masami Kurumada, mas é muito comum pegar trabalhos de um mesmo autor na sequência. Quando me deram o trabalho de "Sangokushi" (Romance dos Três Reinos) do Mitsuteru Yokoyama, também veio a proposta de trabalhar no desenho dos personagens do OVA de "Babel II" (Babiru Nisei). Foi uma sensação esquisita, porque "Babel II" foi o título que me fez entrar neste ramo.

Pergunta 3: Quais os pontos que deve atentar para fazer o character designer?

R: Os personagens do Masami Kurumada são carismáticos e muito fáceis de entender. Portanto o direcionamento foi aproveitar o clima do mangá original e ir acrescentando neles o estilo da Araki Pro. A dificuldade foi diferenciar o traço da Saori com o do Shun. Tentei diferenciá-los aumentando os cílios da Saori e dando uma sobrancelha rígida ao Shun. Mas havia muitos momentos em que o Shun fazia um rosto sereno e a Saori ficava séria. No final das contas, a salvação veio pela diferenciação da cor do cabelo que é uma técnica puramente de anime (risos). Outra coisa, me preocupei em manter uma esbelteza juvenil na proporção do Shun. Se for comparar, é como imaginar um jogador de beisebol do ensino médio. É o corpo de uma criança em fase de formação, diferente de um corpo atlético de um jogador profissional. Mas, de vez em quando tinha animadores que desenhavam o Shun com uma pose meio feminina (risos). Trabalhávemos nesta época sem saber o que apareceria no mangá original, por isso desenhei o Cavaleiro de Ouro de Peixes imaginando um físico robusto. Mal imaginava eu que ele fosse da "linha do Shun" (risos). Redesenhei o Afrodite para o OVA da Saga de Hades, mas a versão Cavaleiro de Ouro só aparece no final de Hades: Saga do Inferno, portanto deixei passar. Finalmente pude apresentar o character design do Afrodite de Cavaleiro de Ouro no primeiro CR Saint Seiya para máquinas de Pachinko (jogo de azar muito popular no Japão que usam máquinas parecidas com máquinas de fliperama).

Pergunta 4: As armaduras para o anime foram criadas pelo Araki e pela Himeno?

R: Começamos desenvolvendo o anime mantendo um desenho de armadura mais fiel ao mangá original, mas a Bandai nos pediu para que desenhássemos algo visualmente mais chamativo quando fosse transformado em brinquedo, portanto passamos a adaptar as armaduras para a versão em anime, mas mantendo a linha do mangá original. Eu e o Shingo Araki trocávamos propostas de design, fazíamos ajustes, e depois repetíamos essa troca algumas vezes. As primeiras armaduras surgiram depois desse processo de tentativa e erro. Mas o capacete em forma de cabeça de cavalo do Seiya deu trabalho aos animadores. Como eles precisavam desenhar aquele formato de ângulos variados, creio que eu devia ter preparado mais model sheets mostrando-os de ângulos diferentes.

Pergunta 5: De onde buscava inspiração para criar os personagens exclusivos do anime como o Dócrates?

R: Eu sinto que Dócrates me passou a imagem de ser um "grandalhão" desde o instante em que li o roteiro. Como era um personagem exclusivo do anime e, sem saber o ponto de equilíbrio, acabei adicionando traços demais, mas não imaginava que a responsabilidade de criá-lo seria minha (risos). Quanto aos Cavaleiros Fantasmas, que vieram a seguir, eu obtive carta branca, portanto criei um visual em que a prioridade maior era ser fácil de animar. Tive sorte por terem aprovado sem reclamarem que era preciso atribuir alguma armadura (risos). O Cavaleiro de Cristal foi o preferido do Araki. Era um personagem elegante que merecia ser o mestre do Hyoga, mas depois apareceu o Camus no mangá e parece que deu trabalho reajustar a história. Também não tive nenhuma exigência quanto ao desenho dos personagens da Saga de Asgard. Mas, no começo, o design da armadura de Odin foi criado para ser o do Alberich. Depois decidiram que o Seiya a vestiria e tive de criar uma armadura de Delta do zero.

Pergunta 6: Qual é o personagem que mais gosta?

R: Na hora de animar, o Kiki era o melhor. As expressões dele variavam rapidamente e eram divertidas. O Tatsumi também era fácil de desenhar porque não tinha cabelo (risos). Desenhar aqueles cabelos dava muito trabalho e quando vinha personagens sem cabelo era um grande alívio para poupar nossa energia (risos).

Pergunta 7: Conte-nos algo que foi marcante no trabalho daquele época.

R: Naquela época, ainda usávamos celulose transparente pintada e o limite de tempo para a entrega dos quadros-chaves era um mês antes de ir ao ar. Trabalhávamos doze horas diárias e quando a data de entrega se aproximava, toda a equipe varava a noite. Além dos desenhos de model sheets e da própria animação, também tinha que fazer ilustrações para revistas e produtos e eu vivia muito ocupada. As ilustrações da franquia "Os Cavaleiros do Zodíaco" foram tantas e o trabalho para descobrir quando e porque as desenhei é tão demorado que continuo em fase de organização. Finalmente descobri porque ilustradores profissionais colocam a data no canto da obra (risos). Naquela época bastava ter um desenho para vender muitos character goods (produtos de merchandise baseados em personagens), portanto não paravam de me pedir novas ilustrações. O relógio do Seiya que ganhei de amostra nesse período continua funcionando até hoje lá na Araki Pro (risos).

Pergunta 8: Em 2002 começou o OVA Hades: Saga Santuário, como se sentiu ao voltar a trabalhar em Os Cavaleiros do Zodíaco depois de tanto tempo?

R: Mesmo depois do fim da série de TV, eu continuava a produzir mais ilustrações para anime comics, capas de CD, de vídeo ou LD. Como esse meu trabalho não tinha pausa, eu sentia que o título mantinha a popularidade. Também sabia que tinha mais história no mangá original sem ter sido adaptada para animação, portanto imaginava que algum dia fariam uma continuação. Como a tendência do traço de personagens dos outros desenhos animados havia ficado mais comprido em comparação aos da época da transmissão de TV, resolvi alterar o estilo dos personagens desde sua estrutura óssea para acompanhar a moda da época. Seiya e seus companheiros ficaram mais compridos e o Mu de Áries também ficou mais esguio. Na época do OVA, graças à introdução da tecnologia digital, o prazo de trabalho esticara um pouco mas isso não reduziu o nosso trabalho de animação (risos).

Pergunta 9: Conte-nos o que mais a impressionou no trabalho do Shingo Araki.

R: Ele era uma pessoa sempre positiva, nunca desistia de melhorar enquanto o prazo permitisse e trabalhava com muita sinceridade. Por outro lado também dizia: "Não detalhe demais, simplifique um pouco mais o traço". Quando a gente se preocupa em desenhar muitos detalhes nos quadros-chaves, isso acaba dificultando a tarefa dos intervalistas. Ele dizia: "O Character Designer deve pensar no trabalho do animador e o animador deve pensar no trabalho do intervalista. Quem trabalha com produção de anime sempre deve levar em conta o que vai repassar ao encarregado da etapa seguinte". Ele repetia repetia que a animação era uma arte conjunta que fica pronta quando agrupa roteiro, desenho, som e a frase dos dubladores, e que nesse conjunto nós somos os encarregados em fazer os quadros-chave. Ele também dizia que no movimento dos personagens nem sempre o ideal é mantê-los em constante movimento, mas que nas cenas em que podemos paralisá-los, devemos pará-los bem. Quando o intervalo de tempo for muito grande, utilizamos o "bure" (tremor). Quando o brilho do olho não fica parado, isso só é suficiente para passar uma impressão muito diferente. Economizamos quadros de animação dessa forma, para não economizarmos nos momentos que exigem movimento. Araki gostava de ação e ele animava "Os Cavaleiros do Zodíaco" com muita empolgação. Sempre dizia: "Quero fazer uma ação que funcione em desenho animado". Era uma época em que já havia passado uns dez anos desde que começamos a trabalhar juntos e não fizemos nenhuma combinação específica a respeito. Já havia um clima de "Você já sabe, não é?" (risos)

Pergunta 10: Por favor, deixe-nos uma mensagem sobre o 30º aniversário de "Os Cavaleiros do Zodíaco".

R: O trabalho de animação é criar um filme no final. É raro as pessoas se interessarem pelo model sheets e quadros-chaves, mas sinto-me muito feliz por obter uma oportunidade como esta de mostrá-los. Desejo que o maior número de fãs de Os Cavaleiros do Zodíaco possa aproveitar esta oportunidade. Apenas lamento muito que o Shingo Araki não esteja mais conosco para compartulhar esta ocasião.

voltar para o topo da página

última atualização realizada em: 14/12/2018